Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida
1

'Jojo Rabbit': Sátira torna Hitler amigo imaginário

Nomeado para seis óscares, filme conta como um jovem rapaz, admirador o regime nazi, tem de lidar com a aproximação de uma refugiada judia.
Rui Pedro Vieira 2 de Fevereiro de 2020 às 15:00
'Jojo Rabbit'
‘Calafrio’
‘J’accuse - O Oficial e o Espião’
'Jojo Rabbit'
‘Calafrio’
‘J’accuse - O Oficial e o Espião’
'Jojo Rabbit'
‘Calafrio’
‘J’accuse - O Oficial e o Espião’
O realizador Taika Waititi diz que o filme é dedicado à mãe e a todos os pais solteiros. Percebe-se porquê: ‘Jojo Rabbit’, já em exibição, é um terno melodrama cómico, que expõe as contradições da Segunda Guerra Mundial, a partir de uma sátira ao nazismo.

Pegar neste tema muito delicado, transfigurando-o a partir do riso, pode parecer arriscado e de mau gosto. No entanto, o facto de tudo se fazer a partir do olhar de uma criança confere a este trabalho um toque de génio, que lembra o estilo peculiar de Wes Anderson e a emoção de ‘A Vida é Bela’ (1997), de Roberto Benigni.

Jojo (o vivaço Roman Griffin Davis, nomeado para o Globo de Melhor Ator de Comédia/Musical) é uma criança alemã obcecada com o regime nazi. O menor tem um confidente imaginário, nada mais nada menos do que o próprio Adolf Hitler, enquanto despreza os judeus e tudo o que comprometa a hegemonia da Alemanha.

A mãe (Scarlett Johansson, indicada para a estatueta dourada de Atriz Secundária) faz de tudo pela felicidade do filho, mas dá guarida a uma jovem judia, que vai baralhar as convicções do protagonista.

Indicado para seis Óscares, incluindo o de Melhor Filme e Argumento Adaptado, ‘Jojo Rabbit’ é uma lição de vida, que triunfa pela dinâmica da narrativa audaz e pelo olhar ingénuo perante a crueza da guerra. Tem ainda o mérito de, apesar de tudo, levar o espectador a esboçar um sorriso.

OUTRAS ESTREIAS
‘Calafrio’
O cinema de terror ressurge numa proposta convencional, que quer arrancar sustos a quem assiste. Kate (Mackenzie Davis) é uma ama que tem como tarefa cuidar de dois órfãos. À medida que o tempo passa, a protagonista dá conta de que as crianças e a casa onde vivem escondem segredos obscuros, capaz de se tornarem uma ameaça letal.

‘J’accuse - O Oficial e o Espião’
O cineasta Roman Polanski está de regresso com um elogiado filme histórico, que venceu o Grande Prémio do Júri no último Festival de Veneza. Em 1894, o capitão francês Alfred Dreyfus é condenado a prisão perpétua por espionagem, apesar de ser inocente. Uma escalada de segredos e ameaças vai ganhar forma.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)