Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
4

Porto tónico com ressaca para Aveiro

Taremi sofreu penálti que deu o 8º golo da época a Sérgio Oliveira. A seguir, assistiu Marega para o decisivo 2-0 frente ao Nacional.
Sérgio Pereira Cardoso 21 de Dezembro de 2020 às 01:30
Moussa Marega disputa o lance com Riascos. O maliano marcou o segundo do encontro
Moussa Marega disputa o lance com Riascos. O maliano marcou o segundo do encontro
O FC Porto venceu e bem o Nacional, no regresso aos triunfos caseiros sem golos sofridos. O resultado foi construído na primeira parte, com assinaturas de Sérgio Oliveira, de penálti, e Marega. Mas nem tudo foram rosas - Otávio e Corona saíram com queixas físicas e são problemas clínicos para tentar solucionar até quarta-feira, dia de Supertaça, em Aveiro, frente ao Benfica.

E a noite até começou com uma boa notícia do ponto de vista médico. Zaidu a titular, significado de que está a 100 por cento, com Nanú a ganhar a titularidade na lateral contrária. Até aos 20’, registo para a forte pressão portista, porém, o golo chegaria de penálti, após abalroamento a Taremi na área. Sérgio Oliveira não perdoou e fez o oitavo tento da época - quinto no campeonato.

Mehdi Taremi ia mesmo sendo um dos destaques da partida - ameaçou a baliza aos 29’ e tentou a assistência que Marega desperdiçou, aos 30’. Repetiu-se o filme mais tarde, com resultado diferente. Desta vez, o maliano marcou mesmo o 2-0. O lance deixa dúvidas pela disputa aérea de Diogo Leite ao recuperar a bola no meio-campo.

O resultado estava feito ainda antes do intervalo. Aliás, por pouco não se avolumou com uma bomba de Sérgio Oliveira, sacudida por Daniel Guimarães. A verdade é que o ritmo acabou por baixar na segunda metade, com muita paz junto a ambas as balizas e alguma guerra nas disputas a meio-campo.

Uma entrada mais ríspida no tornozelo de Otávio deixou o brasileiro queixoso. Até foi aguentando - ainda tentou um golo de bicicleta -, mas o esgar de dor na substituição lança uma sombra de preocupação. A seguir, foi Corona a levar uma pancada involuntária na perna direita e a ser retirado de campo por Conceição. Juntam-se a Pepe no rol de preocupações para a próxima final, frente ao Benfica, na quarta-feira.

análise
A inteligência de Taremi
O iraniano não é um simples ponta de lança. Taremi é muito inteligente e dono de uma visão de jogo digna de um ‘10’. Sofreu o penálti e logo ofereceu o 2-0. FC Porto ultrapassa o Sporting como melhor ataque.

Dores de cabeça
Apesar de Marchesín ter tido noite tranquila, há muito a aprimorar na transição defensiva do FC Porto. Queixas de jogadores nucleares causam alarme. Não parecem ser lesões complicadas, mas a Supertaça é já na quarta.

Noite de ocorrências
Penálti não tem discussão. O mesmo já não se pode dizer do 2-0, em que Leite coloca o braço em Riascos. Só que a bola, entretanto, vai a um atleta do Nacional antes de voltar aos dragões. Lance difícil. Aos 54’, Riascos cai na área, mas falta seria fora. Azouni arriscou expulsão na entrada sobre Otávio.

Capitão abriu caminho
Marchesín – Noite tranquila. Nem foi preciso esforçar-se muito nas defesas.
Nanú – Sempre atento, esteve mais focado na defesa do que em subir no terreno.
Mbemba – Sempre que foi chamado a atuar fê-lo com boa leitura e antecipação.
Diogo Leite – Aposta ganha de Sérgio Conceição para colmatar a falta do lesionado Pepe. Duro nas entradas.
Zaidu – Recuperou bem da lesão. Esteve bem mais envolvido no ataque azul-e-branco do que o companheiro Nanú.
Corona – A pressão dos nacionalistas limitou o seu campo de ação. Fustigado por faltas, acabou por sair lesionado.
Uribe – Cumpriu a guardar o seu setor. Sólido a condicionar os ataques contrários.
Otávio – Uns furos abaixo do que costuma mostrar no meio-campo. Uma falta dura de Azouni obrigou à sua saída.
Taremi – Esteve presente nos dois golos: foi abalroado dentro da área na grande penalidade e ainda assistiu Marega no segundo golo.
Marega – Parecia perdido no campo até ao seu golo. Marcou-o com classe.
Luis Díaz – Entrou enérgico, com vontade de mostrar serviço a Sérgio Conceição.
Toni Martínez – Ainda assustou num remate cruzado.
Grujic – Refrescou o miolo.
João Mário – Ativo.
Fábio Vieira – Sem tempo.
Sérgio Oliveira - O capitão foi um esteio no meio-campo do FC Porto. Chamado a converter a grande penalidade - ainda não falhou nenhuma esta época - não deu hipótese ao guardião Daniel Guimarães.
Ver comentários