Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
4

Dragão líder vence Famalicão e afasta-se dos rivais

FC Porto marca três, mas falha a goleada.
Filipe António Ferreira e João Moniz 24 de Janeiro de 2022 às 01:30
Fábio Vieira (FC Porto) tenta fugir à marcação de Bruno Rodrigues (Famalicão) em lance do jogo
Fábio Vieira (FC Porto) tenta fugir à marcação de Bruno Rodrigues (Famalicão) em lance do jogo FOTO: Lusa
O FC Porto, sem surpresas e com segurança, venceu ontem o Famalicão em casa e aumentou para seis pontos a vantagem para o segundo da classificação, o Sporting.

A derrota dos leões na véspera deixava adivinhar um dragão ainda mais voraz, diante de um conjunto minhoto que se apresentou com várias ausências e adaptações.

Com o mesmo figurino que já tinha goleado na jornada anterior o Belenenses SAD, a equipa portista sufocou e apagou o Famalicão no primeiro tempo. Marcou apenas dois golos, mas falhou uma mão-cheia de golos claros.
As dificuldades para treinar devido a um surto de Covid-19 no plantel ajudam talvez a justificar tão fraco rendimento da equipa forasteira. Mas do outro lado estava um rolo compressor com Otávio na batuta e Luis Díaz (quem mais?) sempre a desequilibrar. O colombiano teve excelentes hipóteses para destronar Darwin da lista de melhores marcadores, mas só por uma vez fez o gosto ao pé.

No final de uma primeira parte sem história, o árbitro ainda assinalou penálti sobre Otávio, mas o lance foi revertido depois de consultado o VAR.

O Famalicão surgiu do intervalo mais estendido no terreno tentando aproveitar algumas desatenções dos defesas portistas. Não teve chances dignas de registo (exceção foi um livre direto de Ivo Rodrigues).
O FC Porto baixou o ritmo, mas foi sempre criando situações para dilatar o marcador.

Numa delas, o iraniano Taremi, que começou o jogo no banco de suplentes, falhou a mira num lance aos 73’. Depois teve chance de ouro para fazer o golo. Marcou de penálti, numa falta cometida sobre si.

Até final Sérgio Conceição, que viu o encontro do camarote por estar castigado, deu descanso à frente de ataque, mas o FC Porto não mais voltou a marcar. O golo da consolação minhota surgiu nos descontos, com Riccieli a marcar após desacerto portista numa bola parada. O cartão vermelho ao colombiano Matheus Uribe (objetivo era ver o amarelo para limpar a ficha) é que não estava nas contas do técnico portista.

Os dragões voltam à ação na próxima semana, também no Dragão, com o Marítimo. Devido aos trabalhos das seleções, Luis Díaz, Uribe e Taremi são baixas confirmadas para 20ª jornada da Liga.

Eustáquio até final da época no FC Porto
Stephen Eustáquio é reforço do FC Porto até final da época. O acordo entre os dragões e o Paços de Ferreira está feito e prevê a cedência imediata do médio de 25 anos. O FC Porto garante uma cláusula de compra opcional cujo valor não foi divulgado. As contrapartidas do empréstimo também não foram tornadas públicas.
Eustáquio, que tem dupla nacionalidade portuguesa e canadiana, joga habitualmente pela seleção do Canadá. Tem contrato com P. Ferreira até 2024 e em Portugal já representou o Leixões, o Desp. Chaves e o Torreense.

Análise ao jogo
Positivo: Dragão lidera a intensidade
A primeira parte do FC Porto foi um autêntico vendaval ofensivo. Otávio, Fábio Vieira e Vitinha foram os cérebros da equipa na criação de oportunidades de golo. O jogo ficou praticamente resolvido com os golos de Otávio e Díaz.

Negativo: Ineficácia
O FC Porto ficou a dever à ficha de jogo uma mão-cheia de golos, principalmente antes do descanso. Luis Díaz foi o mais perdulário, mas Evanilson não ficou atrás, depois de ter feito um hat trick no jogo anterior com o Belenenses SAD.

Arbitragem: VAR melhor que o árbitro
Rui Costa assinalou penálti num lance sobre Otávio. O VAR não viu qualquer falta para castigo máximo e chamou o árbitro, que acabou por reverter (e bem ) a decisão inicial. Bem no penálti que deu 3-0. Foi o VAR a dar o vermelho a Uribe.

Análise aos jogadores
Otávio - Perante um Famalicão remendado, teve todo o espaço e tempo para soltar o seu talento no último terço do campo adversário. Bom remate para golo e excelente assistência para Díaz.
Diogo Costa – Noite tranquila. Nada podia fazer no golo do Famalicão.
Bruno Costa – Sem ser testado a defender, ajudou a atacar e esteve perto de marcar.
Mbemba – Corte oportuno aos 49’. Lidera a defesa com autoridade crescente.
Fábio Cardoso – Não joga bonito, mas cumpre o essencial: cortar bolas.
Wendell – Jogos como o de ontem ajudam a ganhar confiança. Noite pacífica.
Uribe – Borrou a pintura com uma entrada duríssima e sem qualquer necessidade.
Vitinha – É difícil vê-lo falhar um passe. Muita disponibilidade física e capacidade técnica a fazer a bola circular pelos três corredores.
Fábio Vieira – Joga de olhos fechados com Vitinha. Isolou Díaz duas vezes, com passes açucarados.
Luis Díaz – Grande execução para o 2-0 mas ficou a dever a si mesmo mais um par de concretizações certeiras.
Evanilson – Bem tentou aos 28’ e 37’, mas não demonstrou a eficácia desejada.
Taremi – Conquistou o penálti que concretizou no 3-1. Falhou o corte no canto que deu golo ao Famalicão.
Francisco Conceição – Sem influência no jogo.
Pepê – Somou minutos.
Grujic – Nada a dizer.
Ver comentários