Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
5

Mo Yan disse estar "radiante e assustado" com Nobel

"Radiante e assustado", foi como o escritor chinês Mo Yan reagiu nesta quinta-feira ao anúncio de atribuição do Nobel da Literatura 2012, disse o secretário permanente da Academia Sueca, Peter Englund.
11 de Outubro de 2012 às 15:01
Mo Yan, 57 anos, tem apenas uma obra traduzida e editada em Portugal, intitulada ‘Peito Grande, Ancas Largas’, actualmente esgotada
Mo Yan, 57 anos, tem apenas uma obra traduzida e editada em Portugal, intitulada ‘Peito Grande, Ancas Largas’, actualmente esgotada FOTO: Reuters

O porta-voz da Academia Sueca explicou que Mo Yan fora contactado antes do anúncio do laureado, às 12h00, hora de Lisboa.

"Ele disse que estava radiante e assustado", afirmou Englund, citado pela agência Associated Press.

Mo Yan, 57 anos, tem apenas uma obra traduzida e editada em Portugal, intitulada ‘Peito Grande, Ancas Largas’, actualmente esgotada.

De entre as obras do autor, a Academia Sueca destacou ‘Red Sorghum’ (1987), ‘The Garlic Ballads’ e ‘Peito Grande, Ancas Largas’.

"Ele escreveu onze romances e cerca de uma centena de contos. Se quiser perceber a escrita e ter uma percepção da profundidade moral dele eu recomendaria 'The Garlic Ballads'", sugeriu Peter Englund.

"Com um realismo alucinatório, [Mo Yan] funde contos populares, história e o contemporâneo", justificou a Academia Sueca, no anúncio do laureado.

A Academia explicou ainda que, "com uma mistura de fantasia e realidade, perspetivas históricas e sociais", Mo Yan criou um universo que "faz lembrar a complexidade da escrita de William Faulkner e Gabriel Garcia Márquez, ao mesmo tempo que procura um ponto de partida na literatura chinesa antiga e na tradição oral".

Mo Yan, pseudónimo literário do escritor Guan Moye, publicou a sua primeira obra literária no início da década de 1980.

Trata-se de um dos escritores chineses contemporâneos mais publicados fora da China, nomeadamente no Japão, França, Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos.

Um dos seus romances, ‘Red Sorghum’ (‘O Sorgo Vermelho’), foi adaptado para cinema por Zhang Yimou e venceu em 1988 o Urso de Ouro do Festival Internacional de Cinema de Berlim.

mo yan nobel prémio nobel literatura academia sueca
Ver comentários