Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
5

'Clássico' pode confirmar 29.º título dos 'dragões'

FC Porto só precisa de pontuar quarta-feira na receção ao Sporting.
Lusa 13 de Julho de 2020 às 08:58
Sérgio Conceição, treinador do FC Porto
Sérgio Conceição, treinador do FC Porto FOTO: Peter Spark, Movephoto
O FC Porto só precisa de pontuar quarta-feira na receção ao Sporting para carimbar o seu 29.º título, mas pode entrar campeão no 'clássico' da 32.ª jornada da I Liga de futebol se, na véspera, o Benfica 'escorregar'.

As duas equipas entram no Estádio do Dragão separadas por expressivos 17 pontos, com vantagem para os comandados de Sérgio Conceição, que lideram a I Liga, com 76, contra 68 do Benfica, segundo classificado, e 59 do conjunto de Alvalade, terceiro.

Com quatro vitórias seguidas, os 'dragões' viram aumentar para oito pontos a vantagem sobre os 'encarnados' e até podem festejar na terça-feira, acomodados no 'sofá', se os ainda campeões não vencerem em casa o Vitória de Guimarães.

De resto, o último título conquistado, em 2017/18, já sob o comando de Sérgio Conceição, também foi confirmado fora do relvado, a uma jornada do final, tal como o antepenúltimo, em 2011/12, então com Vítor Pereira ao 'leme'.

Foi precisamente na temporada anterior, em 2010/11, que o FC Porto, treinado por André Villas-Boas, confirmou pela última vez um título nacional num 'clássico', na altura no terreno do Benfica (2-1), a cinco jornadas do fim.

No embate de quarta-feira, os portistas vão estar privados do mexicano Corona, que vai cumprir castigo, ele que é o jogador mais utilizado por Sérgio Conceição esta temporada e o segundo jogador com mais assistências (10) na I Liga, além de Uribe, também suspenso, e Sérgio Oliveira e Marcano, ambos lesionados.

Os últimos seis duelos entre FC Porto e Sporting, para a I Liga, saldaram-se em quatro vitórias para os 'azuis e brancos' e dois empates, sendo que já esta temporada, a equipa de Sérgio Conceição venceu por 2-1 em Alvalade, quebrando um 'jejum' de 11 anos no reduto 'leonino'.

Esta época, o FC Porto averbou três derrotas na I Liga, apenas uma delas no seu estádio, já lá vão quase seis meses. O adversário foi o Sporting de Braga, que venceu por 3-2 e contava no banco com Rúben Amorim, precisamente o atual treinador do Sporting.

Os 'leões', que não terão o argentino Acuña, devido a castigo, continuam invictos sob o comando do novo técnico, com seis vitórias e dois empates nas últimas oito partidas, mas podem entrar no Dragão já fora da corrida ao segundo lugar, se o Benfica pontuar na receção ao Vitória minhoto.

O último lugar do pódio continua a ser o objetivo mais real na cabeça dos sportinguistas, conforme expressou Rúben Amorim há pouco tempo, com os 'verdes e brancos' apenas três pontos à frente de Sporting de Braga e desvantagem no confronto direto.

O 'clássico' da 32.ª jornada está agendado para quarta-feira, no Estádio do Dragão, a partir das 21:30.

FC Porto esteve sete pontos atrás e agora está a um do título
O FC Porto está a um ponto de se sagrar campeão português de futebol, o que pode conseguir quarta-feira, frente ao Sporting, ou na véspera, com novo 'tropeção' do Benfica, do qual chegou a estar a sete pontos.

À entrada para a 32.ª jornada da I Liga, os 'dragões' têm oito pontos de avanço sobre os 'encarnados' e estão perto de celebrar o 29.º título, numa temporada que foi tudo menos perfeita.

Depois de ter desperdiçado uma vantagem de sete pontos em 2018/19, 'oferecendo' o campeonato ao Benfica, e de ter perdido as finais da Taça da Liga e da Taça de Portugal, o FC Porto entrava pressionado para a nova época e o início foi de 'pesadelo', com a eliminação na terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões, frente ao Krasnodar.

Mesmo com um ataque mais forte ao mercado do que em anos anteriores, com contratações como as de Marchesín, Uribe, Nakajima, Luis Díaz e Zé Luís, o FC Porto nunca entusiasmou e começou o campeonato com uma derrota frente ao regressado Gil Vicente.

O mau começo parecia ter sido esquecido e os 'dragões' conseguiram uma série de sete vitórias consecutivas, entre as quais uma em casa com o rival Benfica, naquela que foi a primeira derrota de Bruno Lage no banco das 'águias' para o campeonato.

Contudo, dois empates e uma derrota em casa, com o Sporting de Braga (2-1), deixavam o FC Porto a sete pontos do Benfica no final da primeira volta.

A derrota, poucos dias depois, novamente com o Sporting de Braga, de Rúben Amorim - que agora treina o Sporting -, na final da Taça da Liga, levou Sérgio Conceição a colocar o lugar à disposição, dizendo que havia falta de união no clube.

Pinto da Costa segurou o treinador, que comparou algumas vezes com José Maria Pedroto, e o FC Porto conseguiu nova série de seis triunfos na I Liga, batendo o Benfica no Dragão, num encontro que marcou o ponto de viragem no campeonato, pois os 'encarnados', que tinham conseguido 16 triunfos seguidos, só venceram três dos 11 jogos seguintes.

Mesmo sem grandes exibições, talvez à exceção das segundas partes com Boavista (4-0) e Belenenses SAD (5-0), e uma derrota com o Famalicão (2-1), na retoma após a paragem causada pela covid-19, os 'azuis e brancos' acabaram por ser mais consistentes e estão muito perto de conquistar um segundo título em três anos.

A retoma trouxe também uma maior aposta em alguns jovens da formação, como Tomás Esteves, Vítor Ferreira e Fábio Vieira.

Na Europa, apesar de uma fase de grupos inconstante, o FC Porto acabou claramente eliminado nos 16 avos de final pelo Bayer Leverkusen, com um agregado de 5-2.

FC Porto-Sporting: Rúben Amorim no Dragão com estatuto de invencível
O treinador da equipa de futebol do Sporting Rúben Amorim apresenta-se quarta-feira no Dragão com o estatuto de invencível em provas nacionais, num percurso que inclui cinco triunfos face aos 'grandes' pelo Sporting de Braga.

Em 19 jogos em 2019/20, 17 para o campeonato e dois para a Taça da Liga, que conquistou, o ex-jogador de Benfica, Sporting de Braga e Belenenses soma 16 vitórias, três empates e nenhuma derrota, com 38-14 em golos.

Rúben Amorim, de 35 anos, não perdeu internamente ao comando do Sporting de Braga, somando 10 vitórias e um empate, em 11 jogos, registo suficiente para convencer o Sporting a pegar em 10 milhões de euros e a 'roubar' o treinador aos minhotos.

No Sporting, no qual entrou com o clube à beira de uma 16.ª derrota na época, que será recorde, superando as 15 de 2000/01 e 2012/13, tem 'segurado o barco' e segue invicto, em oito jogos, com seis triunfos e duas igualdades.

Uma defesa a três, com três centrais e os laterais adiantados, tem sido a imagem de marca do ex-médio, que transportou essa forma de jogar, com sucesso, do Sporting de Braga para o Sporting, bem como a aposta destemida, e sem vacilar, nos jovens.

Rúben Amorim, que terá rejeitado no início da época os sub-23 do Benfica, ingressou na equipa principal do Sporting de Braga em 23 de dezembro de 2019: saltou da equipa B para suceder a Ricardo Sá Pinto, num contrato de dois anos e meio.

A estreia aconteceu apenas em 2020, em 04 de janeiro, e teve um grande impacto: no Estádio Nacional, casa emprestada do Belenenses SAD, os minhotos golearam por 7-1, em encontro da 15.ª jornada da I Liga de futebol.

O segundo jogo, na receção ao Tondela, ameaçou redundar em derrota, mas um 'bis' de Paulinho, que marcou aos 79 e 90+1 minutos, valeu o segundo triunfo (2-1).

Foi apenas um 'aperitivo' para o que se seguiu, uma inacreditável série de cinco triunfos consecutivos face aos 'grandes' em menos de um mês, numa série que incluiu ainda um 2-1 em Moreira de Cónegos e um 'amargo' 2-2 na receção ao Gil Vicente, após vantagem de 2-0, muito por culpa da expulsão de Bruno Viana.

O primeiro triunfo aconteceu no Dragão, onde venceu o FC Porto por 2-1, com tentos de Fransérgio e Paulinho, num resultado que colocou os 'dragões' a sete pontos do líder Benfica.

Seguiu-se a Taça da Liga, em Braga, e dois triunfos com 'estrelinha', por 2-1 face ao Sporting, nas meias-finais, com Paulinho a resolver aos 90 minutos, e 1-0 frente ao FC Porto, na final, graças a um golo de Ricardo Horta, aos 90+5, num resultado que quase 'despediu' Sérgio Conceição dos 'dragões'.

Os 'arsenalistas' ganharam a Taça da Liga, mas não pararam e, já em fevereiro, voltaram a bater o Sporting na 'pedreira', agora por 1-0, com um tento de Trincão, aos 76 minutos, e ganharam também ao Benfica, por 1-0, na Luz, com um golo de Palhinha, aos 45+1.

Depois de bater os 'encarnados', sofreu as únicas derrotas pelo Sporting de Braga, face ao Rangers, nos 16 avos de final da Liga Europa (2-3 fora e 0-1 em casa), e, pelo meio, bateu em casa o Vitória de Setúbal por 3-2, para se despedir em 01 de março, com um triunfo por 2-1 no reduto do Marítimo.

O Sporting, insatisfeito com Silas, apostou em Rúben Amorim, apesar da elevada cláusula de rescisão (10 milhões de euros), numa transferência anunciada em 05 de março.

Três dias depois, estreou-se pelos 'leões', com uma vitória sobre despromovido Desportivo das Aves, cedo reduzido a nove unidades, por 2-0, mas a aventura ao comando dos 'leões' foi quase de imediato interrompida, devido à pandemia de covid-19.

O segundo encontro apenas aconteceu quase três meses depois, em 04 de junho, e o Sporting empatou 2-2 em Guimarães, onde Sporar 'bisou' e os 'leões' estiveram duas vezes à frente do marcador.

Com Jovane Cabral em evidência, o Sporting encarrilou depois quatro triunfos consecutivos, três em casa (1-0 ao Paços de Ferreira, 2-0 ao Tondela e 2-1 ao Gil Vicente) e um na casa emprestada do Belenenses SAD (3-1).

À 30.ª jornada, em que se despediu matematicamente do título, somou na casa do Moreirense o segundo empate (0-0), no primeiro jogo interno sem golos, ao 18.º encontro, para responder com novo triunfo à 31.ª, na receção ao Santa Clara (1-0), com novo tento, o quinto pós retoma de Jovane Cabral.

Ver comentários