Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
5

Bayern de Munique chega ao 'hexacampeonato' na Alemanha

Triunfo sobre ao Augsburg garante feito inédito de seis campeonatos consecutivos.
Lusa 7 de Abril de 2018 às 16:42
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Bayern de Munique celebra sexto título consecutivo na Alemanha
Um início de época irregular e a saída do treinador italiano Carlo Ancelotti não impediram o Bayern Munique de ter novo passeio na 'Bundesliga', com a conquista de inédito sexto título consecutivo de campeão alemão de futebol. Uma vitória em casa do Augsburgo por 1-4 selou mais um título para a equipa bávara.

Na Alemanha, não existe rival à altura do Bayern, a equipa com os melhores jogadores e que fecha as contas do campeonato muito antes do tempo previsto, uma vez mais a larga distância da concorrência.

O 28.º título demonstra a hegemonia dos bávaros, numa competição em que o segundo clube com mais títulos é o Nuremberga, atualmente na II Liga, com nove, e o terceiro é o Borussia Dortmund, com oito, dois no início da década (2010/11 e 2011/12).

O Bayern, que já era o primeiro a ter quatro títulos consecutivos, chega esta época ao 'hexa' (seis campeonatos seguidos), numa prova em que o máximo alcançado por outros é o 'tri' do Borussia Mönchengladbach (1974/75, 76/76 e 76/77).

Curiosamente, essa proeza da década de 70 seguiu-se ao primeiro 'tri' da história, do Bayern (1971/72, 72/73 e 73/74), e com a formação de Mönchengladbach a contar no seu plantel com o atual treinador bávaro, Jupp Heynckes.

O ex-técnico do Benfica, que regressou em outubro ao clube para substituir o despedido Carlo Ancelotti, chegou a Munique para, como o próprio disse, "fazer um serviço de amigo" e já disse não estar disponível para continuar.

A época começou com o italiano Ancelotti, que cumpria o segundo ano, mas as más exibições, em especial a derrota em 27 de setembro por 3-0 na Liga dos Campeões, em casa do 'milionário' e reforçado Paris Saint-Germain, precipitaram a rescisão.

O italiano, que perdera também a Supertaça alemã para o Borussia Dortmund, somava, à sexta jornada, um empate (em casa com o Wolfsburgo) e uma derrota (fora com o Hoffenheim), e seguia no terceiro lugar, a três pontos do Dortmund.

"O desempenho da nossa equipa desde o início da temporada não correspondeu às expectativas que nós colocámos. O jogo em Paris mostrou claramente que devem existir consequências", referiu então Karl-Heinz Rummenigge, diretor-executivo do clube.

O plano da estrutura diretiva foi chamar Heynckes, treinador que, aos 72 anos, interrompeu a 'reforma' para orientar os bávaros pela quarta vez na sua carreira, na qual atingiu o apogeu em 2012/13, com o título europeu.

O técnico chegou ao clube em 06 de outubro e, à oitava jornada, a sua primeira, já estava em segundo, a dois pontos da frente, enquanto à 10.ª -- com vitória em casa diante do Leipzig (2-0) -- assumiu o comando e não mais o largou.

Heynckes, com o seu 'toque de Midas', conseguiu ir aumentando as diferenças para uma concorrência que alternou entre Borussia Dortmund, Leipzig, Schalke 04 ou Bayer Leverkusen, 'cavalgando' o fosso pontual para os adversários.

Com uma equipa ainda órfã do lesionado Manuel Neuer, um dos melhores guarda-redes do mundo, a aposta tem recaído em Sven Ulreich, num grupo que continua a ter em Hummels, Rafinha, Alaba, Arturo Vidal, Lewandowski ou Müller as suas referências.

Javi Martínez, que - sob o comando de Heynckes - voltou a assumir papel no meio-campo, Boateng, Ribéry, o veterano e 'genial' Robben, bem como o reforço James Rodríguez, emprestado pelo Real Madrid, são, igualmente, nomes incontornáveis no campeão germânico.

A cada época, a equipa procura manter o equilíbrio no grupo, com entradas pontuais em setores que queira reforçar, como foram os casos de James, de Tolisso (contratado ao Lyon) ou de Rudy e Sandro Wagner (ambos ex-Hoffenheim).

O português Renato Sanches tinha sido um dos reforços de peso da anterior época, contratado ao Benfica, mas nunca teve espaço no plantel e acabou emprestado ao Swansea.

Com o título assegurado, Heynckes mantém a equipa na Taça da Alemanha - jogará as meias-finais da competição com o Bayer Leverkusen - e na Liga dos Campeões, quem sabe à espera de repetir o cetro europeu de 2013.

Na 'Champions', a equipa eliminou os turcos do Besiktas nos oitavos de final e nos quartos venceu na terça-feira fora o Sevilha, por 2-1, colocando-se em boa posição para estar nas 'meias'.

Em 29 jogos, sob o comando de Heynckes, os bávaros consentiram apenas duas derrotas, em Leipzig e Mönchengladbach, e um empate, na receção ao Hertha de Berlim, na 'Bundesliga', bem como um empate com o Leipzig, na Taça, ainda na segunda eliminatória, em que se apurariam nas grandes penalidades.
Bayern Munique Augsburgo jogo campeonato título alemanha
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)