Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
7

Benfica dá sinal de força frente ao Paços de Ferreira

Equipa de Bruno Lage nunca tremeu e o resultado acaba por ser escasso face ao domínio que manteve durante toda a partida.
Mário Figueiredo 27 de Janeiro de 2020 às 08:14
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica
P. Ferreira - Benfica

O Benfica não treme e está lançado no comando da Liga, depois deste domingo somar mais uma vitória, desta feita no terreno do Paços de Ferreira, por 2-0.

Bruno Lage só fez uma alteração no onze em relação à equipa que tinha ganho ao Sporting, ao trocar Chiquinho por Rafa, que no dérbi entrou e fez dois golos. E essa aposta voltou a dar frutos. Mas já lá vamos.

O Benfica entrou forte, talvez folgado por não ter disputado a final four da Taça da Liga. Um futebol fluído, com a bola rolar pelos vários setores com confiança e determinação. A vontade de desbloquear o jogo era grande. O primeiro sinal de perigo surgiu pelos pés de Grimaldo na marcação de um livre, mas valeu uma grande defesa de Ricardo Ribeiro para canto.

As águias não levantaram o pé do acelerador e no canto apontado por Pizzi, Vinícius cabeceou à trave. Esta dupla protagonizou o lance do golo anulado. O português ainda marcou, mas o brasileiro estava em fora de jogo por... quatro centímetros.

Os pacenses defendiam como podiam, mas nunca descuraram ataque. Odysseas teve mesmo de se aplicar a fundo para travar um remate de Hélder Ferreira.

O Benfica foi sempre mais perigoso, mas os pacenses tinham mais posse de bola. Contudo, a qualidade e visão de jogo dos jogadores encarnados acabaram por fazer a diferença. Um passe de Rúben Dias a rasgar a defesa pacense foi decisivo, mas Rafa fez uma obra de arte ao dominar a bola, tirar um adversário do caminho e rematar para o 1-0.

Estava desbloqueado o resultado que podia ter sido muito mais dilatado, não fosse a boa exibição de Ricardo Ribeiro.

A segunda parte não podia ter começado melhor para os jogadores da equipa de encarnado, que retiraram benefício do pressing imposto desde o primeiro minuto. Chegaram ao golo, num lance de contra-ataque. Uma recuperação de bola e um passe de Ferro a rasgar para Rafa, que assistiu Vinícius no 2-0.

A formação de Pepa ainda reagiu por Diaby, mas Odysseas correspondeu com uma grande defesa.

A vantagem acabou por fazer o Benfica baixar o ritmo do jogo. Deixou de pressionar e passou a segurar mais a bola.

Bruno Lage aproveitou então para rodar jogadores, como Taarabt, Seferovic e Jota. E foi o suíço quem desperdiçou de forma escandalosa um golo de baliza aberta (86’), após um passe de Grimaldo.

Vantagem não dá conforto a Lage
"FC Porto a dez pontos? Não há conforto nenhum. Estão a falar com um treinador que esteve sete pontos atrás e depois só sentiu que o campeonato estava ganho ao estar a vencer por 4-0 o Santa Clara e ao ver o quarto árbitro a levantar a placa de descontos. Temos de fazer o nosso trabalho", disse ontem Bruno Lage após a vitória em Paços de Ferreira.

O treinador do Benfica minimizou ainda o facto de ter somado a sua 18ª vitória consecutiva fora de casa para o campeonato: "Não olho para estatísticas, o importante é referir o jogo que fizemos. O P. Ferreira fez aquilo que estávamos à espera. Foi uma equipa com atitude, com organização, mas nós fomos justos vencedores. Não me recordo de uma grande oportunidade do Paços e nós tivemos várias para marcar."

Já sobre Rafa referiu: "É aproveitar o momento. Voltou e marcou dois golos ao Sporting e mais um frente ao Paços."

Pepa: "Não nos escondemos"
"Jogámos o jogo pelo jogo. Não nos escondemos de nada e a reação foi boa. A entrega dos meus jogadores foi incrível", disse no final do jogo Pepa, treinador do Paços de Ferreira.

ANÁLISE
Rafa é reforço
Rafa é o reforço deste inverno para Bruno Lage. Depois de dois golos ao Sporting, voltou a assumir-se como preponderante na equipa. Ontem desbloqueou o jogo com o primeiro golo e ainda assistiu Carlos Vinícius no segundo. Imparável.

Seferovic
Os avançados vivem de golos e Seferovic não é exceção. É certo que o suíço atravessa um momento de falta de confiança, mas também não será a falhar golos como o de ontem, com a baliza aberta e sem marcação, que a vai recuperar.

Um penálti por assinalar
Manuel Oliveira anulou um golo ao Benfica por um fora de jogo de... quatro centímetros. Deixou passar um agarrão de Julian Weigl a Hélder Ferreira para penálti. Depois, o jogo do Benfica baixou de ritmo e não houve mais casos.


Ver comentários