Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
3
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Consulta do viajante: mais vale prevenir que remediar!

Se planeia viajar, sobretudo para áreas tropicais, informe-se sobre os potenciais riscos para a sua saúde no local de destino e proteja-se da forma mais completa possível
8 de Agosto de 2019 às 12:24

Nos últimos anos, o setor do turismo tem crescido de forma sustentada, impulsionando o crescimento da economia global. Verificou-se um incremento do turismo internacional, incluindo destinos tropicais, como o Sudeste Asiático, a América do Sul e a África subsariana. A beleza exótica destes locais é naturalmente sedutora para aqueles que procuram momentos de puro ócio, premiando meses de trabalho intenso. O que muitas vezes não é imediatamente claro para todos os viajantes é que a estadia em destinos paradisíacos pode associar-se a riscos importantes para a sua saúde.

Todos sabemos quão desagradável é ter uma qualquer complicação num país estranho, muitas vezes sem dominar a língua nativa e sem conhecer a totalidade dos recursos de apoio existentes. Isto será ainda mais relevante quando o que está em causa é uma situação de doença aguda e o local em que se encontra tem uma localização mais remota e recursos mais deficitários. Daí que seja tão importante que o planeamento de uma viagem vá além das datas de partida/regresso e dos locais de dormida. "Que infeções estou em risco de contrair naquele destino? Que cuidados deverei ter com a alimentação? Como poderei prevenir as picadas de insetos? Que vacinas deverei realizar previamente? Que medicação deverei levar comigo na minha mala de viagem? Como deverei proceder perante este ou aquele sintoma?" Estas são algumas questões pertinentes que deverá considerar, atempadamente, no seu plano de viagem.

De acordo com um artigo publicado na prestigiada revista médica The Lancet Infectious Diseases, a realização da consulta do Viajante associou-se a uma redução significativa da morbilidade relacionada com malária, hepatite aguda e infeção por VIH nesses viajantes versus o grupo que viajou sem recorrer a consulta de aconselhamento pré-viagem. O benefício poderá estender-se a muitas outras infeções, bem como outras potenciais complicações, como as relacionadas com a exposição solar excessiva ou a estadia em elevada altitude, nomeadamente.

Após o regresso, se apresentar queixas persistentes relacionadas com sintomas que se iniciaram durante ou logo após a viagem, procure aconselhamento médico.