Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida
3

Macedónia: o país que se abriu ao turismo

Natureza e arquitetura renovada são atrações da ex-república jugoslava que é um espelho dos Balcãs.
Pedro F. Guerreiro 6 de Novembro de 2016 às 18:45
Estátua em bronze de Alexandre, o grande é o símbolo da transformação de Skopje
Mesquitas convivem com crescimento urbanístico
Montanha de Vodno oferece vistas sobre Skopje e natureza
O pico de Krstovar, na montanha de Vodno, tem uma das maiores cruzes cristãs do Mundo e vistas deslumbrantes sobre Skopje
Tal como acontece na maioria dos países dos Balcãs, com influências do Império Otomano, o café turco é uma bebida popular
Tal como acontece com o café, a rakia – aguardente local, com teor alcoólico a rondar 40º – é um símbolo da hospitalidade local.
Estátua em bronze de Alexandre, o grande é o símbolo da transformação de Skopje
Mesquitas convivem com crescimento urbanístico
Montanha de Vodno oferece vistas sobre Skopje e natureza
O pico de Krstovar, na montanha de Vodno, tem uma das maiores cruzes cristãs do Mundo e vistas deslumbrantes sobre Skopje
Tal como acontece na maioria dos países dos Balcãs, com influências do Império Otomano, o café turco é uma bebida popular
Tal como acontece com o café, a rakia – aguardente local, com teor alcoólico a rondar 40º – é um símbolo da hospitalidade local.
Estátua em bronze de Alexandre, o grande é o símbolo da transformação de Skopje
Mesquitas convivem com crescimento urbanístico
Montanha de Vodno oferece vistas sobre Skopje e natureza
O pico de Krstovar, na montanha de Vodno, tem uma das maiores cruzes cristãs do Mundo e vistas deslumbrantes sobre Skopje
Tal como acontece na maioria dos países dos Balcãs, com influências do Império Otomano, o café turco é uma bebida popular
Tal como acontece com o café, a rakia – aguardente local, com teor alcoólico a rondar 40º – é um símbolo da hospitalidade local.
Situada no coração dos balcãs, a Macedónia nasceu em 1991 da desagregação da Jugoslávia e é, de alguma forma, o país mais icónico da mistura de culturas que existe naquela região.

A começar pela capital, que sofreu uma transformação drástica em termos arquitetónicos na última década: uma recente estátua de 22 metros de Alexandre, o Grande é um dos cartões de visita do centro da nova Skopje, onde coexistem, por exemplo, um arco do triunfo e edifícios neoclássicos pontuados com colunas ornamentais ou figuras de ninfas.

À distância de minutos, as ruas estreitas, as mesquitas, o ‘grand bazaar’ da velha Skopje remetem para as muitas influências muçulmanas daquela que podia ser uma cidade perdida no Médio Oriente.

Cidade cigana às portas de Skopje também é uma atração turística

A apenas 15 minutos de Skopje, Shutka é uma pequena cidade pouco comum e uma atração turística alternativa. Trata-se do maior aglomerado de pessoas de etnia cigana em todo o Mundo e o único sítio onde a língua oficial é o ‘romani’. Ali existem jornais, rádios e canais de TV ciganos e 80% dos 18 mil habitantes são dessa etnia: é o caso do presidente da câmara municipal, por exemplo. Parte do filme de Emir Kusturica ‘Time of the Gipsies’, ou o documentário ‘The Shutka Book of Records’, foram filmados naquele local único.

Ohrid: cidade e lago

Ohrid é nome de cidade e de um dos maiores lagos da europa, que banha parte da Albânia, a este, e a Macedónia, a sudoeste. Neste país, sem costa, este é também um dos mais populares destinos turísticos nacionais: no verão, a população da cidade de Ohrid (cerca de 50 mil habitantes) praticamente duplica. A cidade – tal como o lago – já foi considerada património mundial da UNESCO e é conhecida como a Jerusalém dos Balcãs, devido ao elevado número de igrejas: são 365, uma para cada dia do ano. Numa cidade onde tudo gira em torno do turismo, os monumentos, as casas pitorescas e, claro, o lago são as suas principais atrações.
Macedónia Jugoslávia Médio Oriente Mundo Balcãs Emir Kusturica ‘Time UNESCO Skopje
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)