Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
5

Duelo em Coimbra: Clássico Benfica - FC Porto fecha época mais longa

Pela primeira vez a decisão da Taça de Portugal será realizada sem a festa do público nas bancadas.
Mário Pereira 1 de Agosto de 2020 às 09:13
 FC Porto - Benfica
FC Porto - Benfica
FC Porto - Benfica
 FC Porto - Benfica
FC Porto - Benfica
FC Porto - Benfica
 FC Porto - Benfica
FC Porto - Benfica
FC Porto - Benfica
Benfica e FC Porto defrontam-se hoje no jogo que decide o último título da época, a Taça de Portugal. Coimbra será palco inédito de uma final que ficará para a história ainda por outra razão: a circunstância de não ter público nas bancadas. A tradicional festa da Taça, que todos os anos, em junho, se realiza no Estádio Nacional, no Jamor, será este ano substituída pelo silêncio das cadeiras vazias. Este é assim um jogo atípico a fechar uma época anormal, marcada pela paragem de três meses imposta pela pandemia de Covid-19. E que por isso a arrastou até agosto, altura em que habitualmente as equipas regressam ao trabalho.

Formalismos há parte, a final de hoje vale tanto como as outras: um título. O Benfica procura redenção após uma época negativa no campeonato e na frente europeia, enquanto o FC Porto busca a dobradinha.

Nelson Veríssimo: "50/50 de possibilidades para cada equipa"
- O Benfica já perdeu este ano duas vezes com o FC Porto. Isso afeta?
- Este ano não vencemos o FC Porto nos dois jogos da Liga mas este é um jogo com características diferentes. Independentemente de uma equipa estar melhor que a outra, acaba por não ter grande importância. Há 50/50 de possibilidades para cada equipa.

- O que tem de fazer o Benfica neste jogo para ganhar?
- Apresentar-se como tem feito nos últimos jogos. Sabendo desde logo que este é um encontro com um grau de responsabilidade acrescido. Vai ser um jogo extremamente difícil, mas vamos entrar com a ambição própria de um clube com a grandeza do Benfica para ganhar o título em disputa.

-Este pode ser um jogo de desforra?
- Da experiência que tenho como jogador e como treinador, indo por esse caminho estamos mais perto de perder. Este jogo deve ser visto como uma oportunidade única de lutar para ganhar e conquistar mais um troféu.

- Qual é o passo seguinte na sua carreira, depois deste jogo?
- O meu futuro é o que neste momento menos me preocupa. O que me tem preocupado é preparar a equipa da melhor maneira para ganhar. No final deste jogo, vou ter um período de reflexão e vou perceber o que se passou e como as coisas decorreram.

Sérgio Conceição: "Título importante para adicionar à carreira"
- Como decorreu a semana que antecedeu este jogo?
- Igual a todas as outras que tivemos e que antecederam jogos importantes. Não muda nada. Para este jogo foi exatamente igual.

- Ganhou duas vezes ao Benfica nesta época. Há outra forma de olhar para este jogo sem ver o FC Porto favorito?
- Há. A forma realista. Com a experiência que tenho, acho que os dois jogos que fizemos contra o Benfica fazem parte do passado. Nada disso interfere neste jogo.

- Ainda sente frio na barriga antes destes jogos?
- Quando era jogador gostava de sentir essa sensação até à hora que o jogo começava. Depois, isso passa. Enquanto treinador, quero sentir sempre essa adrenalina, mas frio na barriga sinto quando, no percurso da minha vida, encontro pessoas com dificuldade. Principalmente crianças e idosos. Tive uma ou outra visita ao IPO e foi difícil de explicar. Há coisas mais importantes do que o futebol. Mas este será um título importante para adicionar à carreira.

- O Benfica está mais pressionado?
- Não há aparelhos para avaliar essa pressão. Só as panelas.

- Ganhar em Coimbra, a sua terra, seria especial?
- Gosto de ganhar aqui, no Cazaquistão ou na China. A vontade de ganhar é a mesma. Jogar em Coimbra, traz-me boas recordações da infância, mas nada mais que isso.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)