Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
1

The Last Internationale em Lisboa: o rock está vivo e recomenda-se

Edgey Pires e Delila Paz ofereceram uma noite de pura rebeldia marcada por canções explosivas.
Pedro Rodrigues Santos 15 de Fevereiro de 2020 às 14:52
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa
The Last Internationale em Lisboa

Uma noite de rock sem tréguas para todos aqueles que encheram esta sexta-feira o Lisboa ao Vivo. Foi o pontapé de saída para a digressão europeia dos The Last Internationale, e o arranque não poderia ter sido mais auspicioso para o trio luso-americano.

Delila Paz está cada vez mais segura de si própria, seja a empunhar o baixo enquanto berra ‘Livin’Ain’t Easy’ em ‘Hard Times’, canção que abriu uma feroz atuação de quase duas horas, ou sentada ao piano em tom mais pacífico mas intensamente pujante.

Na outra ponta do palco, o luso-nova iorquino Edgey Pires extravasava todos os sentimentos de um puro ‘rocker’. Ela era saltos e correrias, com a guitarra no ar e de punho fechado a puxar por um público que nem foi preciso aquecer; todos já sabiam ao que iam!

Com o álbum ‘Soul on Fire’ no centro das atenções, sem esquecer umas pontadas ao primeiro disco ‘We Will Reign’, ambos rematados pelos temas que lhes dão o título, a noite foi bem explosiva para quem gosta de suar em ambiente frenético.

O grupo é conhecido pelas suas letras socialmente comprometidas – ‘Freak Revolution’ ou ‘Killing Fields’ assim o comprovam – mas é quando se atiram para o ‘blues rock’ mais agressivo (‘Hit ’em with Your Blues’ ou ‘Mind Ain’t Free’) que as coisas começam a descambar no bom sentido.

A sublime urgência como cantam e tocam cativam de imediato; ninguém consegue ficar parado e indiferente às movimentações frenéticas do duo.

Algo que já começa a ser um hábito é a maneira como o trio fecha os seus concertos. Em ‘1968’, os fãs mais acérrimos foram convidados a subirem para cima do palco e a rodearem Edgey Pires e Delila Paz ao melhor estilo ‘groupie’. É também disto que o rock é feito!

The Last Internationale seguem este sábado para Braga, para encherem o Theatro Circo a partir das 21h30 (bilhetes a 12 euros), para depois seguirem para uma digressão que passará por Espanha, França, Holanda, Alemanha, Reino Unido, Itália, Noruega e Finlândia.

A 18 de abril, fecham a tournée no nosso país, em mais uma previsível noite de ‘rock fest’ no Hard Club do Porto.

The Last Internationale Delila Paz Lisboa Edgey Pires artes cultura e entretenimento música
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)