Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
2

Morreu Maria José Valério, conhecida pela "Marcha do Sporting", vítima da Covid-19

A intérprete de "Menina dos Telefones" morreu no Hospital de Santa Maria, onde se encontrava internada.
Lusa 3 de Março de 2021 às 10:32
Maria José Valério
Maria José Valério
Maria José Valério
Maria José Valério
Maria José Valério
Maria José Valério
A cançonetista Maria José Valério, que deu voz à "Marcha do Sporting", morreu esta quarta-feira em Lisboa, aos 87 anos, vítima de covid-19, disse fonte da Casa do Artista.

A intérprete de "Menina dos Telefones" (1961) morreu no Hospital de Santa Maria, onde se encontrava internada.

De seu nome completo Maria José Valério Dourado, nasceu a 03 de maio de 1933 na Amadora e protagonizou outros êxitos como "Olha o Polícia Sinaleiro" e "As Carvoeiras".

Sobrinha do compositor Frederico Valério (1913-1982), logo na década de 1950 participou em vários espetáculos de variedades da então Emissora Nacional, e nas emissões experimentais da RTP, na Feira Popular, em Lisboa, depois de ter frequentado o Centro de Preparação de Artistas da Rádio da Emissora Nacional.

Já em 2000, participou na série televisiva "Casa da Saudade", de autoria de Filipe la Féria, tendo contracenado com Carmen Dolores, Anita Guerreiro, Virgílio Teixeira, Raul Solnado, João d'Ávila, Helena Rocha e Artur Agostinho, entre outros.

Dez anos antes, participou na série televisiva "Um Solar Alfacinha" ao lado de Deolinda Rodrigues, Pedro Pinheiro, Carlos Cabral, Natalina José e Natália de Sousa, entre outros.

No cinema, participou no filme "O Homem do Dia" (1958), de Henrique Campos e Teresita Miranda, protagonizado pelo ciclista Alves Barbosa (1931-2018).

Segundo a "Enciclopédia da Música em Portugal no Século XX", a sua "interpretação vocal privilegia a emancipação do texto com uma voz aberta, do peito, potente, com um timbre rouco", e destaca "a sua gestualidade como forma de potenciar a dimensão emotiva do texto".

Na década de 1960, foi eleita rainha da Rádio de Goa, território então sob administração portuguesa.

Em 1962, casou com o matador de touros José Trincheira, que marcou a atualidade da época, com transmissão em direto pela RTP. O casamento foi celebrado pelo então cardeal-patriarca de Lisboa, Manuel Cerejeira, na igreja do Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, tendo o Papa mandado tocar o sinos em Roma, em sinal de bênção.

A artista gravou, em homenagem ao marido, do qual se veio a separar, o 'pasodoble' "Trincheira", no qual exalta as suas qualidades toureiras. O toureiro despediu-se das arenas em 1989.

Em 2004, recebeu a Medalha de Mérito da Cidade de Lisboa, grau ouro. Em maio de 2009, o município da Amadora inaugurou um centro cultural com o seu nome, na freguesia da Venteira.

Em 2017, liderou, com o cantor António Calvário, o espetáculo "Do musical à revista".

O seu repertório, dividido entre o fado e a canção ligeira, inclui temas como "Cantarinhas", "Fado da Solidão", "Expedicionário", "Um Dia", "Casa Sombria", "Deixa Andar", "Férias em Lisboa", "Longos Dias", "Lisboa, Menina Vaidosa", "Nunca Mais", muitos da dupla de autores Eduardo Damas e Manuel Paião, que assinam também a "Marcha do Sporting".

Nos inícios da década de 1970 realizou uma temporada de cerca de um ano no Brasil, um dos vários países onde atuou, além de Angola, França, Espanha, Canadá e África do Sul.

As cerimónias fúnebres da cançonetista Maria José Valério realizam-se no sábado, em Cascais, disse à agência Lusa fonte da Casa do Artista. A cerimónia de cremação de Maria José Valério realiza-se no sábado, dia 06, às 18h00, no Centro Funerário de Cascais, distrito de Lisboa.

Maria José Valério Dourado Lisboa Covid-19 Casa do Artista questões sociais morte
Ver comentários