Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
7

“Despedido” por telefone

Aníbal Justiniano, Duarte Lopes e Cecília Carmo também já deixaram o CND.
21 de Dezembro de 2013 às 14:34
Carlos Móia diz que saiu do CND sem lhe terem dado explicações
Carlos Móia diz que saiu do CND sem lhe terem dado explicações FOTO: Vitor Chi

Carlos Móia foi "despedido" por telefone do Conselho Nacional do Desporto (CND), órgão tutelado pelo secretário de Estado Emídio Guerreiro.

"Recebi um telefonema do chefe de gabinete, que depois passou ao secretário de Estado. Agradeceu-me a colaboração e informou-me que não ia continuar. Sem mais explicações. Mas ainda me disse que era menos uma reunião por ano em que ia participar", disse, ao CM, Carlos Móia, que não escondeu estar "indignado" com a situação.

"Quando fui convidado, estive numa reunião formal com o secretário de estado Alexandre Mestre. Menos de um ano depois, é pelo telefone que me afastam", observou, sublinhando que a participação no CND "não é remunerada".

Além de Carlos Móia, também Duarte Lopes, Aníbal Justiniano e Cecília Carmo souberam, via telefone, que tinham sido afastados.

Contactada pelo Correio da Manhã, fonte oficial da secretaria de Estado do Desporto, assegurou que Emídio Guerreiro "falou com todos os conselheiros que cessaram as suas funções agradecendo o seu trabalho e dedicação."

"Na base da sua decisão nunca estiveram em causa as qualidades e valor de qualquer um dos conselheiros que agora cessaram funções, que são por todos reconhecidas", acrescentou.

Sobre as entradas de Fernando Seara, Ribeiro Cristóvão, João Fonseca e Isaura Morais no Conselho Nacional do Desporto, presidido por Emídio Guerreiro, a mesma fonte frisou que são a "demonstração que, no que ao Desporto concerne, o País conta com várias personalidades de reconhecido valor, que podem apresentar diferentes visões e contributos". n

despedimento Carlos Móia Conselho Nacional do Desporto telefone
Ver comentários