Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
8

Museu dos Coches vai mudar de casa

O Museu Nacional dos Coches (MNC) vai ser transferido para o terreno das antigas Oficinas Gerais de Material de Engenharia, na Av. da Índia, em Lisboa. A informação a que o CM teve acesso será anunciada na próxima semana pela ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima.
12 de Abril de 2006 às 00:00
Famoso pela sua colecção, o museu é ainda conhecido pelas suas instalações, no antigo Picadeiro Real
Famoso pela sua colecção, o museu é ainda conhecido pelas suas instalações, no antigo Picadeiro Real FOTO: PEDRO CATARINO
Fonte ministerial contactada pelo nosso jornal disse apenas que a decisão “já está tomada” e “será publicamente anunciada” dentro de oito dias. A transferência do Museu poderá afectar o sucesso do espaço – o mais visitado da capital e um dos mais visitados do País – que atrai não só pela colecção mas também pelo ambiente arquitectónico envolvente. Ali passará a funcionar a Escola Portuguesa de Arte Equestre.
Não são poucos, aliás, os que defendem a mudança do Museu Nacional dos Coches, instalado há mais de 100 anos no antigo Picadeiro Real do Palácio de Belém, para o espaço das antigas Oficiais Gerais.
O argumento a favor é, alegadamente, permitir ao público uma melhor apreciação da colecção deste espaço museológico considerada única no Mundo.
Recorde-se que a ideia da mudança partiu de Pedro Santana Lopes, quando foi secretário de Estado da Cultura, que chegou a comprar o terreno. A decisão foi formalizada, já como primeiro-ministro, através de um protocolo com os ministérios da Agricultura, Turismo e Cultura. Recentemente, Carmona Rodrigues, autarca lisboeta, defendeu que as contrapartidas da instalação do Casino de Lisboa fossem aplicadas na construção do novo Museu, que ocupará uma área de sete mil metros quadrados. E 2008 foi apontado como o ano da mudança.
O destino do Museu já está traçado. Mas como disse ao CM a sua directora, Silvana Bessone, aquando do centenário do espaço (ver caixa) “qualquer mudança pode ser leviana”. “O MNC é um ‘ex-libris’ mundial. Sou favorável à ideia de um museu novo, contemporâneo e moderno. Porém, não podemos esquecer que funciona no seu todo: uma colecção única num magnífico salão”, justificou.
COLECÇÃO ÚNICA E MAGNÍFICA
Com uma média anual entre 250 mil a 300 mil visitantes nacionais e estrangeiros, o MNC foi criado por iniciativa da rainha D. Amélia de Orleãns e Bragança, mulher do rei D. Carlos I, que o inaugurou a 23 de Maio de 1905. A sua colecção é considerada única no Mundo, devido à variedade artística das magníficas viaturas de aparato dos séculos XVII, XVIII e XIX, entre carruagens, berlinas, seges, carrinhos de passeio, cadeirinhas e liteiras.
Este acervo permite compreender não só a evolução técnica dos transportes de tracção animal como também acompanhar as mudanças de gosto manifestadas nas artes decorativas tão bem expressas na ornamentação das viaturas. O museu está instalado no antigo Picadeiro Real, construído no início de 1787 segundo um projecto do italiano Giacomo Azzolini.
Em 1904, foi adaptado sob orientação de Rosendo Carvalheira e as pinturas restauradas por José Malhoa e António Conceição e Silva. O antigo Picadeiro Real faz parte de todo o conjunto do Palácio Nacional de Belém, classificado em 1967 como Imóvel de Interesse Público.
Ver comentários