Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
9

Cervejaria Galiza no Porto entra em processo de insolvência "controlada"

Processo será "controlado" de forma a manter o espaço aberto.
Lusa 26 de Fevereiro de 2020 às 15:21
Trabalhadores em greve, contra o atraso do pagamento das remunerações, fecham a Cervejaria Galiza, Porto
Trabalhadores em greve, contra o atraso do pagamento das remunerações, fecham a Cervejaria Galiza, Porto FOTO: Direitos Reservados
A Cervejaria Galiza, estabelecimento da cidade do Porto que desde novembro está a ser gerido pelos funcionários, vai entrar em insolvência, um processo que será "controlado" de forma a manter o espaço aberto, indicaram hoje representantes dos trabalhadores.

"Não há fumo branco, mas pelo menos hoje tentou-se pôr um ponto final a esta situação. Nós também já estamos a ficar cansados, mas alguns, a maior parte, aliás, dos trabalhadores, gosta da Galiza como uma casa e vê a Galiza como uma referência na cidade do Porto, portanto não a queremos ver fechada. A insolvência controlada assegura todos os direitos dos trabalhadores", disse António Ferreira, da Comissão de Trabalhadores da Cervejaria Galiza.

António Ferreira, que é empregado de mesa naquela cervejaria há 33 anos, falava à agência Lusa à porta das instalações da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), no Porto, depois de uma reunião que durou mais de duas horas e que juntou os donos da Galiza, representantes dos trabalhadores e o Sindicato de Hotelaria do Norte.

"Saio mais tranquilo. Pelo menos houve um entendimento e ficou sublinhada a vontade de manter a Galiza aberta, mas pondo fim a este sacrifício que estamos todos a fazer", concluiu o representante da Comissão de Trabalhadores da Cervejaria Galiza.

A reunião realizou-se hoje depois de dois adiamentos -- esteve agendada para dia 07 e para sexta-feira passada, mas não chegou a realizar-se -- estando em cima da mesa a discussão do futuro da Cervejaria Galiza que desde novembro é gerida por 31 trabalhadores que, de dia e de noite, de forma alternada, se mantêm nas instalações, depois de se terem apercebido de uma tentativa da retirada do equipamento pelos proprietários do estabelecimento.

Também em declarações à Lusa, Nuno Coelho, Sindicato de Hotelaria do Norte, explicou que requerer a insolvência controlada significa que "o estabelecimento mantém-se aberto, os postos de trabalho são mantidos".

"E quem pegar na Galiza faz um leilão cujo dinheiro passa para a massa falida e o investidor assegura os postos de trabalho e os direitos dos trabalhadores. Finalmente hoje houve um princípio de conclusão para este processo. Era muito mau fechar, tendo em conta que é um espaço com viabilidade e com dezenas de trabalhadores. Não há interesse em fechar a Galiza", referiu Nuno Coelho.

Questionados sobre se conhecem a existência de investidores para a Cervejaria Galiza, António Ferreira disse ter-lhe sido explicado que "os investidores que há apresentam propostas que do ponto de vista da gerência não são viáveis".

Já Nuno Coelho referiu que a informação sobre essa matéria é "sempre muito opaca".

O representante do Sindicato de Hotelaria do Norte tinha afirmado, à Lusa, na sexta-feira, quando a reunião na DGERT foi adiada para esta manhã, que, apesar de "não ter provas concretas", acreditava que o motivo dos adiamentos está relacionado com "o reaparecimento de um investidor oculto".

"Ainda não sabemos quem é o investidor, mas sabemos que tinha estado a tomar conta da Cervejaria Galiza aquando do fecho, que desapareceu e voltou a aparecer. Pensamos que poderá estar relacionado e receamos que seja esse um dos motivos destes adiamentos", apontou.

Esta manhã, Nuno Coelho disse não ter ficado esclarecido sobre esta matéria e revelou que haverá uma nova reunião na DGERT a 16 de março.

Fundada a 29 de julho de 1972, a Cervejaria Galiza é detida pela empresa Atividades Hoteleiras da Galiza Portuense, sendo uma das referências do Porto no setor da restauração.

Reaberta a 12 de novembro depois de uma tentativa frustrada dos donos de a fechar compulsivamente, a cervejaria está a funcionar e tem os salários e outras contas, como a renda, água, luz, gás e seguros em dia, tendo os trabalhadores libertado ainda verbas para a gerência pagar outras despesas como Segurança Social, IRS e IVA.

A tentativa de resolver as dificuldades financeiras passou pelo recurso a um PER, aceite pelo Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)