Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
1

Benfica explica saída de Luís Nazaré do cargo de presidente da Assembleia Geral

Posição dos encarnados surge menos de um dia depois da decisão de Luís Nazaré de apresentar a renúncia ao cargo.
Lusa 29 de Maio de 2020 às 14:37
Luís Nazaré
Luís Nazaré
O Benfica defendeu esta sexta-feira que a Assembleia Geral para votação do orçamento e plano de atividades para 2020/21 deveria ter a presença dos sócios, esclarecendo que acabou por acatar a vontade do presidente da AG, que, entretanto, se demitiu.

Numa nota publicada na sua página, o clube começa por dizer que o modelo exclusivamente virtual viola o princípio estatutário de "uma vontade livre e esclarecida", assinalando que só é possível de cumprir com a presença física dos sócios.

A posição do Benfica surge menos de um dia depois de o presidente da AG, Luís Nazaré, apresentar a renúncia ao cargo, por entender que, no atual contexto de pandemia da covid-19, a reunião magna ordinária deveria ser pelos canais digitais.

"Face ao atual contexto, só o modelo digital assegura as normas sanitárias e a participação alargada dos sócios do Sport Lisboa e Benfica -- é este o meu entendimento", assinalou Luis Nazaré na carta de demissão.

Na nota desta sexta-feira, o clube lisboeta diz ainda que uma AG presencial, aliada a uma participação virtual de quem o entendesse, seria a única forma de permitir a participação a todos que quisessem exercer o seu direito na Assembleia, e acrescenta que acabou por aceitar a pretensão de Luís Nazaré, entretanto sem efeito, pela demissão deste.

"Por se tratar de ato da competência do Presidente da Mesa da Assembleia Geral, a Direção do Sport Lisboa e Benfica, no respeito da competência estatutária daquele órgão, disponibilizou os meios técnicos necessários para a organização e funcionamento da Assembleia Geral no modelo exclusivamente virtual que o Presidente da Mesa da Assembleia Geral pretendia implementar", adianta o clube.

O clube 'encarnado' termina a nota com um agradecimento a Luís Nazaré e a indicação de que o cargo de presidente da Mesa da Assembleia Geral será ocupado pelo vice-presidente Virgílio Duque Vieira.

De acordo com os estatutos do clube, ainda antes da assembleia eleitoral, que deveria decorrer em outubro, o Benfica terá até 15 de junho a AG do orçamento e plano de atividades de 2020/21 (artigo 35) e, até 30 de setembro, a AG relativa ao relatório de contas de 2019/20 (artigo 37).

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)