Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida
5

Belize é o reino de Neptuno

Meca do mergulho, nas antigas Honduras Britânicas há vestígios arqueológicos Maias e selva para explorar.
Alfredo Leite(alfredoleite@cmjornal.pt) 8 de Fevereiro de 2017 às 09:30
‘Buraco azul’ foi dado a conhecer por Cousteau e é visível do espaço
Benque Viejo, uma vila tradicional perdida na selva
Ambergris é a ilha que mais turistas chama ao Belize
‘El Castillo’ domina o complexo Maia de Xunantunich
A ilha de Caulker atrai viajantes  independentes
Biodiversidade ideal para adeptos do mergulho
Honduras
Museu do Belize
‘Buraco azul’ foi dado a conhecer por Cousteau e é visível do espaço
Benque Viejo, uma vila tradicional perdida na selva
Ambergris é a ilha que mais turistas chama ao Belize
‘El Castillo’ domina o complexo Maia de Xunantunich
A ilha de Caulker atrai viajantes  independentes
Biodiversidade ideal para adeptos do mergulho
Honduras
Museu do Belize
‘Buraco azul’ foi dado a conhecer por Cousteau e é visível do espaço
Benque Viejo, uma vila tradicional perdida na selva
Ambergris é a ilha que mais turistas chama ao Belize
‘El Castillo’ domina o complexo Maia de Xunantunich
A ilha de Caulker atrai viajantes  independentes
Biodiversidade ideal para adeptos do mergulho
Honduras
Museu do Belize
Se gosta de areia, águas límpidas e, sobretudo, mergulho então o Belize é a sua praia. O pequeno país da América Central, que outrora se chamou Honduras Britânicas até se tornar independente de Londres, é um paraíso para os amantes do mar e da tranquilidade. Encravado entre o México e a Guatemala, o Belize tem o segundo maior recife de coral do Mundo e esse é um argumento mais do que suficiente para atrair turistas ao pequeno país de pouco mais de 20 mil quilómetros quadrados.

Mesmo que a sua viagem comece pela capital – e quase todas começam – vai encontrar um ambiente relaxado nas ruas da Cidade do Belize. Aqui encontrará uma arquitetura que nos remete para o tempo da colonização britânica onde as bonitas moradias de madeira ostentam generosos alpendres, onde à noite se ilude a temperatura e a humidade com cervejas e conversas.

É no mar, contudo, que o Belize se afirma. Como no ‘grande buraco azul’, uma formação de 300 metros de diâmetro que pode ser vista do espaço. O ‘blue hole’ é uma formação em profundidade localizada num belo atol que atrai uma diversidade marinha incrível.

E atrás desta concentração de vida vêm turistas de todo o Mundo. O ‘grande buraco azul’ foi dado a conhecer pelo oceanógrafo francês Jacques Cousteau e desde então muitos acham que se Neptuno tivesse um lugar para viver seria aqui. Nas ilhas tudo muda. A mais conhecida é Ambergris, ‘La isla bonita’, que Madonna imortalizou. A ilhota alberga umas 15 mil pessoas concentradas essencialmente na capital, San Pedro. Ambergris é o maior ‘cayo’ do Belize e o seu aeroporto é uma alternativa ao voo para a Cidade do Belize.

Se Ambergris é a ilha que mais turistas atrai – muito graças a Madonna – o ‘cayo’ Caulker é sem dúvida o mais genuíno. Para chegar a esta ilha de pescadores com cerca de mil habitantes é preciso apanhar um barco na Cidade do Belize e navegar 45 minutos. Caulker é outro mundo. Não há carros e também por isso aqui não há pressas. A ilha atrai mais turistas independentes e ‘backpackers’ que ocupam o muito alojamento informal e barato da ilha.

Será injusto, contudo, resumir a oferta do Belize a praias paradisíacas e mecas do mergulho. O país tem pequenas povoações onde o tempo parece ter parado, montanhas verdejantes e locais históricos de visita obrigatória. Nos arredores de San Ignácio ergue-se ‘El Castillo’, uma imponente torre que domina o complexo Maia de Xunantunich. Não longe daqui, mesmo junto à fronteira com a Guatemala, fica um dos lugares mais remotos do país. Em Benque Viejo a selva é dominadora. E, também aqui, o sossego é rei. 

Cidade colonial   
É no edifício de uma antiga prisão construída em 1857 que se guardam os tesouros do Belize. A história Maia ocupa grande parte do espaço do museu, mas os acontecimentos mais recentes do pequeno país das Caraíbas também têm aqui um lugar.

O mais imponente imóvel da Cidade do Belize não tem concorrentes. Esta é uma urbe de elegantes mansões coloniais no centro e crescimento abarracado nas periferias. A catedral de St. John’s é o mais relevante local de culto e a ‘Swing Bridge’ a ponte mais imponente. Numa cidade virada ao mar é ainda obrigatória uma visita ao farol ‘Baron Bliss’.

Se tiver algum tempo disponível pode ainda fazer 50 quilómetros e conhecer as ruínas Maias de Altún Há. Também nos arredores da capital merece uma visita o ‘Old Belize River’, para um inesquecível serpentear entre a selva.
Ambergris la isla bonita Caraíbas Honduras Britânicas Belize viagem férias destinos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)