Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
9

Carlos Alberto Moniz: “Sinto-me orgulhoso mas não realizado”

Músico assinala quinta-feira, no Salão Preto e Prata do Casino Estoril, 50 anos de carreira.
Miguel Azevedo 29 de Setembro de 2020 às 08:40
Músico assinala quinta-feira, no Salão Preto e Prata do Casino Estoril, 50 anos de carreira
Músico assinala quinta-feira, no Salão Preto e Prata do Casino Estoril, 50 anos de carreira FOTO: Paulo Calado
Cinquenta anos depois ainda há muito para fazer. “Sinto-me orgulhoso do meu passado, mas não realizado”, diz Carlos Alberto Moniz sobre as cinco décadas de percurso que esta quinta-feira o farão subir ao palco do Salão Preto e Prata do Casino Estoril para um espetáculo de comemoração. Entre os convidados estarão, por exemplo, Dany Silva, para “cruzar a saudade açoriana com a saudade cabo-verdiana”; Vitorino, “um amigo de longa data, ainda antes do 25 de Abril”; ou Rui Veloso, para uns “toques” de harmónica e uns solos de guitarra. Em palco, o músico contará ainda com a presença da filha Lúcia Moniz, com quem cantará uma “desgarrada” e fará ainda uma homenagem ao velho amigo Pedro Osório. Inês Silvestre, Samuel e Silvestre Fonseca também farão parte do espetáculo.

Com mais de 500 canções compostas ao longo da carreira, o músico açoriano de 72 anos, apresenta o seu novo disco, ‘O Amor Virá Mais Tarde’, um trabalho inteiramente de temas originais. No dia Mundial da Música (que se comemora a 1 de outubro), Carlos Alberto Moniz promete ainda desfiar memórias. “A produtora do espetáculo já está com medo que eu fale demais, mas a nossa vida é feita de histórias e não há como fugir delas”, justifica. O espetáculo ‘50 anos Depois...’, que conta com os músicos Carlos Araújo, Hugo Carvalhais, Tico e Luís Rovina, deverá ser apresentado futuramente noutros pontos do País. Os bilhetes variam entre os 20 e os 35 euros.
Ver comentários