Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
9

Benfica e Luís Filipe Vieira, o fim anunciado ou um projeto com futuro

Em ano de eleições, o Benfica liderado por Luís Filipe Vieira bateu todos os recordes em gastos de transferências desde a fundação do clube. Os números, as promessas e as polémicas que marcam os últimos anos de Vieira à frente dos encarnados.
Iúri Martins(iurimartins@cmjornal.pt) 27 de Outubro de 2020 às 13:07
Em ano de eleições, o Benfica liderado por Luís Filipe Vieira bateu todos os recordes em gastos de transferências desde a fundação do clube. Os números, as promessas e as polémicas que marcam os últimos anos de Vieira à frente dos encarnados.
Por Iúri Martins(iurimartins@cmjornal.pt) 27 de Outubro de 2020 às 13:07
28 de outubro de 2020. É esta a data decisiva para Luís Filipe Vieira na liderança do Sport Lisboa e Benfica. Os sócios do clube vão às urnas votar no presidente para os próximos quatro anos. 

O atual presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, que está no cargo desde 2003, é o principal candidato às eleições e assumiu que este será o último mandato em caso de eleição. Mas, além de Luís Filipe Vieira, João Noronha Lopes e Rui Gomes da Silva estão na corrida à presidência das águias [Bruno Costa Carvalho desistiu].

Apesar de ter assumido o cargo máximo do clube em 2003, só em 2009/2010 Luís Filipe Vieira conseguiu começar a traçar um caminho triunfante a nível nacional para os encarnados. A contratação do treinador Jorge Jesus e a mudança na política de contratações foram decisivas para o novo rumo que o clube viria a seguir a partir daí.

O CM mostra-lhe agora os números, os valores, as transferências, os momentos marcantes e os mais polémicos dos últimos anos de liderança de Luís Filipe Vieira no Benfica. Serão as eleições do dia 28 de outubro o fim anunciado do atual presidente encarnado - que está a contas com vários processos na justiça - ou será este um projeto ainda com futuro?

Rangel

foi o último a enfrentar Vieira
Depois de vários anos à deriva, o Benfica consegue em 2000 com a chegada de Manuel Vilarinho à presidência do clube, e a posterior entrada de Luís Filipe Vieira, iniciar um processo de credibilização junto de credores e também dentro dos relvados. Luís Filipe Vieira assume a presidência do Benfica em 2003, depois de Manuel Vilarinho ter expressado total apoio à sua candidatura, não se apresentando a eleições.

O primeiro campeonato da 'era Vieira' surge na temporada 2004/05 com Trapattoni ao leme da equipa. Isto depois de na temporada anterior, com Camacho no comando, o Benfica ter conquistado a Taça de Portugal.

Mas o Benfica só se viria a afirmar como candidato à hegemonia do futebol português a partir da época 2009/10 com a chegada do treinador Jorge Jesus e uma mudança profunda na política de transferências.

Em 2012, os sócios do Benfica voltaram a eleger Luís Filipe Vieira para um novo mandato à frente do clube. Foi a última vez que Vieira teve um concorrente, o juiz Rui Rangel, que acabou derrotado por uma larga margem. Nas eleições de 2016, a lista liderada por Luís Filipe Vieira era a única a votos para a presidência dos encarnados.

Agora, dez anos depois da primeira passagem de Jorge Jesus pelo Benfica e em ano de eleições, os encarnados bateram todos os recordes em gastos de transferências, contratando o jogador mais caro da história do clube por 24 milhões de euros, valor superior ao investimento total feito na época 2017/2018 em que os encarnados poderiam ter conquistado o inédito pentacampeoanto.

Comigo vão jogar o dobro do que jogaram no ano passado

A época 2009/2010 marcou um ponto de viragem no Benfica. A chegada do treinador Jorge Jesus ao comando da equipa levou a uma revolução total dentro e fora dos relvados.

Os resultados positivos sucederam-se ao longo da temporada e rapidamente foi intitulada como uma das melhores dos últimos vinte anos. Recorde-se que o Benfica já não ganhava o campeonato desde a temporada 2004/05.

O Benfica conquista o título numa luta acesa frente ao Sporting de Braga, equipa surpresa do campeonato.

34,3M€

Benfica faz o segundo maior investimento de sempre na época 09/10
A época 2009/10 marcou também uma mudança na política de contratações. O Benfica apostou em nomes sonantes como Javi García (ex-Real Madrid), Javier Saviola (seleção da Argentina) e Ramires. Foi também o ano em que David Luiz e Fábio Coentrão deram um salto qualitativo no futebol apresentado dentro das quatro linhas.

No total, o Benfica gastou 34,30 milhões de euros em contratações, o segundo maior investimento de sempre até à data, apenas suplantado pelos gastos na época 07/08 onde o Benfica aplicou 39,17 milhões de euros em contratações como a de Óscar Cardozo, Ángel Di Maria e Maxi Pereira. Contratações essas que foram 'viabilizadas' pelas vendas recorde de Simão e Manuel Fernandes.

583,77M€

Saldo das últimas dez épocas
A venda das principais pérolas da formação, especialmente a transferência milionária de João Félix, permitiu aos encarnados somar milhões às receitas época após época. Esta política de venda tem sido, no entanto, bastante criticada pelos sócios e adeptos mais fiéis das águias.

Mas não tem sido só com pérolas da formação que os encarnados têm somado milhões às receitas. Ederson, Axel Witsel e Raúl Jiménez foram algumas das estrelas internacionais que já passaram pelo clube lisboeta e saíram por dezenas de milhões.
Uma análise ao balanço das receitas e despesas em transferências das últimas 10 temporadas mostra que o Benfica conseguiu um saldo positivo de 583,77 milhões de euros.

98,50M€

Gastos no mercado de verão em 2020
Em ano de pandemia, o Benfica foi o sexto clube que mais gastou no mercado de transferências de verão, segundo avança o site especializado Transfermarkt.

Os encarnados bateram o recorde de transferência mais cara de sempre da história do clube - e do futebol português - ao pagar 24 milhões de euros pelo avançado Darwin Nuñez.
Apesar do forte investimento, o Benfica não conseguiu alcançar um dos principais objetivos da época, a fase de grupo da Liga dos Campeões. Os encarnados foram relegados para a Liga Europa após uma derrota dura frente aos gregos do PAOK.

Penta

fará Vieira pensar em novo mandato
Entre outras promessas, Vieira refere que apenas se voltará a candidatar - caso ganhe estas eleições - para alcançar o pentacampeonato. Portanto, Luís Filipe Vieira só irá concorrer nas eleições de 2024 caso os encarnados conquistem os próximos quatro campeonatos.

Mas, recorde-se, o Benfica ficou a apenas sete pontos do pentacampeonato na época 2017/18. O treinador Rui Vitória partiu para o ano decisivo com um corte duro no plantel numa das temporadas de maior desinvestimento. Ederson, Nélson Semedo, Lindelöf e Mitroglou foram algumas das estrelas que abandonaram a equipa no ano em que os encarnados podiam ter alcançado o inédito penta.

Foi exatamente no ano em que podia ter alcançado objetivos inéditos a nível interno que o Benfica apostou menos na contratação de novos jogadores. Krovinovic por 3,50M€ e Mile Svilar por 2,5M€ foram as apostas mais caras dessa temporada, onde as águias só investiram um total de 9,95M€.

Entre os principais flops dessa temporada estavam nomes como Martin Chrien, João Amaral, Mato MIlos, Erdal Rakip ou Douglas.

Título europeu? Nestes 4 anos vou lá chegar. Uma jura que fiz ao meu pai...

Luís Filipe Vieira aponta ao título europeu durante o próximo mandato. O líder dos encarnados quer chegar ao tão desejado sucesso europeu que falhou por duas vezes nos últimos 10 anos em finais da Liga Europa perdidas para Chelsea e Sevilha.

Durante uma das entrevistas dadas durante a campanha eleitoral, Luís Filipe Vieira prometeu o tão desejado título europeu. "É uma aposta firme minha ganhar um título europeu. Nestes 4 anos vou lá chegar. Uma jura que fiz ao meu pai e só falta cumprir esta. Hei-de conseguir", atirou.

Mas o tão desejado sucesso europeu tem sido um autêntico falhanço naquela que é a grande montra, a Liga dos Campeões. Desde a temporada 2009/10, o Benfica apenas ultrapassou a fase de grupos da prova milionária por três vezes. Os encarnados caíram na fase de grupos em 7 das últimas 10 temporadas.

Na época 2017/18 o Benfica perdeu todos os encontros da fase de grupos, protagonizando o pior ano de sempre na Champions League. Resultado que coincidiu com o maior desinvestimento de sempre no plantel principal e com o falhanço na conquista do inédito pentacampeonato.

Vieira 

é arguido em dois processos que correm na Justiça
Os últimos anos da presidência de Luís Filipe Vieira no Benfica têm sido manchados com inúmeros processos em Tribunal que já levaram a buscas no Estádio da Luz e em residências das principais figuras dos encarnados.


Luís Fillipe Vieira é arguido na Operação LexO Ministério Público defende que Luís Filipe Vieira utilizou o Benfica para convencer o juiz Rui Rangel a resolver o processo contra o fisco no Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra. A acusação da Operação Lex revela que Vieira ofereceu a Rangel bilhetes dos jogos do Benfica em Portugal e no estrangeiro, incluindo deslocações. O juiz do Tribunal da Relação de Lisboa terá aproveitado a "exigência" de Vieira para usufruir de mais vantagens relacionadas com os encarnados. Vieira está acusado de um crime de oferecerimento indevido de vantagem e incorre uma pena de prisão até três anos ou uma multa até 360 dias.

Em representação da SAD do Benfica, Luís Filipe Vieira é ainda arguido na Operação Saco Azul
Em causa está uma investigação da Autoridade Tributária às contas do clube devido a aspetos fiscais relacionados com o pagamento de IVA e o IRC.

Mas os processos polémicos na Justiça têm sucedido ao longo dos últimos tempos. O Benfica está ainda ligado ao caso dos 'Emails', 'Mala Ciao' e 'Vouchers'.

Sócios

têm contestado cada vez mais a liderença de Vieira
A ligação entre Luís Filipe Vieira e os adeptos/sócios do Benfica tem vindo a deteriorar-se ao longo dos últimos anos. Se muitos já não acreditam nas promessas do presidente, outros já chegaram mesmo a ser confrontados com a fúria do ainda líder dos encarnados.

Em setembro de 2019, Luís Filipe Vieira protagonizou um dos episódios mais chocantes da história democrática do clube encarnado. Durante a intervenção de um sócio na Assembleia Geral do clube, o presidente do Benfica subiu ao palanque, interrompeu o discurso e apertou o colarinho ao adepto, que pedia mais transparência no clube. Dezenas pediram de imediato a demissão do presidente encarnado.
A carregar o vídeo ...
Luís Filipe Vieira confronta adeptos do Benfica durante a Assembleia Geral e depois de apertar o colarinho a um sócio
Ainda na mesma Assembleia Geral, Luís Filipe Vieira exultou o seu trabalho como presidente do Benfica, o que motivou novo coro de insultos e assobios. O ainda presidente dos encarnados sugeriu que quem não estivesse satisfeito com o seu trabalho votasse contra nas eleições.

O falhanço da última época desportiva - 2019/20 - veio agudizar ainda mais a relação entre adeptos e presidente. As tarjas de descontentamento sucedem-se e são erguidas tanto nas imediações do Estádio da Luz como nas ruas que circundam o estádio.
Tarjas contra Vieira
Tarjas contra Vieira
Tarjas contra Vieira
Tarjas contra Vieira
Tarjas contra Vieira
Tarjas contra Vieira
Tarjas contra Vieira
Tarjas contra Vieira
Tarjas contra Vieira
Tarjas contra Vieira
Tarjas contra Vieira

Eleições

antecipadas para 28 de outubro
A proibição de livre circulação de cidadãos entre concelhos, entre os dias 30 de outubro e 3 de novembro, levou o clube a antecipar o ato eleitoral para 28 de outubro - anteriormente marcado para o dia 30.

Na corrida à liderança do Benfica estarão quatro listas lideradas por Luís Filipe Vieira (Lista A), João Noronha Lopes (Lista B) e Rui Gomes da Silva (Lista D) [A lista C de Bruno Costa Carvalho desistiu].

Os sócios do Benfica poderão votar entre as 8h da manhã e as 22h00 do dia 28 de outubro em 25 locais. 

Veja o mapa com todos os locais de voto


Distribuição de votos por anos de filiação
Sócios com 1 a 5 anos de filiação - 1 voto
Sócios com 5 a 10 anos de filiação - 5 votos
Sócios com 10 a 25 anos de filiação (Filiais e Delegações) - 20 votos
Sócios com mais de 25 anos de filiação (Casas do Benfica) - 50 votos

Texto, gráficos e infografias | Iúri Martins