Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
4

Fórmula de Salvador Sobral não funcionou

Cláudia Pascoal e Isaura agradecem apoio dos fãs e dizem estar felizes com participação.
Sónia Dias 14 de Maio de 2018 às 09:14
Cláudia Pascoal, com 'O Jardim', representante de Portugal
Netta deu a vitória a Israel na Eurovisão
Cláudia Pascoal, com 'O Jardim', representante de Portugal
Isaura e Cláudia Pascoal
Cláudia Pascoal e Isaura Santos com o troféu do Festival da Canção
Netta dá a vitória a Israel na Eurovisão
Cláudia Pascoal, com 'O Jardim', representante de Portugal
Netta deu a vitória a Israel na Eurovisão
Cláudia Pascoal, com 'O Jardim', representante de Portugal
Isaura e Cláudia Pascoal
Cláudia Pascoal e Isaura Santos com o troféu do Festival da Canção
Netta dá a vitória a Israel na Eurovisão
Cláudia Pascoal, com 'O Jardim', representante de Portugal
Netta deu a vitória a Israel na Eurovisão
Cláudia Pascoal, com 'O Jardim', representante de Portugal
Isaura e Cláudia Pascoal
Cláudia Pascoal e Isaura Santos com o troféu do Festival da Canção
Netta dá a vitória a Israel na Eurovisão
No rescaldo do Festival Eurovisão da Canção 2018, que deu a vitória a Israel e colocou Portugal em último lugar, muitas têm sido as mensagens de apoio enviadas a Cláudia Pascoal e Isaura. Nas redes sociais, e depois de dar os parabéns à vencedora, Netta Barzilai, a dupla agradeceu o "carinho" dos portugueses e mostrou-se feliz por ter vivido uma "experiência inesquecível" e "única" no "maior palco do Mundo".

"Posso só garantir-vos que dei o meu máximo e dei tudo de mim para vos fazer orgulhosos", escreveu Cláudia.

Na opinião de Tozé Brito, que integrou o júri do Festival RTP da Canção que deu a vitória a ‘O Jardim’, o resultado não foi merecido. "Sempre achei que a canção portuguesa ficaria a meio da tabela, nunca no fim. Haviam canções muito piores", começa por dizer ao CM o cantor e compositor.

"Acho que a vitória de Salvador Sobral teve algum peso, pois optou-se por repetir a fórmula de leveza, intimismo, simplicidade de arranjo e de interpretação, e até de bom gosto, o que acabou por se revelar um erro. Este ano, o festival ficou marcado pela exuberância, pela extroversão, pelo espetáculo visual e pela alegria, o que acabou por penalizar a nossa canção", explica.

Apesar de tudo, Tozé Brito desvaloriza o resultado de Portugal na Eurovisão 2018 e espera que os músicos e compositores portugueses não virem as costas ao festival depois desta derrota. "É algo que deve ser encarado com naturalidade, pois tudo é possível neste tipo de concursos. Tal como na vida", conclui.

Deu troféu depois de criticar canção
No final da Eurovisão, coube a Salvador Sobral, vencedor do ano passado, entregar o troféu a Netta Barzilai, de Israel. Pouco antes, o cantor tinha descrito o tema ‘Toy’ como "horrível".

Já a artista disse que Salvador a "respeitou" quando lhe entregou o microfone de vidro.

Invasor tinha bilhete e foi revistado
A meio da atuação da concorrente britânica SuRie, no sábado à noite, o palco da Altice Arena, em Lisboa, foi invadido por um homem. O mesmo comprou bilhete para o evento, foi revistado à entrada do recinto do Eurofestival por agentes da PSP (que não lhe encontraram armas), e colocou-se junto ao palco. Esperou pelo início da atuação da concorrente e, em pouco tempo, saltou uma vedação, e passou para um fosso onde estavam operadores de câmara e fotógrafos, subindo para o palco por uma escada.

Sabe o CM que se trata de Konstantin Bouki, um albanês de 30 anos, com passaporte grego. ‘Dr. AcActivist’, alcunha pela qual é conhecido nas redes sociais, reside em Londres. O ativista roubou o microfone de SuRie e gritou ‘For the Nazis of the UK media, we demand freedom’ (para os nazis dos media britânicos, exigimos liberdade).

Em poucos segundos, foi agarrado por seguranças da Altice Arena e entregue à PSP. Passou este domingo preso nos calabouços do Comando da PSP de Lisboa e será esta segunda-feira presente a um juiz.

É suspeito da prática do crime de introdução em local vedado ao público, já que os representantes da RTP quiseram apresentar queixa. Konstantin Bouki poderá ainda ser interrogado pelo crime de ofensas corporais. Este domingo era ainda indefinido se a concorrente SuRie iria apresentar queixa contra ele.

Ativista já fez outras invasões
Konstantin Bouki é conhecido em Inglaterra por protestos contra a "tirania dos media". Este ano, o albanês, autor de vários livros, invadiu o palco dos prémios de televisão ingleses e foi afastado pelo apresentador. Em junho será julgado em Londres por ofensas à polícia.

Votos do público trama Áustria
A Áustria, com César Sampson e o tema ‘Nobody But You’, ficou a liderar a tabela de pontuação após a votação dos júris dos 43 países participantes, seguida da Suécia, Israel e Chipre. Já Portugal ocupava a penúltima posição.

Contudo, a votação dos telespectadores mudou tudo. Israel passou para primeiro lugar, seguido de Chipre, e a Áustria ficou em terceiro.

Portugal só deu um ponto a Israel
O júri de Portugal atribuiu apenas um ponto à canção de Israel, que venceu o festival. A pontuação máxima - 12 pontos - foi para a Estónia.

Israel é vencedor pela quarta vez
Israel venceu pela quarta vez o Festival Eurovisão da Canção - não vencia há 20 anos - com o melhor resultado de sempre: 529 pontos.

Edição de 2019 terá lugar em Jerusalém
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, através da sua conta oficial no Twitter, disse que Jerusalém irá acolher a Eurovisão 2019.


SAIBA MAIS
1,5 milhões de telespectadores viram a grande final do Festival Eurovisão da Canção 2018 na RTP 1. Foi a edição mais vista da última década.

Últimos lugares
É a quarta vez que Portugal fica em último lugar na Eurovisão. A primeira foi com António Calvário (1964). Seguiram-se Paulo de Carvalho (1974) e Célia Lawson (1997).

Suíça venceu primeiro
Suíça foi o primeiro país a vencer a Eurovisão. Aconteceu em 1956, com Lys Assia e o tema ‘Refrain’.

Irlanda tem mais vitórias
O país que soma mais vitórias na Eurovisão é a Irlanda. Ganhou sete vezes. Este ano ficou em 16º lugar.
Ver comentários