Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
3

Sérgio Conceição, o comandante dos campeões nacionais

Conheça o percurso do homem que treina a equipa do FC Porto.
5 de Maio de 2018 às 23:53
Sérgio Conceição
Pinto da Costa atira-se a Vieira acusando-o de inspiração em Trump
Sérgio Conceição
Sérgio Conceição saudado por adeptos do FC Porto na Madeira
Sérgio Conceição
Pinto da Costa atira-se a Vieira acusando-o de inspiração em Trump
Sérgio Conceição
Sérgio Conceição saudado por adeptos do FC Porto na Madeira
Sérgio Conceição
Pinto da Costa atira-se a Vieira acusando-o de inspiração em Trump
Sérgio Conceição
Sérgio Conceição saudado por adeptos do FC Porto na Madeira
Sérgio Conceição assume aposta pessoal e ganha campeonato português pelo FC Porto.

Há um ano, o treinador de 43 anos, aceitou um projeto pessoal muito forte, ao sair do Nantes para ir treinar a equipa de futebol do FC Porto, implicando perder dinheiro e arriscar a boa imagem deixada em França.

No entanto, Sérgio cumpriu a meta, projetando-se como um técnico francamente cobiçado por grandes emblemas da Europa, ao mesmo tempo que é já um dos símbolos dos 'dragões' - é o terceiro português a sagrar-se campeão como jogador e treinador no clube, sucedendo a nomes como José Maria Pedroto e António Oliveira e Augusto Inácio.

Em França, deixou o Nantes no sétimo lugar, magnífico para as ambições do clube, e prescindiu de quatro milhões de euros por ano, para ir para o clube do coração por um pouco menos de metade, mais prémio por objetivos.

Neste momento, recebe mais um milhão e vê o seu nome entrar nas listas de prováveis de clubes como o Inter Milão.

Na formação, foi jogador da Académica e do FC Porto e nunca escondeu a sua afeição pelo clube 'azul e branco' por quem tinha sido três vezes campeão (1996/97, 1997/98 e 2003/04). O FC Porto foi o único clube da I Liga que representou em Portugal.

Quando chegou a sénior, andou por Penafiel, Leça e Felgueiras e após o seu bicampeonato esteve cinco épocas e meia em Itália, ao serviço de Lazio (por quem foi campeão), Parma e Inter. Em 2004, voltou a emigrar e defendeu as cores de Standard Liège, Qadsia (Kuwait) e PAOK, já em final de carreira.

Em 2010, deu um novo passo de volta ao Standard, enquanto adjunto de Dominique D'Onofrio. Depois, foi ganhando experiência e prestígio no banco de Olhanense, Académica, Sporting de Braga e Vitória de Guimarães.

Pinto da Costa ia seguindo o percurso do jovem treinador, com quem simpatizava desde os tempos de jogador, não ficando impressionado com a aura de frontalidade, na fronteira da dureza, de Sérgio, que já tinha entrado em choque com os presidentes da Académica e do Sporting de Braga.

A mudança esteve para acontecer há duas épocas, para render Peseiro, no entanto acabou por ser Nuno Espírito Santo a fazer a nova época, mas também ele viu o Benfica ser campeão.

Sérgio Conceição herdou, em junho passado, a dura missão de recolocar o FC Porto num patamar de sucesso e travar o 'penta' do Benfica. Não foi fácil, ao longo da época viu Sporting e Benfica andarem pela liderança, mas no final quem ri é mesmo ele.

A época tem nota absolutamente positiva, apesar de não agregar mais nenhum troféu. Só que deixa boa imagem na Liga dos Campeões (caiu ante o Liverpool, que é finalista), na Taça (afastado pelo finalista Sporting) e até na Taça da Liga (perdeu com os 'leões', que viriam a ser campeões).

Quase um ano depois de estar à frente do FC Porto, foi ganhando estatuto de ídolo entre a massa dos adeptos, encantado com o seu estilo frontal, sem permitir desvios disciplinares, mas também sem rancores.

Isso viu-se na forma como afastou da equipa, para depois os chamar de novo, sem mais tensões, nomes como Tiquinho Soares ou Iker Casillas. Sem subterfúgios, assumiu que o guarda-redes que foi campeão do mundo não estava a treinar o suficiente e enviou-o para o banco - mas depois voltou a dar-lhe a titularidade e o estatuto de peça fundamental no final do campeonato.

Sem grandes reforços ao seu dispor, Sérgio Conceição teve o condão, isso sim, de potencializar os jogadores que já estavam, ou emprestados, como Aboubakar, Marega, Ricardo Pereira, Alex Telles ou Herrera.

Arriscou e ganhou, numa época que fica ao nível do melhor de sempre do clube, tanto em termos de golos marcados como de pontos alcançados. É preciso recuar até José Mourinho para ver números tão positivos.

A 'saga' pode não acabar aqui, já que tem mais um ano de contrato. As próximas semanas serão essenciais, para ver se Pinto da Costa consegue segurar a sua nova 'jóia da coroa' ou cede a uma proposta milionária e irrecusável.
Sérgio Conceição FC Porto Portugal campeão nacional percurso
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)