Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura

Legend homenageia The Doors e 'The Boss' em Oeiras

A estreia em solo português previa-se marcante e o norte-americano John Legend não desiludiu, no serão deste sábado.

28 de Julho de 2013 às 11:42
Cantor de 34 anos tocou várias vezes ao piano
Cantor de 34 anos tocou várias vezes ao piano FOTO: Bruno Colaço

Atração do último dia do festival edpcooljazz, no Pavilhão Municipal de Oeiras, o cantor mostrou que a nova soul passa por ele, digno herdeiro das raízes negras da pop, numa atualização justa de um legado explorado por nomes como Al Green ou Stevie Wonder.

Com uma banda à altura, John Legend discorreu um alinhamento feito de muitos êxitos, novos temas do álbum ‘Love in the Future', a editar em setembro, e ainda algumas surpresas.

Foi precisamente neste ponto que o artista de 34 anos mais colheu aplausos de uma plateia feita de muitos casais. Logo na primeira parte do concerto, que durou mais de hora e meia, Legend revisitou ‘Dancing in the Dark, de Bruce Springsteen, num momento intimista ao piano.

Mais à frente, foi a vez de lembrar The Doors no clássico ‘Light My Fire', comprovando que a sua técnica vocal e a sua soul são à prova de bala.

Antes, atento à boa receção do filme ‘Django Libertado', de Quentin Tarantino, o cantor entregou-se ao tema ‘Who Did That to You', forte melodia da banda sonora do western sangrento do realizador de ‘Pulp Fiction'. Por minutos, a soul misturou-se com o cinema.

De mãos no ar, milhares de fãs receberam Legend, no arranque, ao som do êxito ‘I Used to Love U', o belo tema gospel que o lançou para a ribalta. Com ótima voz, apresentou ainda novos temas, como o single ‘Made to Love', onde já se sentou ao inseparável piano.

"Esta é a noite", exclamou o americano, antes da nova balada ‘Tonight'. O público já estava conquistado às primeiras canções...

FÃ RECEBE FLOR EM PALCO

No alinhamento ainda houve tempo para lembrar ‘Wake Up Everybody', canção presente no disco editado em 2010 a meias com os The Roots, e ‘Slow Dance'. Ao som deste tema, Legend fez um pequeno interlúdio para dançar em palco com uma fã, escolhida a dedo entre o público. "Esta noite não quero ficar sozinho", brincou, antes de entregar uma flor a Mara, a jovem embevecida com o momento em palco.

Para o final ficaram dois lugares seguros: ‘Green Light' e o expressivo ‘Ordinary People'.

"Foi a minha primeira vez em Portugal. Espero que me voltem a convidar para vir cá de novo", despediu-se o caloroso artista. Nada faltou para um serão contagiante de soul.

Clique na imagem em baixo e leia a conversa de Legend com o CM:

john legend edp cooljazz oeiras soul made to love django libertado
Ver comentários