Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

Alex Telles, eleições no Benfica e até críticas a António Costa: tudo o que foi dito por Pinto da Costa

Presidente do FC Porto esclareceu vários assuntos da atualidade do clube em entrevista à TVI.
Record 15 de Outubro de 2020 às 22:56
Pinto da Costa deu esta quinta-feira uma entrevista exclusiva à TVI. A saída de Alex Telles, a presença de António Costa na comissão de honra de Luís Filipe Vieira, os jogos da Liga à porta fechada ou até as eleições no Benfica foram alguns dos temas abordados pelo líder portista esta quinta-feira. Veja aqui tudo o que foi dito pelo presidente portista.

O que lhe falta fazer?
"Não penso no que falta fazer. No FC Porto há sempre coisas para fazer. Ainda agora quando me candidatei me diziam que já tinha feito tudo, mas eu não fiz nada. Quem fez foi o FC Porto. Ainda tenho coisas que gostava de fazer, por exemplo a cidade desportiva que temos no pensamento e já na ação, e gostava que no dia em que eu sair o FC Porto esteja sólido e unido. O que é feito não é por mim nem por ninguém, é por todos."

É o último mandato?
"Nunca digas nunca. Já disse algumas vezes que seria o último, depois que não me recandidataria, mas por coisas diversas, acabei por não sair, como foi por exemplo quando era necessário."

O que o pode levar a sair?
"Chegar ao fim do mandato e sentir que já não sou necessário."

Objetivo principal é devolver boas contas ao FC Porto?
"Isso é evidente e não tenha dúvidas nenhumas que as vamos alcançar. A falência técnica de que se fala existe porque somos obrigados a apresentar as contas secundo certos parâmetros. O nosso plantel está avaliado em 76M€ e neste último mercado fizemos 126M€. Então como é possível?"

Entre os negócios que fez, vendeu Alex Telles. Ficou satisfeito?
"Nunca fico satisfeito quando sai um bom jogador. Olhe, o Hulk foi um grande negócio, mas fiquei desgostosíssimo… Mas há momentos em que não temos outra solução. Uma semana ou duas antes, a irmã do Alex Telles, que é empresária dele, mostrou vontade de uma saída. Isto não é nenhuma inconfidência, foi público. Ele vei-o pedir para sair para o Manchester United. Tentei que ele não fosse, mas ter um jogador que assume perante mim e perante outros diretores que quer ir embora, é complicado."

Sente dificuldades em renegociar contratos?
"Com o Alex Telles nem foi um problema de renegociar, o argumento dele para ir embora era que o atual selecionador só convocava jogadores de 3 ou 4 campeonatos."

O que acha do papel dos empresários?
"Um bom empresário é bom para o futebol. Um mau empresário é prejudicial para toda a gente, até para os jogadores. Há empresários que quando querem ganhar tanto como os jogadores. Olhe, o Fábio Silva foi um bom negócio para o FC Porto. Ele tinha uma cláusula de rescisão de 10M€ e acabou por renovar e saiu por 40M€. O FC Porto acabou por receber 30M€ ao invés dos 10M€ que poderia receber. Há empresários que têm possibilidade de meter jogadores em grandes clubes, que outros não chegam lá…"

Lucas Veríssimo estava na agenda do FC Porto…
"Não vem porque o FC Porto não quis. Nós tivemos vários centrais em observação, o Lucas Veríssimo foi uma das últimas opções e o Sérgio Conceição quis ficar com o Pepe, o Mbemba, o Sarr e o Diogo Leite, uma vez que o Marcano ainda não está pronto."

Bazuca financeira
"Para nós não chega nada. Só nos sugam. Ficámos fora da Liga dos Campeões, este ano aconteceu com o nosso rival, curiosamente com o clube que foi eliminado por quem nos eliminou a nós. Veja lá a ironia… Não ir à Champions é uma exceção para nós, a seguir ao Real Madrid e ao Barcelona somos quem tem mais presenças. Foi um acidente. Nas contas que vamos apresentar, seria normal que estivessem as vendas da época passada, época que deveria ter acabado em junho. Se não fosse a pandemia, as vendas de 126 tinham entrado nas contas que vamos apresentar e bastava isso para equilibrar as contas. A época foi fechada mais tarde e o que contabilizámos vai entrar nas próximas contas."

Fair play financeiro da UEFA
"Obriga-nos a mais atenção, mas estou convencido que vamos sair, ainda este ano. Bastava uma época de transferências normal, o que vendemos dava para cobrir as contas que vamos apresentar, com prejuízo. Seria normal que as vendas que fizemos entrassem nessas contas." 

Responsabilidade pessoal nas contas
"Tenho responsabilidade pessoal em tudo o que acontece porque sou o presidente. Estou preocupado, mas seguro que não teremos problemas no futuro. Bastava época de transferência normal, em vez de prejuízo tínhamos as contas corretas."

Modelo económico diferente
"Temos de ter um equilíbrio entre compras e vendas e temos de ter opções. Isso possível. O problema é mais profundo do que as contas de hoje e amanhã. Quando se é afastado da Liga dos Campeões, ou se aguenta o prejuízo ou se vende um ativo, como o Benfica fez. E não estou a criticar. No ano passado, entendemos não vender, aguentar o prejuízo para sermos campeões. Conseguimos a dobradinha, valorizámos o plantel e fizemos as transferências. Hoje no futebol, não digo bem ou mal, quando se negoceia um contrato com um jogador a primeira palavra falada é ‘net’, valores líquidos. É a primeira palavra que os jogadores aprendem. Onde está o mal para os portugueses? FC Porto se pagar 1 milhão de euros a um jogador, tem de pagar de impostos 1,4 milhões..."

Tem-se batido pelo regresso dos adeptos...
"Eu não tenho medo dos adeptos, quero que as pessoas venham ao estádio."

Está a falar do presidente do Sporting?
"Eu não falei. O senhor é que está a falar."

É um estigma que existe sobre o futebol não haver público nas bancadas?
"Eu acho que é incompreensível. As famílias não podem, por exemplo, vir aqui jogos nos camarotes, mas podem estar todas juntas num restaurante ou num cinema."

Ainda ataca o centralismo de Lisboa?
"Queixo-me menos, porque há mais. Não podemos entrar em guerras que não valem a pena. Sou defensor, como toda a gente sabe, da regionalização."

Sozinho na luta por gente nos estádios?
"Quando falo com alguém dão-me razão. Quando foi a final da Taça estavam lá altas figuras da nação deram-me razão. Não podem estar meia dúzia de pessoas nestes camarotes? Tem lógica estar tudo vazio?"

Quanto perdeu o FC Porto com os jogos à porta fechada?
"29 milhões [eu euros] é o custo de não termos receitas."

Rui Pinto
"Quem? O dos emails? Não tenho opinião… Não estou dentro do assunto, não sei se é herói ou criminoso. Mas uma coisa é estranha: há muita gente, com responsabilidades no país, que o considera um herói, por denunciar essas irregularidades. Quem as pôs cá fora é um herói, quem as deu a conhecer é condenado, como foi o funcionário do FC Porto que fez isso."

Denúncia no Porto Canal
"Se Rui Pinto for considerado um herói, espero que o nosso funcionário seja duplamente herói."

Críticas a António Costa
"Há essa ideia de que eu critico Antonio Costa. Quando falo nele não é globalmente. Tenho a maior cordialidade com ele nos encontros que temos, ainda há pouco o encontrei aqui num restaurante. Em termos governamentais, é obvio que não posso estar de acordo com todas as ações. A mim não me compete publicamente questionar ou julgar a ação do Primeiro Ministro. Numa altura em que o País está num grande crise, temos de estar unidos e entendo que está a fazer um grande esforço para salvar o País. Mas na política do que é o futebol discordo totalmente. Desde o início da pandemia, o FC Porto pagou quase 20 milhões de impostos. Não é um perdão fiscal que peço. Mas em Itália baixaram 30 e tal por cento os impostos… Não era injustiça. O FC Porto tem 572 funcionários, pessoas que vivem do salário que ganham no FC Porto."

Qual a ligação do seu filho ao FC Porto?
"O meu filho foi dirigente do FC Porto há muitos anos, pediu a demissão, pois, quem está no ativo, não pode estar na política e ele aceitou um convite para fazer parte de uma lista e foi eleito como vereador da CM Porto. Hoje não tem nenhuma ligação ao FC Porto, a não ser a de associado, há 52 anos, que entrou no dia em que nasceu. Hoje, na sua atividade, é empresário de futebol. Não faz negócios connosco, nem pode fazer."

Tem uma mancha negra nestes quase 40 anos. Ainda pensa no Apito Dourado?
"O que é a mancha negra? Uma suspeita é uma mancha? Toda a gente está com a mancha negra, hoje em Portugal suspeita-se de tudo e todos. Não penso agora, nem me preocupou nunca. Começou no Minho e acabou em Leiria, percebeu-se logo pela geografia. Quando ouvi as acusações, fiquei logo descontraído, nunca me preocupou. Fui ilibado em todos. Toda a gente sabe que fiz a minha vida particular e familiar de forma igual. Por isso é que me rio quando dizem que é uma mancha negra. Nunca me preocupou. Nunca senti que olhassem para mim de outra forma. Até pelo contrário. No início do Apito Dourado, neste sítio onde estamos, na apresentação do livro ‘Largos Dias têm 100 anos’, a minha surpresa foi a presença de Ramalho Eanes e do Fernando Martins, presidente do Benfica. A pessoa que mais admiro e que os portugueses mais respeitam, o general Ramalho Eanes, sem eu lhe pedir ou lhe ter dito algo, apareceu aqui para demonstrar a sua solidariedade."

Inimigos
"No dia em que não ganhemos nada aí seremos amigos de toda a gente… A partir do momento em que fomos campeões europeus tudo mudou. Os nossos principais inimigos estão na comunicação social. O centralismo de Lisboa é um estado de alma do próprio país."

Relações normalizadas com o Benfica, é possível?
"Da parte do FC Porto nunca, da parte do Benfica também não dei conta. Uma coisa é as pessoas não se darem, outra é os interesses do futebol e dos clubes. Estivemos todos no Governo. Nas reuniões de presidentes, tratamos dos assuntos como eu trato com os presidentes do Sporting, do Belenenses ou do Sp. Braga. Tudo cara a cara. Antes de irmos ao Governo, estivemos reunidos na FPF e estivemos a falar e a traçar uma estratégia. Uma conversa normal. Quando os interesses do futebol estão acima do pessoal, temos de ter relação. Para lá disso não tenho relação com o presidente do Benfica. Só impossibilita que haja relação pessoal, entre as instituições tem de ser normal. Os sectores jurídicos têm reuniões, a parte comercial dos clubes também tratam assuntos em conjunto. Não confundam instituições, com Pinto da Costa e Luís Filipe Vieira, esses não se dão. Nem se irão dar, isso é assunto fechado."

Eleições no Benfica
"O Luís Filipe Vieira parece que escolheu os candidatos… Qualquer indivíduo que queira ser presidente do Benfica mete na cabeça que tem de dizer mal de mim. Olhe, as candidaturas de Noronha Lopes e outros foram boas para mostrar que os tais comentadores independentes afinal estão metidos nas várias listas."

António Costa na comissão de honra de Vieira
"Fez-me confusão não pelo cidadão, mas pelo primeiro-ministro. Se o cidadão António Costa não fosse primeiro-ministro, não seria referenciado. Ele tem direito a ser sócio e acionista, mas a mim chocou-me o primeiro-ministro estar a apoiar um indivíduo que, dizem as notícia,s deve milhões a um banco que está a ir aos bolsos de todos os portugeses. Não entro aqui em processos, que nem julgados foram e portanto isso para mim não existe."

Juízes, políticos e magistrados nos camarotes dos clubes
"Não olho porque o FC Porto não tem nem nunca teve. O FC Porto tem e continua a ter essas pessoas quando mostram vontade de vir, obviamente. Só como convidados oficiais. O único político que vem e vem como meu amigo é o engenheiro Matos Fernandes, filho do nosso presidente da AG. No outro dia vi num jornal que num camarote estavam 22 juízes. Ou estiveram a fazer um jogo e depois foram para o camarote ou então é inexplicável. Nos nossos camarotes estão patrocinadores, mas não estou a ver o Ministério Público a patrocinar o Benfica…"

Políticos nos orgãos sociais do FC Porto
"Quando lhe disse que no FC Porto não podem existir políticos, é nos órgãos executivos. O Conselho Superior é um órgão consultivo. Para já, para mim o conceito de político… Um presidente de Câmara não é político… O Rui Moreira em que é que é político? É um titular de cargo público, sem estar vinculado a qualquer partido, sem nunca ter estado em cargos políticos. Sei que ele nem quer outros voos… O que ele quer é ser presidente da CM Porto. Para mim políticos são os que vêm das juventudes, depois vão para deputados e saltam daqui e para ali. Mas não quero nenhum autarca como executivo, isso não. Agora, ter num órgão consultivo pessoas como as que tenho, só se eu fosse tolo. Não são pessoas influenciáveis, nem estão cá para isso."

Rui Moreira presidente?
"Poder pode, já tem idade e anos de sócios. Gostava que fosse alguém que sentisse, vivesse e trabalhasse para o FC Porto. É um dos que reúne essas características. AVB é treinador do Marselha não quero que venham interpretar. Falar dele agora, lançaria confusão. Nem com olhos, nem com óculos… O FC Porto não é uma monarquia, mas se fosse tinha de preparar o meu filho. Mas não é. Quem manda são os sócios. Se os sócios escolherem um aventureiro, o problema é dos sócios. Isto não é meu, é dos sócios. São eles que me elegem. Nunca irei dar opinião, apoiar… quem vier tem de ser a escolha dos sócios, fazer o seu caminho. O pior que poderia fazer era interferir. Quero é que quem me suceda tenha a mesma paixão que eu, que governe pela sua cabeça, quero vir ao futebol, quero ser apenas adepto do FC Porto."

Pedro Proença
"Acho que tem feito um bom trabalho."

Fernando Gomes
"Conheço o Dr. Fernando Gomes desde a sua juventude. Eu andava nas várias secções do clube e ele foi campeão de basquetebol pelo FC Porto. A prova que lhe reconhecia grande mérito e capacidade é que foi a meu convite secretário-geral do FC Porto, do clube, quando entrou no dirigismo. Depois transitou para administrador da SAD. Portanto, acreditava nas suas capacidades senão não o convidava. Quando ele colocou a possibilidade de ir para a Liga, já lhe augurava um grande trabalho. Na FPF acho que tem feito um trabalho fantástico. Claro que dirigir uma FPF não tem os problemas financeiros da Liga, mas isso também acontece por mérito dele e da sua equipa. Ele tem duas grandes qualidades. Primeiro, trata os clubes todos da mesma maneira e quando preciso da sua colaboração, e é justo, está sempre disponível. E depois ter internacionalmente um prestígico pela sua personalidade e seriedade que conquistou o mundo do futebol. Só o Dr. Fernando Gomes, apesar de outros terem feito depois um espectáculo, é que conseguiria trazer a fase final da última Champions League para Portugal. Ele já faz parte da UEFA, mas sei que não quer outro papel internaiconal. Na FPF é indispensável, mas acho que daria um magnífico secretário de estado do desporto."

Quando deixar o clube, como quer ser recordado pelos sócios?
"Eles é que se sabem o que guardar. Guardo deles a melhor recordação, sempre me apoiaram, sempre com grande empatia. Todos, desde anónimos, conhecidos, os Super Dragões, que são uma força da natureza. Quero ser apenas mais um deles."

Estádio Pinto da Costa?
"Não gostava que tivesse o meu nome. Por isso é que gostava de o deixar já com o nome vendido. Primeiro dava jeito o dinheiro e depois já não podia levantar essa possibilidade."

O que significaria esse gesto?
"Os sócios têm a noção que no futuro será importante para os clubes. Já podíamos ter concretizado o negócio. Os clubes vão ter necessidade de vender naming dos estádios. Estávamos a fechar um acordo que valia 5 milhões por ano. Neste momento as negociações estão paradas por causa da pandemia. Na empresa com quem estávamos a negociar, teria a nome da empresa e mantinha Dragão", concluiu.
Ver comentários