Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
7
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Agricultura: Uma questão estratégica e de soberania europeia

Sem agricultores a produzir não existe abastecimento de bens alimentares.
9 de Maio de 2020 às 07:00


Artigo de opinião de Álvaro Amaro, eurodeputado.

Facebook
Twitter
Instagram
A Política Agrícola Comum (PAC) é hoje responsável por 34,5% do Orçamento da União. Este peso orçamental atesta bem a sua relevância. E, enquanto membro da Comissão da Agricultura, não concebo ainda hoje existirem dúvidas relativamente à indispensabilidade do seu papel, cuja importância a atual crise tornou ainda mais evidente.

É uma questão estratégica e de soberania Europeia. Sem agricultores a produzir não existe abastecimento de bens alimentares.

É por isso que, 58 anos após a sua criação formal, continuamos a precisar de uma PAC forte, que garanta a segurança alimentar dos europeus, produtos de qualidade, e que seja, simultaneamente, um vetor de coesão económica, social e territorial.

E, se a agricultura e os agricultores foram desde sempre os mediadores entre a sociedade e a natureza, não é surpreendente que assumam agora um papel de relevo numa Europa que se quer cada vez mais ecológica.

O PSD acompanha esta perspetiva. Nesse sentido, defendo uma Agricultura moderna e inovadora, uma perspetiva renovada para os que querem abraçar o setor, enriquecendo-o com técnicas agrícolas que conciliem a sustentabilidade económica e a ambiental e estas com a sustentabilidade social.

Novos e jovens agricultores são chamados a contribuir para este sistema, que não deixa de aproximar o “velho” e o “novo tempo”. Que não abandona o rural e o tradicional. Que, consciente do passado, perspetiva o futuro com segurança e com esperança.

Agricultura é Vida!

Caça, Biodiversidade e Ruralidade

Pela primeira vez na sua história, o Intergrupo da "Caça, Biodiversidade e Ruralidade" é liderado por um português, o eurodeputado Álvaro Amaro.

Constituído por mais de 130 membros e um dos mais antigos do Parlamento, possui uma Direcção paritária- 5 mulheres e 5 homens, de 10 diferentes Estados-Membros e 5 grupos políticos.

Assume uma particular importância no momento em que discutimos o Pacto Ecológico, a reforma da PAC e a Estratégia para a Biodiversidade.

O Futuro da Agricultura Europeia

As Instituições Europeias discutem actualmente um conjunto de opções estratégicas com relevo para o futuro do Mundo Rural, como a reforma da PAC e a transição entre Quadros Financeiros, a Estratégia para a Biodiversidade, o Pacto Ecológico e a Estratégia "do Prado ao Prato".

Em todos os fóruns onde participa Álvaro Amaro lembra que estas estratégias deverão ter em conta as consequências da Covid-19 para a Agricultura e ser realistas - sem "prado" não há "prato"...

A transição entre a actual e a futura PAC

A demora na conclusão das negociações do próximo Quadro Financeiro e da reforma da PAC, obrigaram à introdução de disposições transitórias para o período entre a atual e a futura Política Agrícola.

Defensor intransigente de uma "transição tranquila", Álvaro Amaro, relator do PPE para a posição do PE, acredita que este regulamento- que irá enquadrar a fase seguinte à pandemia - deve fornecer aos agricultores a segurança e a tranquilidade a que têm direito.

Carta da Europa