Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
8

“O Brasil está tomado pelo desespero”, diz músico brasileiro

Zeca Baleiro grava álbum de homenagem a Portugal com temas de Pedro Abrunhosa, Fausto ou António Variações.
Miguel Azevedo 29 de Junho de 2020 às 08:30
Zeca Baleiro
Zeca Baleiro FOTO: Rama Oliveira
Foi logo na estreia em Portugal, em 1999, então num festival em Vila Nova de Famalicão, juntamente com Gilberto Gil e Daniela Mercury, que o brasileiro Zeca Baleiro sentiu com o nosso país uma conexão emocional “curiosa como se estivesse a retornar a algum lugar que já era familiar”, explica. De lá para cá, o músico do Maranhão (que tem raízes maternas na Ericeira) foi estabelecendo laços e travando amizade com alguns dos maiores autores nacionais.

A homenagem ao País e aos amigos portugueses chega agora com o disco ‘Canções d’Além Mar’ que reúne versões de temas de Sérgio Godinho, Pedro Abrunhosa, Fausto, António Variações ou Ornatos Violeta. “O desejo de fazer este disco começou no dia em que gravei o ‘Frágil’ do Jorge Palma como faixa bónus de um disco meu”, conta o músico que escolheu o alinhamento com base “num reportório afetivo”. A isso juntou-se a vontade de mostrar no Brasil um lado menos conhecido da música portuguesa, até porque por lá “o conhecimento parou muito no fado de Amália Rodrigues e no folclore de Roberto Leal”.

O novo disco, gravado com total “respeito pela escrita lusitana” e sem grandes adaptações ao português do Brasil deverá ser apresentado por cá quando a pandemia o permitir. Zeca Baleiro sabe do que fala ou não fosse o Brasil um dos casos mais preocupantes no Mundo. “Temos um governo que nega a ciência mas os brasileiros com alguma consciência estão tomados pelo desespero”.


Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)