Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Benfica salvo pelo anjo Gabriel na meia-final da Taça

Médio brasileiro deu a vitória às águias, no último de cinco minutos de desconto.
Mário Pereira 5 de Fevereiro de 2020 às 01:30
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
Benfica - Famalicão
No suado aquecimento para o clássico do próximo sábado, frente ao FC Porto, o Benfica ganhou ao Famalicão e marcou posição na 1ª mão da meia-final da Taça de Portugal. Mas não ganhou para o susto. Aos 78’, altura em que Rafa empatou, estava a perder. E precisou de esperar pelo último dos cinco minutos de compensação dados pelo árbitro para chegar à vitória, quando Gabriel, qual anjo salvador, deu bom seguimento, de cabeça, a um canto que parecia ser o do cisne.

O Benfica parte assim em vantagem para o jogo da 2ª mão, que se realiza na próxima terça-feira, em Famalicão. Mas na antecâmara de um clássico que se antevê intenso, não era exatamente ‘disto’ que a formação de Bruno Lage precisava para o dito aquecimento, num jogo em que o técnico poucas mexidas fez em relação ao onze habitual.

O resultado é penalizador para o Famalicão, que fez na Luz um belo jogo e explicou a razão de estar a realizar um excelente campeonato. A equipa minhota jogou olhos nos olhos com os encarnados e mostrou futebol de qualidade suficiente para ter regressado a casa com outro desfecho. O Benfica até entrou melhor no jogo, mas a primeira grande oportunidade pertenceu ao Famalicão, aos 17’, quando Pedro Gonçalves falhou de forma incrível um golo cantado, após Diogo Gonçalves ter feito a cabeça em água a Grimaldo, o que de resto foi uma constante da primeira parte.

O intervalo chegou com tudo a zeros. E a segunda parte começou com o Benfica a voltar a entrar empenhado. Chegou à vantagem de penálti, após mão de Riccieli (53’), num lance que teve tanto de involuntário como de imprudente. Pizzi, na cobrança, não perdoou.

A reação do Famalicão não tardou. O empate surgiu aos 60’ por Pedro Gonçalves, após jogada individual e triangulação com Diogo Gonçalves. Um golo fantástico, que deu ainda mais ânimo aos minhotos. Que, com alguma sensação, mas sem surpresa, se adiantaram no marcador, por Toni Martinez, de novo com Pedro Gonçalves na jogada.

O Benfica abanou. Mas Rafa e Vinícius, ambos atirados para o jogo aos 68’, deram novo balanço ofensivo. Fabricaram a meias o empate, com o brasileiro a obrigar Vaná a defesa incompleta, que Rafa de imediato castigou. O Famalicão poderia ter marcado de novo logo a seguir (sempre por Pedro Gonçalves), mas a chave do jogo estava na cabeça de Gabriel. Segue-se o clássico.

Lage: "foi um jogo à inglesa"
"É um jogo extraordinário, jogo de Taça, um jogo à inglesa, bola cá, bola lá. Só pecámos no nosso equilíbrio. Demos essa oportunidade ao Famalicão de transitar, de marcar dois golos", disse Bruno Lage, treinador do Benfica, elogiando a postura do adversário.

O técnico dos encarnados revelou ainda que "acertou na pressão", com a recuperação de muita bola no meio-campo ofensivo.

"Depois de ver a equipa a sofrer dois golos, ter os olhos na baliza adversária deixa-nos confiantes. Há dias em que as coisas não correm bem e temos de nos agarrar ao que é primordial, que é vencer o jogo", prosseguiu Lage. Para o treinador encarnado, as duas equipas "dignificaram o jogo". "Vencemos, mantivemos a dinâmica de vitórias e isso é muito importante. Agora é começar a preparar o próximo jogo [clássico no Dragão]. Vantagem na segunda mão? Nada disso. A vantagem é de um golo".

João Pedro Sousa: "Acabámos penalizados, sem merecer"
"Foi um bom jogo. A primeira parte foi tática, mas conseguimos dominar parte do jogo. Viemos à Luz para ganhar, mas acabámos penalizados, sem merecer", disse esta terça-feira João Pedro Sousa, treinador do Famalicão, que elogiou o desempenho dos seus jogadores.

Já sobre a partida da segunda mão, agendada para terça-feira (dia 11), o técnico famalicense não escondeu "uma vontade enorme de ganhar" e estar na final da prova no Jamor.

"Jogo muito bonito"
Gustavo Assunção, 19 anos, médio do Famalicão, disse que se fosse adepto "ia gostar muito de ter assistido a um jogo como este, muito bonito".

Pizzi mexe com jogo e Rafa está imparável
Odysseas – Uma defesa por instinto, que segurou o empate. Seguro e determinado.
André Almeida – Esforçado. Esteve perto do golo, com um cabeceamento por cima.
Rúben Dias – Não está isento de culpas no primeiro golo famalicense. Recuperou e foi perigoso até no ataque.
Jardel – Sem a ajuda de Grimaldo, complicou. Foi substituído ao intervalo.
Grimaldo – Esquece-se que é defesa. Sobe e não desce. Diogo Gonçalves criou-lhe problemas.
Pizzi - Ofereceu um golo a Chiquinho, que desperdiçou. Desequilibrou e criou várias situações de perigo para a baliza de Vaná. Não tremeu e converteu a grande penalidade no 1-0. 
Gabriel – Por vezes, desaparece do jogo. Trabalhador e decisivo, com o golo do 3-2.
Taarabt – Está a subir de rendimento e a ganhar influência na equipa do Benfica.
Cervi – Traz garra e velocidade.
Chiquinho – Desperdiçou uma oportunidade de golo (6’) e isso parece ter condicionado a exibição.
Seferovic – Chegou a atrasado a um remate de Pizzi. Decisivo no penálti.
Ferro – Entrou ao intervalo e ficou mal na fotografia do 1º golo famalicense. Recuperou e acabou em bom nível.
Vinícius –Agitou o ataque. O golo de Rafa resulta do ressalto a um remate seu.
Rafa – Oportuno e com golo. Traz criatividade e está muito motivado.

ANÁLISE
Fama... pode chegar longe
Excelente atitude da equipa do Famalicão, na Luz. Futebol estendido, jogadores virtuosos, boa mecânica de jogo. Não merecia sair deste encontro com a derrota. Ainda assim, leva para casa um resultado promissor. Ganhar por 1-0 (ou 2-1) dá Jamor.

Defesas nas covas
Alguns jogadores do Benfica passaram maus momentos no jogo desta terça-feira. Ferro, que só entrou ao intervalo, esteve mal em ambos os golos do Famalicão. E Grimaldo passou muito mal na primeira parte diante de Diogo Gonçalves.

Hugo sem invenções
Trabalho de bom nível do árbitro Hugo Miguel. Correta avaliação do lance do qual resulta o penálti a favor do Benfica. O defesa Riccieli foi muito imprudente ao ter esticado o braço. Ficou por mostrar um cartão amarelo a Gabriel por pisão a Fábio Martins.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)