Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
5

Obras no Mosteiro dos Jerónimos com ajuda estrangeira

Falta de recursos do Estado leva entidade norte-americana a procurar mecenas.
Miguel Azevedo 28 de Novembro de 2020 às 09:44
Mosteiro dos Jerónimos
Mosteiro dos Jerónimos FOTO: Pedro Catarino
A igreja do Mosteiro dos Jerónimos, na zona de Belém, Lisboa, vai voltar a receber intervenções de restauro no próximo ano, mas devido à escassez de recursos financeiros do Estado para este tipo de obras, esta estará uma vez mais dependente da angariação de mecenas por parte da organização privada World Monuments Fund (WMF).

Segundo a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), que tutela os Jerónimos, a intervenção “pretende fazer face ao problema urgente da alteração e decaimento das pedras da Igreja”, e está inserida no Plano de Conservação e Restauro das abóbadas da Igreja, que compreende intervenções exteriores e interiores por um período de 10 anos, entre 2012 e 2022.

A World Monuments Fund Portugal tem sido, de resto, a entidade parceira da DGPC “nesta intervenção de grande fôlego, viabilizando-a financeiramente em múltiplas fases”, refere o organismo.

Fundada em 1965 nos EUA, e vocacionada para a proteção de património cultural em risco, a filial portuguesa da WMF já participou, por exemplo, em ações de restauro da Torre de Belém, do Claustro dos Jerónimos, dos Jardins do Palácio de Queluz ou da Sé Catedral do Funchal.

SAIBA MAIS
1501
é o ano do início da construção do Mosteiro. Visto como ‘joia’ do estilo manuelino, as obras só viriam a ficar concluídas quase um século depois.

O mais visitado
É o monumento mais visitado em Portugal. Um casal francês de Marselha tornou-se no “visitante 1 milhão” no dia 22 de novembro de 2016.

Património Mundial
Edifício está inscrito na lista do Património Mundial da UNESCO desde 1983, juntamente com a Torre de Belém.
Ver comentários