Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
5

Portugal perde um dos grandes rostos da Banda Desenhada

Jornalista, escritor e editor João Paulo Cotrim morreu este domingo, aos 56 anos, em Lisboa.
Sónia Dias 27 de Dezembro de 2021 às 09:07
João Paulo Cotrim
João Paulo Cotrim com Sérgio Godinho e o cartoonista Luís Afonso
João Paulo Cotrim
João Paulo Cotrim com Sérgio Godinho e o cartoonista Luís Afonso
João Paulo Cotrim
João Paulo Cotrim com Sérgio Godinho e o cartoonista Luís Afonso
Um dos nomes mais marcantes da banda desenhada portuguesa, João Paulo Cotrim, morreu este domingo, aos 56 anos, vítima de doença prolongada, apurou o CM. O escritor encontrava-se internado no Hospital dos Capuchos, em Lisboa.

João Paulo Cotrim foi um dos grandes impulsionadores da banda desenhada em Portugal, tendo sido também o fundador da Bedeteca de Lisboa, uma biblioteca especializada em BD, da qual foi diretor entre 1996 e 2002.
Natural de Lisboa, onde nasceu a 13 de março de 1965, trabalhou como jornalista no ‘Expresso’, ‘Cosmopolitan’ e no ‘O Independente’, tendo ainda colaborado com a RTP, SIC e TSF. Ao mesmo tempo, dava azo à criatividade como guionista de filmes de animação - ‘Algo Importante’, ‘Um Degrau Pode Ser um Mundo’, ambos de 2009, ou ‘Fado de um Homem Crescido’ (2012) são alguns destes trabalhos -, assim como autor de novelas gráficas, livros infantis, ensaios ou poesia. ‘Salazar – Agora, na Hora da Sua Morte’, ‘O Branco das Sombras Chinesas’, ‘A Minha Gata’ ou ‘Má Raça’ são algumas das suas obras mais conhecidas.

Fundador das editoras Abysmo e Arranha-Céus, João Paulo Cotrim também organizou exposições para nomes em ascensão no domínio da ilustração e foi diretor do Salão Lisboa de Ilustração e Banda Desenhada durante quatro edições. Em 1996 criou a revista ‘LX Comics’, dedicada aos quadradinhos.
Ver comentários