Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
3

Campanha de descontos em museus e monumentos nacionais arranca segunda-feira

Iniciativa do Ministério da Cultura abrange mais de 60 equipamentos culturais espalhados pelo país.
Lusa 24 de Julho de 2020 às 08:50
Visitas ao monumento, ex-líbris da cidade Invicta, vão ser gratuitas durante todo o dia de amanhã
O Mosteiro dos Jerónimos é palco de um concerto do Grupo Oficina da Música Nova Antena
Capela dos Ossos, em Évora
Fortaleza de Sagres
Visitas ao monumento, ex-líbris da cidade Invicta, vão ser gratuitas durante todo o dia de amanhã
O Mosteiro dos Jerónimos é palco de um concerto do Grupo Oficina da Música Nova Antena
Capela dos Ossos, em Évora
Fortaleza de Sagres
Visitas ao monumento, ex-líbris da cidade Invicta, vão ser gratuitas durante todo o dia de amanhã
O Mosteiro dos Jerónimos é palco de um concerto do Grupo Oficina da Música Nova Antena
Capela dos Ossos, em Évora
Fortaleza de Sagres
O Ministério da Cultura criou uma campanha de descontos no acesso a museus, palácios e monumentos nacionais, incluindo sítios arqueológicos, que se inicia na segunda-feira e inclui mais de 60 equipamentos culturais espalhados pelo país.

Segundo a secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, Ângela Ferreira, em declarações à Lusa, trata-se de uma "uma campanha de descontos de verão, que arranca na segunda-feira e dura até 30 de setembro, que inclui todos os monumentos, museus, palácios nacionais e sítios arqueológicos, que estão sob tutela do ministério da Cultura".

"Construímos 17 itinerários, agrupados por diferentes temas ou por regiões e que incluem mais de 60 equipamentos culturais espalhados por todo o país, e os descontos consubstanciam-se na compra de um bilhete para estes itinerários, que tem a duração de sete dias. Ou seja, cada um dos visitantes tem sete dias para usufruir dos equipamentos que fazem parte desse itinerário", explicou Ângela Ferreira.

No caso dos bilhetes individuais, "o desconto será de 25% sobre o valor normal desse pacote". Nos bilhetes de família, o desconto é de 45% e o conceito de família inclui "os ascendentes ou os descentes, num total de até 10 pessoas".

"Ou seja, podemos ter uma família que traz os filhos, os avós, num total de até dez membros da mesma família", referiu.

Com esta campanha, a tutela pretende "incentivar e promover a participação cultural dos portugueses": "Dar-lhes a oportunidade de visitar ou revisitar os nossos museus e monumentos, a um custo mais reduzido, num ano que se espera que seja excecional, em que temos noção das dificuldades que muitos portugueses estão a atravessar do ponto de vista económico".

Além disso, num ano "em que a maioria dos portugueses vai passar férias em Portugal, cumprindo um apelo que o primeiro-ministro já fez", o Ministério da Cultura está "a trabalhar para que exista uma oferta cultural a um preço mais reduzido em todo o país e que esta seja uma escolha prioritária dos portugueses neste verão".

Ângela Ferreira apela aos portugueses a que visitem os equipamentos culturais sob tutela do Governo, "com toda a confiança e toda a tranquilidade", garantindo que os últimos meses foram passados "a trabalhar afincadamente para garantir toda a segurança e todas as condições, relativamente à pandemia [da covid-19]".

No Dia Nacional da Arqueologia, que se assinala esta sexta-feira, a secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural destaca o itinerário dedicado à Arqueologia, que inclui, entre outros, o Museu Nacional de Arqueologia (em Lisboa), o Museu Monográfico de Conímbriga (Condeixa, Coimbra), a Estação Arqueológica de Miróbriga (Santiago do Cacém), a vila romana de Estói (Faro) ou o Santuário de Panóias (Vila Real).

"É um itinerário que acompanha todo o país, de Lisboa ao Norte, passa pelo Algarve e pelo Alentejo", disse.

Entre os 17 itinerários criados, Ângela Ferreira referiu ainda, a título de exemplo, o de Conventos e Mosteiros, "com mais de dez equipamentos", incluindo os mosteiros do Jerónimos (Lisboa), de Santa Maria de Salzedas (Tarouca) e de São Martinho de Tibães (Braga), e o do Património da UNESCO, do qual fazem parte o Mosteiro da Batalha, o Convento de Cristo (Tomar), o Mosteiro de Alcobaça, o Mosteiro dos Jerónimos, a Torre de Belém (Lisboa), o Palácio Nacional de Mafra e o Museu Nacional Machado de Castro (Coimbra).

"Para comprar os bilhetes basta dirigirmo-nos a um dos equipamentos que fazem parte [do itinerário] e depois o bilhete dá para entrar em todos os outros equipamentos que fazem parte d0 itinerário, durante sete dias", explicou.

Toda a informação sobre os 17 itinerários está disponível 'online', nos 'sites' do Ministério da Cultura, da Direção-Geral do Património Cultural e das Direções-Regionais de Cultura do Norte, do Centro, do Alentejo e do Algarve.

Os museus, palácios e monumentos nacionais encerraram em 14 de março, no âmbito as medidas de contenção de propagação da pandemia da covid-19.

Em 18 de maio, Dia Internacional dos Museus, foram autorizados a reabrir, no âmbito do "Plano de Desconfinamento" do Governo, anunciado em 30 de abril, mas com normas de higiene e segurança, como uso obrigatório de máscara e distanciamento social, adaptadas à sua dimensão.

O tempo que estiveram encerrados provocou, segundo a secretária de Estado Adjunta e do Património Cultura, uma quebra "muita grande nas receitas".

"Mas estamos já a assistir a uma subida, não só de entradas nacionais como de entradas estrangeiras, o que corresponde aos números que têm vindo a público da entrada em Portugal de turistas franceses, espanhóis e italianos. A descida foi muito drástica, face aos números de 2019, dos mais altos até hoje. Obviamente que concorre também para isto o facto de terem estado estes meses encerrados", afirmou Ângela Ferreira.

A quebra de receitas nos meses em que aqueles equipamentos culturais estiveram encerrados foi "na ordem dos dois milhões de euros por mês".

Em relação ao tempo desde a reabertura, ainda não há uma estimativa.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)