Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
4

Rei Leão dá 'show' e Sporting vence Belenenses por 8-1

Bruno Fernandes fez hat-trick e chegou aos 31 golos na época.
Sérgio Pereira Cardoso 6 de Maio de 2019 às 08:38
Raphinha festeja o primeiro golo do Sporting. Bruno Fernandes, mais atrás, fez um inédito hat-trick
Belenenses defronta Sporting no Estádio do Jamor
Agressões entre adeptos no final do jogo entre o Sporting Clube de Espinho e Lourosa
Belenenses defronta Sporting no Estádio do Jamor
Belenenses defronta Sporting no Estádio do Jamor
Raphinha festeja o primeiro golo do Sporting. Bruno Fernandes, mais atrás, fez um inédito hat-trick
Belenenses defronta Sporting no Estádio do Jamor
Agressões entre adeptos no final do jogo entre o Sporting Clube de Espinho e Lourosa
Belenenses defronta Sporting no Estádio do Jamor
Belenenses defronta Sporting no Estádio do Jamor
Raphinha festeja o primeiro golo do Sporting. Bruno Fernandes, mais atrás, fez um inédito hat-trick
Belenenses defronta Sporting no Estádio do Jamor
Agressões entre adeptos no final do jogo entre o Sporting Clube de Espinho e Lourosa
Belenenses defronta Sporting no Estádio do Jamor
Belenenses defronta Sporting no Estádio do Jamor
Um, dois, três... oito. O Sporting de Keizer foi ao Jamor arrasar o Belenenses, atingindo as 10 vitórias consecutivas no campeonato. Dois erros de Muriel abriram uma autoestrada na qual o leão acabou por atropelar o adversário.

Números gordos aos quais se juntam os agora 31 golos (!) marcados por Bruno Fernandes, dono de um hat-trick. Raphinha, Phellype, Bas Dost e Doumbia assinaram o ponto.

Domingo de sol, temperatura agradável, ideal para um passeio da turma de Alvalade. Já se sabia que o Belenenses gosta de sair a jogar desde a baliza, mas Muriel, qual gazela, expôs-se em demasia, por três vezes. À primeira, o leão até perdoou. A seguir, matou o encontro.

Raphinha aproveitou a assistência do guardião do Belenenses e inaugurou o marcador, aos 10’, minuto simbólico para o registo de vitórias dos homens de Keizer. Já depois dos 20’, um passe magistral do previdente Bruno Fernandes - incrível a forma como inventa jogadas que ninguém adivinharia - deixou Raphinha isolado.

Muriel virou o compatriota ao contrário. Falta clara, cartão vermelho. Tudo tranquilo para quem vestia de verde e branco.

Ainda dentro dos múltiplos de 10, o capitão leonino procurava chegar aos 30 golos nesta época (iniciou o jogo com 28). Sem sucesso em três tentativas, voltou às assistências. Passe de calcanhar para Luiz Phellype, com o brasileiro a rematar para o sétimo tento em sete jogos, após precioso auxílio de Guilherme - um frango a ajudar ao festim.

Já de barriga bem composta e de tão confortável que estava, o Sporting adormeceu momentaneamente na relva do Jamor. Erros seguidos de Mathieu, Borja e Renan resultaram no 1-2 de Licá. O acordar da sesta do leão foi demolidor.

Primeiro, tiro de Gudelj, com um desvio em André Santos, no início do descalabro belenense e do escancarar de portas para a coroação de Bruno Fernandes, o médio rei dos golos. De penálti, após falta sobre Luiz Phellype, concretizou o 29º da temporada e, depois, servido pelo mesmo brasileiro, chegou aos 30.

Nesta enxurrada sobre a baliza de Guilherme, o regressado Dost picou o ponto (6-1) e atirou ao poste. Fernandes ainda foi a tempo de chegar aos 31, antes de Doumbia encerrar as contas, com o Belenenses feito num 8. Show de ‘Brunão’ no festival do leão no Jamor, onde voltará para a final da Taça.

ANÁLISE
Até o resultado foi para o 8
De 8 nas costas e tanto talento nos pés. Bruno Fernandes começou por assistir Luiz Phellype, mas depois quis chegar à tal marca dos 30 golos. Chegou e superou. Leva 31 na época, 19 na Liga, a dois de Seferovic. Médio? Sim, mas sempre no máximo.

Muriel das lamentações
Escavou o buraco onde o Belenenses tombou com estrondo. Começou com um passe arriscado que quase dava asneira. À segunda, só cai quem quer e Raphinha aproveitou a prenda para o 1-0. Depois, ainda derrubou o brasileiro e viu o vermelho.

Arbitragem competente
Excelente na análise que ditou a expulsão de Muriel, merece benefício da dúvida no penálti sobre Luiz Phellype, em que o jogador do Belenenses divide o contacto entre a bola e a perna do brasileiro. De resto, muito bem, disciplinar e tecnicamente.

Luiz VII coroou Bruno
o Renan
– Duas boas defesas antes de deixar escapar a bola para o golo do Belenenses.
o Ristovski
– Muito ofensivo, usou e abusou dos cruzamentos, alguns deles menos conseguidos. Exibição positiva.
o Coates
– Sempre concentrado, resolveu os poucos problemas com que lidou.
o Mathieu
– Arguido no golo dos homens da casa. Compensou com as habituais e úteis idas ao ataque.
o Borja
– Também está no tento sofrido, mas leva uma assistência para casa.
o Gudelj
– Rematador desde início, teve um prémio com alguma sorte no disparo de longe que terminou no 3-1.
o Wendel
– Presença física importante, embora tivesse falhado no acompanhamento do inspirado Eduardo.
o Raphinha
– Foi o homem que indicou o caminho da vitória. Aproveitou a asneira de Muriel para o 1-0 e motivou a expulsão do guardião.
o Acuña
– Dínamo do costume, com disponibilidade total, está num dos golos de Bruno Fernandes.
o Luiz Phellype
– Luiz VII. São sete golos nos últimos sete jogos. Ainda sofreu um penálti e deu o 5-1, como quem entrega a coroa, ao capitão Bruno.
o Doumbia
– Entrou, correu e finalizou o resultado.
o Bas Dost
– Voltou e, em dois minutos, voltou também aos golos. Ainda atirou ao poste.
o Diaby
– Assistência para o tento de Doumbia.

Médio mais goleador da Europa
Bruno Fernandes, com o seu inédito hat-trick deste domingo, tornou-se o médio com mais golos marcados numa época no futebol europeu (31 golos), superando o registo anterior que pertencia ao brasileiro Alex, antigo jogador do Fenerbahçe.
Muriel Keizer Sporting Fenerbahçe Luiz Phellype Jamor rei Bruno Fernandes Belenenses Raphinha Bas Dost
Ver comentários