Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto

PGR abre inquérito ao caso de racismo contra Marega

Jogador do FC Porto foi alvo de insultos racistas durante um jogo frente ao V. Guimarães.
Correio da Manhã 17 de Fevereiro de 2020 às 15:03
Marega
Marega
Marega
Marega
Marega
Marega
A Procuradoria-Geral da República confirmou, esta segunda-feira, a abertura de um inquérito ao caso de Marega, relacionado com os cânticos e insultos racistas dirigidos no domingo ao jogador no jogo Guimarães-FC Porto para o campeonato nacional.

"Confirma-se a instauração de um inquérito. O mesmo encontra-se em investigação do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Guimarães", indica uma resposta da PGR enviada à agência Lusa sobre o caso registado no jogo de domingo.

O esclarecimento da PGR surge no mesmo dia em que o diretor nacional da PSP anunciou que está analisar as imagens de videovigilância para que "rapidamente se consiga identificar o aparente elevado número de pessoas que participaram nos cânticos racistas" ao futebolista Marega, do FC Porto.

"Temos uma 'task force' a fazer isso [analisar as imagens de videovigilância] a tempo inteiro para que rapidamente consigamos identificar o aparente elevado número de pessoas que participaram nesses cânticos racistas", disse hoje à agência Lusa o diretor nacional da PSP, superintendente-chefe Magina da Silva, à margem da tomada de posse do número dois da Polícia e do comandante da Unidade Especial de Polícia (UEP).

O responsável pela Polícia de Segurança Pública considerou um comportamento "inadmissível" a situação que envolveu o jogador de futebol do FC Porto Marega, que pediu para ser substituído, ao minuto 71 do jogo da 21.ª jornada da I Liga, por ter ouvido cânticos e gritos racistas de adeptos da formação vimaranense, numa altura em que os 'dragões' venciam por 2-1, resultado com que terminaria o encontro.

Segundo o diretor nacional da PSP, em causa podem estar eventualmente dois tipos de infrações, designadamente uma que é um crime previsto e punido pelo Código Penal e outra que é uma contraordenação no âmbito desportivo da lei do combate à violência no desporto.

Magina da Silva frisou que vão ter de "responder nestas duas sedes quando forem identificados".

O diretor nacional da PSP disse também que a divulgação de mensagens racistas dentro de um campo de futebol é inédita com "esta dimensão e estes efeitos", mas "infelizmente já aconteceu pontualmente noutras circunstâncias".

Também o secretario de Secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna, Antero Luís, que presidiu à cerimónia de tomada de posse do diretor nacional adjunto para a Unidade Orgânica de Operações e Segurança (UOOS) e do comandante da UEP, considerou "uma situação intolerável" o que se passou no domingo no estádio do Guimarães.

"A PSP está a fazer a identificação de todas as pessoas que se encontravam naquela bancada para tentá-las levar à justiça, seja desportiva, seja a justiça criminal. É esse o trabalho que está a ser feito e esperamos chegar a bom porto e depois as autoridades judiciárias decidiram em conformidade", disse à Lusa Antero Luís.

O jogador do FC Porto foi alvo de insultos racistas, no domingo, ao minuto 71 do jogo da 21.ª jornada da I Liga, frente ao Vitória de Guimarães. A informação está a ser avançada pela RTP

Após ser alvo destes insultos, o jogador abandonou o relvado.

PSP já fez saber que está analisar as imagens de videovigilância da partida, a fim de tentar identificar os adeptos que participaram nos cânticos racistas ao futebolista.

Em atualização
Marega PGR Procuradoria-Geral da República desporto futebol
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)