Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
9

Especialistas aconselham pausas de dez minutos durante a utilização de máscara contra a Covid-19

Pneumologista do hospital espanhol Vithas Xanit Internacional dá pistas para uma utilização regrada para evitar sequelas na saúde das pessoas.
Pedro Rodrigues Santos 12 de Agosto de 2020 às 15:06
Máscaras apenas são de uso obrigatório em espaços públicos fechados
Máscaras apenas são de uso obrigatório em espaços públicos fechados FOTO: Direitos Reservados

Poderá o uso prolongado das máscaras de proteção contra o coronavírus provocar sequelas na saúde das pessoas? Ninguém consegue dar uma resposta efetiva à questão pelo ineditismo da situação pandémica em que vivemos, mas vários especialistas recomendam medidas de uso que podem prevenir problemas futuros.

Assim como os oftalmologistas aconselham pausas de cinco a dez minutos por cada hora em frente ao computador, também as máscaras de proteção contra o coronavírus devem ser retiradas pelo mesmo período de tempo.

Diversos especialistas do Vithas Xanit Internacional de Benalmádena, nos arredores de Málaga, aconselham pequenos períodos de descanso para se respirar melhor oxigénio e, ao mesmo tempo, ventilar o rosto.

As recomendações ganham particular importância face às pressões que se fazem sentir um pouco por toda a Europa para os cidadãos usarem sempre máscaras em qualquer situação, seja na rua ou em espaços públicos interiores.

E as altas temperaturas que se fazem sentir este verão também não servem de desculpa para evitar o uso de máscara face à situação pandémica que o Mundo vive.

Pausas a cada hora

Para Gustavo de Luiz, responsável pelo serviço de pneumologia daquele hospital espanhol, "o ideal, do ponto de vista respiratório, é que a cada hora (ou mesmo a cada 45 minutos) seja retirada a máscara da face e feito um breve intervalo de cinco ou dez minutos".

E, sempre que possível, é conveniente repousar entre 30 a 60 minutos, depois de uma jornada de quatro a cinco horas com a máscara no rosto.

Claro que o descanso, sublinha Gustavo de Luiz, "só pode ser feito se em nenhum momento as normas sobre o uso da máscara forem violadas".

Sempre que a máscara for retirada, para melhor respirar durante alguns minutos, deve ser guardada num local adequado e livre de germes.

"A maioria das pessoas baixa-a para o pescoço ou coloca-a no pulso, algo que não é recomendado por poder entrar em contacto com uma superfície contaminada", afirmou.

Também deve evitar-se pousá-la sobre a mesa de trabalho ou do restaurante, ou mesmo guardá-la no bolso. "A recomendação é colocá-lo numa bolsa porosa, que pode ser de papel, ou mesmo num envelope".

Substituição e lavagem de máscaras

Gustavo De Luiz recorda ainda que uma máscara não reutilizável apenas deve ser usada durante quatro horas, e trocada por uma nova sempre que ficar húmida ou deteriorada, algo que nem sempre é cumprido.

Não é apenas a necessidade de respirar-se melhor: o uso prolongado da máscara também pode causar doenças de pele ou gerar fungos e bactérias. "No caso das máscaras cirúrgicas", destaca o pneumologista, "elas devem ser descartadas após um uso contínuo de quatro horas".

Já com as reutilizáveis, é necessário seguir as recomendações do fabricante, que normalmente especificam o tempo em que elas são eficazes. "Independentemente disso", sublinha De Luiz, "estas máscaras devem ser lavadas diariamente e, caso tenham filtros, substituí-los todos os dias".

Uma das principais dúvidas levantadas é se o uso continuado da máscara ao longo do tempo pode causar sequelas. O especialista confirma que a sua utilização é um entrave à entrada e saída de oxigénio, mas os efeitos que pode ter na saúde das pessoas ainda são desconhecidos face à situação inédita que atualmente vivemos.

Inegável é o benefício que tem face a essas possíveis sequelas. "O uso de máscara", aliado a outras medidas, "contribui para prevenir a disseminação da Covid-19", remata Gustavo De Luiz.

Vithas Xanit Internacional de Benalmádena Málaga Espanha Gustavo De Luiz saúde Covid-19 coronavírus
Ver comentários