Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto

E-mails revelam que negócio de Garay envolveria 13 milhões de euros e não 6

Zenit ficaria com opção de compra sobre Gaitán e Salvio que nunca iria exercer.
19 de Setembro de 2018 às 18:28
E-mails revelam que negócio de Garay envolveria 13 milhões de euros e não 6
Garay com regresso em cima da mesa
Garay
O antigo jogador do Benfica Ezequiel Garay
E-mails revelam que negócio de Garay envolveria 13 milhões de euros e não 6
Garay com regresso em cima da mesa
Garay
O antigo jogador do Benfica Ezequiel Garay
E-mails revelam que negócio de Garay envolveria 13 milhões de euros e não 6
Garay com regresso em cima da mesa
Garay
O antigo jogador do Benfica Ezequiel Garay

O negócio da venda de Garay para o Zenit, no verão de 2014, envolveria não 6 milhões de euros, mas sim um total de 13 milhões. A revelação é feita numa alegada troca de emails entre Paulo Gonçalves (recém-demitido assessor jurídico da SAD) e Luís Filipe Vieira, a 9 de junho de 2014, dias antes da oficialização do negócio, avança o Record.

Na dita troca de correspondência eletrónica, o advogado coloca à consideração do presidente os termos propostos pelo emblema russo para o fecho da operação. Aí, fica claro que os responsáveis do Zenit "aceitam pagar" os 6 milhões de euros por Garay, mas fazem uma contra-proposta pela anulação de 10 por cento de mais-valia numa futura transferência de Witsel, acima dos 50 milhões de euros. O Benfica teria pedido 4 milhões de euros para o efeito; os responsáveis do Zenit "sugerem 3 milhões", como pode ler-se no dito email.

Para além disso, os russos "propõem-se pagar 4 milhões de euros para terem o direito de opção de compra, até 31 de agosto de 2015", de Salvio "por 40 milhões" e de Gaitán, "por 30".

Tudo somado, aos 6 milhões de euros pelos direitos económicos de Garay, seriam então adicionados 3 pela anulação da mais-valia por Witsel e ainda 4 milhões por uma opção de compra sobre dois jogadores. Total: 13 milhões de euros.

O Zenit pedia uma "resposta urgente" a estes moldes, tal como o empresário Jorge Mendes que, segundo Paulo Gonçalves, teria já garantido que o clube russo "não vai a exercer a opção de compra de nenhum deles [Salvio e Gaitán]", sendo esta "apenas uma forma de conseguir de forma realista completar a operação". "Caso contrário, a auditoria do clube [Zenit] coloca-lhes reserva", terá insistido o assessor.

Para além disso, segundo Gonçalves, "Jorge Mendes disse que o Zenit estaria disposto a fazer um documento à parte" precisamente a informar o Benfica de que não iria exercer a dita opção de compra sobre o par de argentinos.

A tudo isto, Luís Filipe Vieira responde no dito email com um simples "ok", deixando perceber que está de acordo com estes moldes.

A venda de Garay ao Zenit foi oficialmente comunicada à CMVM a de junho de 2014, com as águias a divulgarem a transferência por 6 milhões de euros. Destes, 50 por cento cabia ao Real Madrid, que acabou por avançar com uma queixa no TAS (Tribunal Arbitral do Desporto), questionando na altura os baixos montantes envolvidos e alegando estar a par de outras ofertas mais vantajosas pelo internacional argentino, como os 15 milhões de euros oferecidos pelo Bayern Munique.

No entanto, em dezembro de 2016, o TAS viria a dar razão ao Benfica neste caso. Garay, recorde-se, foi vendido numa altura em que ficaria apenas com um ano de contrato pela frente.

Ver comentários