Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida
1

Queijos sem fim no Príncipe Real

Atendendo à variedade em exposição, a queijaria é uma espécie de serviço público na educação sobre queijos.
Edgardo Pacheco 6 de Setembro de 2017 às 10:00
Queijos
Uma compota de cebola liga bem com queijo seco
Queijos
Uma compota de cebola liga bem com queijo seco
Queijos
Uma compota de cebola liga bem com queijo seco
Por causa de dois comportamentos muito portugueses que se chamam conservadorismo e inveja, quando os irmãos Pedro e Paulo Cardoso arriscaram numa de queijos nacionais e internacionais não faltou quem vaticinasse que a aventura duraria uns seis meses.

Erraram. A Queijaria já tem três anos. E, agora, no Príncipe Real, em Lisboa, vai continuar a oferecer alguns dos melhores queijos do Mundo, regra geral feitos com leite cru, quase todos com Denominação de Origem Protegida.
A passagem da loja da rua das Flores para o Príncipe Real teve a ver com as obras de Santa Engrácia que ocorrem nesta região da Baixa e com a crescente comunidade de franceses que se instalou nas redondezas da rua da Escola Politécnica.

Atendendo à qualidade, à variedade e, também, ao preço dos queijos à venda, os estrangeiros acabam por ser clientes importantes para a loja, em particular os franceses, que, já se sabe, não vivem sem queijo.

"É impressionante ver o comportamento de uma família francesa quando entra aqui. Não apenas pelo que compram, mas pelo conhecimento que têm de queijos produzidos em França e não só. E os miúdos, é um regalo vê-los a provar e a comer queijo", salienta Pedro Cardoso.

De resto, esta história da prova é uma das imagens de marca da Queijaria. Podemos, perante um queijo desconhecido, pedir para fazer uma prova. Se nos encanta, levamos. Caso contrário, passamos a outro. Soluções não faltam.

Claro que os grandes queijos portugueses também estão presentes, sendo que todos (estrangeiros ou nacionais) estão devidamente afinados. Isto é, estão no ponto correto de consumo. Nem frescos nem secos demais.
A Queijaria fica na rua Monte Olivete, n.º 40.
Ver comentários