Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
8

CGTP realiza manifestações e concentrações em vários pontos do país

Sob o lema "Aumentar os salários! Desenvolver o País", intersindical espera grande adesão à iniciativa.
Lusa 26 de Setembro de 2020 às 15:48
Isabel Camarinha Gomes
Isabel Camarinha Gomes FOTO: Lusa
A CGTP realiza este domingo uma ação de luta nacional com manifestações e concentrações em várias cidades, sob o lema "Aumentar os salários! Desenvolver o País", com a líder da intersindical a esperar uma "grande adesão" à iniciativa.

"A ação de dia 26 será o culminar de um conjunto muito grande de lutas, de plenários e de contactos com os trabalhadores que temos vindo a fazer nos últimos meses e a expectativa que temos é de ter grande adesão nas ações em todo o país", afirmou a secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha à Lusa, na quinta-feira.

Apesar de esperar uma forte participação nas várias ações que estão programadas, Isabel Camarinha assegurou que a CGTP "vai garantir a proteção de todos com o distanciamento necessário e respeitando as regras de segurança sanitárias" por causa da covid-19.

"Temos concentrações ou manifestações praticamente em todo o país e nessas ações os espaços que temos garantem o distanciamento", acrescentou a secretária-geral da CGTP.

Isabel Camarinha estará presente na manifestação em Coimbra, que se realiza de manhã e, à tarde, a líder da intersindical participa na manifestação em Lisboa.

A ação de luta nacional da CGTP foi anunciada no final de agosto pela intersindical e prevê concentrações e manifestações em todos os distritos e regiões autónomas.

A iniciativa tem como objetivo fazer convergir todas as reivindicações da central sindical, nomeadamente as que se referem ao aumento geral dos salários e pensões e do salário mínimo nacional, pagamento da totalidade da retribuição a todos os trabalhadores com cortes salariais e garantia do emprego e do combate à precariedade.

A CGTP reivindica o aumento geral dos salários em 90 euros no próximo ano e a subida do salário mínimo nacional de 635 euros para 850 euros a curto prazo.

Centenas de pessoas desfilam do Rossio ao Terreiro do Paço

Centenas de manifestantes saíram este sábado do Rossio em direção ao Terreiro do Paço, com a líder da CGTP, Isabel Camarinha, a liderar o cortejo que pede melhores salários e o aumento do salário mínimo.

Palavras de ordem contra a precariedade e os baixos salários marcaram o arranque do desfile, que saiu da praça do Rossio, em Lisboa, já depois das 15h00, sob o lema "Aumentar os salários! Desenvolver o país".

Na resolução da CGTP hoje distribuída, a intersindical reafirma a exigência de um aumento geral dos salários em 90 euros para todos os trabalhadores e de um aumento do salário mínimo nacional para os 850 euros "a curto prazo", entre outras melhorias de condições laborais.

O aumento do salário mínimo está no centro do debate político, sendo um dos relevantes nas negociações do próximo Orçamento do Estado, que o Governo quer ver aprovado no parlamento com o apoio da esquerda parlamentar.

O ministro das Finanças disse recentemente que o aumento do salário mínimo deve ter expressão significativa, sem, no entanto, referir valores.

O líder do PSD, Rui Rio, questionou recentemente a oportunidade de aumentar o salário mínimo, numa altura de crise no país provocada pela pandemia de covid-19, afirmando que esse aumento contribuiria para um aumento do desemprego.

A CGTP-IN convocou para este sábado duas concentrações em Lisboa, uma no Cais do Sodré, outra no Rossio, com ambas a partirem em desfile e a confluírem para o Terreiro do Paço, onde Isabel Camarinha fará uma intervenção de encerramento da ação de luta.

Ver comentários