Barra Cofina

Correio da Manhã

Coronavírus

Presidente do Turismo de Lisboa defende necessidade de Plano de Resgate

Entidade considera que classificação da região como zona de risco pela Alemanha "é mais um duro golpe".
Lusa 24 de Setembro de 2020 às 15:00
Turismo em Lisboa
Turismo em Lisboa FOTO: Sérgio Lemos
O presidente da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa defendeu esta quinta-feira a necessidade de um Plano de Resgate do Turismo, considerando que a classificação da região como zona de risco pela Alemanha "é mais um duro golpe".

Vítor Costa, diretor geral da Associação Turismo de Lisboa e presidente da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa, afirmou esta quinta-feira, numa nota enviada à Lusa, que a atual situação desta atividade económica "exige um Plano de Resgate do Turismo", de forma "a preservar o tecido económico, proteger o emprego e garantir a recuperação económica do país".

"Para evitar o colapso, o Plano de Resgate tem que ir mais longe que as medidas de apoio já aprovadas que, embora positivas, são insuficientes", defendeu.

O responsável defendeu a necessidade de "alterar a natureza das medidas, que têm consistido essencialmente em protelar e acumular responsabilidades para as empresas, que não vão ser sustentáveis no futuro, dada a profundidade e duração da crise".

Considerou ainda "fundamental" que Portugal consiga fazer valer a sua especificidade no contexto dos destinos turísticos europeus, "dado que é o único que depende em 95% do transporte aéreo".

"A decisão da Alemanha [de classificar a região de Lisboa como zona de risco] é mais um duro golpe que atinge o coração do Turismo em Lisboa, a região mais afetada pela crise", considerou.

O responsável explicou que Lisboa tem sete mercados emissores com quotas entre 6% e 11% das dormidas.

Desses sete, o Brasil e os EUA "estão completamente paralisados desde há seis meses", o mesmo sucedendo "mais recentemente com o Reino Unido", a que agora se junta a Alemanha.

"Restam, neste momento, a Itália, França e Espanha, países que estão a ser duramente atingidos pela onda pandémica, especialmente a Espanha, o único que pode aceder ao nosso destino por via terrestre. Além destes, outros mercados com peso relevante estão limitados, como é o caso da Bélgica e Holanda, que agora também decidiram restringir as viagens a Portugal", salientou.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 971 mil mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 1.931 em Portugal.

As medidas para combater a pandemia paralisaram setores inteiros da economia mundial e levaram o Fundo monetário Internacional (FMI) a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 4,9% em 2020, arrastada por uma contração de 8% nos Estados Unidos, de 10,2% na zona euro e de 5,8% no Japão.

Para Portugal, a Comissão Europeia prevê que a economia recue 9,8% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, uma contração acima da anterior projeção de 6,8% e da estimada pelo Governo português, de 6,9%.

O Governo prevê que a economia cresça 4,3% em 2021, enquanto Bruxelas antecipa um crescimento mais otimista, de 6%, acima do que previa na primavera (5,8%)

A taxa de desemprego deverá subir para 9,6% este ano, e recuar para 8,7% em 2021.

Em consequência da forte recessão, o défice orçamental deverá chegar aos 7% do PIB em 2020, e a dívida pública aos 134,4%.

Os efeitos da pandemia já se refletiram na economia portuguesa no segundo trimestre, com o PIB a cair 16,5% face ao mesmo período de 2019, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Portugal Turismo Alemanha Lisboa Covid-19
Ver comentários