Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
4

Rua em Londres pavimentada com mármore português

Objetivo é promover o uso de matéria-prima considerada excedentária e também dar visibilidade à indústria.
Lusa 31 de Outubro de 2018 às 21:27
Rua em Londres pavimentada com mármore português
Rua em Londres pavimentada com mármore português
Parlamento britânico, em Londres
Rua em Londres pavimentada com mármore português
Rua em Londres pavimentada com mármore português
Parlamento britânico, em Londres
Rua em Londres pavimentada com mármore português
Rua em Londres pavimentada com mármore português
Parlamento britânico, em Londres
Uma rua pavimentada com mármore alentejano, no âmbito de uma intervenção urbana, foi esta quarta-feira inaugurada em Londres, com o objetivo de promover o uso de matéria-prima considerada excedentária e também de dar visibilidade à indústria portuguesa.

A intervenção, descrita como "um tapete de mármore reciclado", foi feita com excedente da pedra que é rejeitada por empreiteiros, arquitetos e designers devido a falhas, descoloração ou imperfeições e que normalmente é enviado para escombreiras, os aterros das pedreiras.

O projeto foi desenvolvido pelo designer Michael Anastassiades para o programa Primeira Pedra, da Associação Portuguesa dos Industriais dos Mármores, Granitos e Ramos Afins (ASSIMAGRA), e a associação cultural experimentadesign, em parceria com o Festival de Design de Londres.

Enquanto que normalmente o Festival faz intervenções temporárias junto de locais emblemáticos da capital britânica, esta é a primeira vez que é realizada uma obra com carácter permanente, adiantou à agência Lusa o diretor do evento, Ben Evans.

"É uma forma de contribuir para a comunidade e tornar distintiva uma área que não é uma parte nobre da cidade, dando um motivo de orgulho aos moradores, e, ao mesmo tempo, celebrar o mármore e mudar a perceção de que aquele que não é usado não tem qualidade", vincou.

Mint Street é uma pequena rua no município de Southwark, no sul de Londres, numa área bastante pobre ao longo de vários séculos, onde viveu o escritor Charles Dickens, mas que está a ser alvo de uma regeneração urbana, protegendo os edifícios históricos típicos da era vitoriana, do final do século XIX.

O bairro foi sugerido por Anastassiades, designer cipriota conhecido pelo trabalho em mobiliário, iluminação e joalharia, que vive perto e que valorizou o facto de a rua ser uma das vias de entrada para um parque público.

Na obra foram usadas 40 toneladas de mármore em vários tons de rosa e azul, transportados em dois camiões a partir de Estremoz, no Alentejo.

Guta Moura Guedes, presidente da experimentadesign, que desenvolveu o projeto em parceria com o Festival do Design de Londres, destacou a mensagem transmitida da importância da economia circular e da colaboração entre indústria e designers.

"No fundo, este mármore é tão bom como o mármore que classificamos como sendo de maior qualidade para o mercado, são apenas os requisitos de quem o compra que o tornam mais ou menos importante. A criatividade permite uma reutilização de um material que, se não fosse assim, não seria utilizado e seria perdido".

Miguel Goulão, presidente da ASSIMAGRA, espera que esta intervenção aumente a visibilidade da rocha ornamental portuguesa, cuja indústria representa um volume de negócios anual de 1,2 mil milhões de euros e exportações de 350 milhões de euros, dos quais 21 milhões de euros para o Reino Unido.

"Quando conseguimos que estes grandes designers e arquitetos que trabalharam connosco no projeto Primeira Pedra se despertem para o interesse daquilo que é o nosso produto, estas coisas podem acontecer. E, no futuro, não tenho a menor dúvida de que elas acontecerão em muito maior escala, porque isto é dar a visibilidade que a nossa pedra merece e já merecia há muito tempo", defendeu.

O Primeira Pedra é um programa internacional desenvolvido desde 2016 pela experimentadesign, cofinanciado pela União Europeia e enquadrado no PORTUGAL 2020, que explora o potencial da pedra portuguesa associando a indústria ao design através do desenvolvimento de utilizações inovadoras da matéria-prima.

Michael Anastassiades já tinha colaborado anteriormente com a experimentadesign numa outra iniciativa que mobilizou arquitetos e designers nacionais e internacionais, como os britânicos Peter Saville e Jasper Morrison, os portugueses Eduardo Souto de Moura, Paulo David, Miguel Vieira Baptista e Jorge Silva, o chileno Elemental e a dupla austríaca e norte-americana Sagmeister & Walsh, a produzir peças com calcário e mármore portugueses.

Vinte destas peças estiveram na exposição "Set In Stone", no Museu do Design de Londres, em 2017, no âmbito do Festival de Design de Londres, e foram expostas em Veneza, Milão, Weil am Rhein (Alemanha) e São Paulo.

Para 2019 e 2020, estão previstas novas ações da iniciativa Primeira Pedra, que vão também associar artistas plásticos e cujo resultado será apresentado em Veneza, Paris e EUA, culminando numa exposição retrospetiva, em Lisboa, de todos os projetos e peças desenvolvidas desde o lançamento.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)