Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

Revolta usada para unir tropas no FC Porto

Arbitragem de Soares Dias foi pretexto para incentivar jogadores.
Pedro Neves de Sousa 11 de Março de 2020 às 08:44
Sérgio Conceição quer usar a revolta como arma de motivação
Sérgio Conceição quer usar a revolta como arma de motivação FOTO: Peter Spark
Dar tudo por tudo", "união" e "confiança". Estas foram algumas das ideias-chave do discurso de Sérgio Conceição ao plantel, proferido esta terça-feira, dia em que o FC Porto começou a preparar o jogo em Famalicão (próximo domingo), apurou o CM.

O sentimento é de revolta no balneário, pelo empate (1-1), no Dragão, frente ao Rio Ave. Resultado que impediu os portistas de aumentar a vantagem, para três pontos, sobre o Benfica, num jogo em que o árbitro Artur Soares Dias foi criticado por não ter assinalado um penálti, por falta de Aderlan sobre Marega.

Dentro do balneário, a mensagem de Conceição foi clara: essa revolta tem de servir para reforçar a união e alertar o plantel para os obstáculos e a pressão, que serão cada vez maiores na reta final da época e numa fase em que os dois rivais estão separados por um ponto. O empate está a ser difícil de digerir.

Sérgio Conceição está em sintonia com Pinto da Costa, que sentiu necessidade de assumir, publicamente, a indignação do clube face à arbitragem de Soares Dias, prometendo atenção redobrada com as arbitragens até ao final do campeonato.

O técnico também não se vai calar sobre as questões de arbitragem, ao contrário do que fez na temporada passada, em que se limitou ao silêncio sobre o tema. Reforçou também a convicção de que o FC Porto vai ser o campeão.

Vetos não são aceites
O Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol rejeita vetos de clubes a árbitros. Por essa razão, "Soares Dias e também Vasco Santos [o VAR no FC Porto-Rio Ave,1-1] continuarão a ser nomeados sempre que o CA entender que são as melhores opções para os jogos, uma vez que merecem a nossa confiança", diz fonte do organismo.

Os dois árbitros foram visados por Pinto da Costa, presidente portista, fruto do trabalho que realizaram sábado no Dragão, onde deixaram passar em claro um penálti sobre Marega.

Oliveira desmentido
A SAD do FC Porto desmentiu esta terça-feira António Oliveira, antigo treinador e jogador do clube, que, na RTP, se manifestou preocupado com a possibilidade de os dragões poderem não estar a cumprir as regras do fair play financeiro imposto pela UEFA, o que poderia inviabilizar a participação da equipa de Sérgio Conceição nas competições europeias.

A presença na próxima edição da Liga dos Campeões, notam os portistas, "depende exclusivamente dos resultados desportivos da época em curso".
Ver comentários