Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
8

Wayne Rooney diz que futebolistas são "alvos fáceis" na questão dos salários

Avançado reagiu às críticas em relação ao facto de os jogadores ainda não terem concordado com a redução salarial.
Lusa 5 de Abril de 2020 às 14:25
Wayne Rooney
Wayne Rooney FOTO: Getty
O internacional inglês Wayne Rooney disse este domingo que os futebolistas profissionais, criticados por alguns membros do governo e parte da opinião pública por tardarem em aceitar baixar os salários, "são alvos fáceis".

"Se o governo me contactar para que ajude financeiramente enfermeiros ou que financie a compra de ventiladores, ficarei orgulhoso de o fazer, enquanto souber para onde vai o dinheiro", sublinhou o jogador, num artigo de opinião publicado no Sunday Times.

O avançado, de 34 anos, reagiu assim às críticas em relação ao facto de os jogadores ainda não terem concordado com a redução salarial, num momento de paralisação das competições devido à pandemia da covid-19.

"Eu estou numa posição que me permite largar qualquer coisa, o que não é o caso de todos os futebolistas. E, subitamente, todos são confrontados com um pedido de redução de salários de 30% em todos os campos. Porque é que são os futebolistas os 'bodes expiatórios'?" questionou o jogador, atualmente no Derby County, do 'Championship´ (segunda divisão).

Na terça-feira, o anúncio do Tottenham, de José Mourinho e Gedson Fernandes, da decisão de colocar em 'lay-off' o 'staff' do clube que não está ligado à competição acendeu o rastilho de críticas para com os jogadores.

Um dia depois, na quarta-feira, foi o Bournemouth a aplicar o mesmo procedimento a 50 dos seus funcionários, embora tenha informado que o diretor-técnico, o treinador da primeira equipa, Eddie Howe, e o adjunto, aceitaram baixar salários.

A polémica arrastou-se durante a semana, ao ponto de o ministro britânico da Saúde, Matt Hancock, 'convidar' os jogadores a fazerem parte do esforço nacional, uma proposta que manifestou a vontade do governo, segundo um porta-voz de Boris Johnson.

Na sexta-feira, a Liga comunicou que iria avançar com a consulta aos jogadores de uma redução de 30% e, já no sábado, o Sindicato rejeitou esta proposta, pelo facto de a mesma "reduzir a receita fiscal do governo britânico".

"Todos os jogadores da 'Premier League' querem e vão realizar contribuições financeiras relevantes nestes tempos sem precedentes", afirmou o PFA, em comunicado.

A estrutura sindical calcula que "a proposta [de] descida de 30% dos salários por 12 meses equivale a um total de 500 milhões de libras (cerca de 576 milhões de euros) em cortes salariais e uma perda de mais de 200 milhões de libras (222 ME) em contribuições fiscais para o governo".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 65 mil. Dos casos de infeção, mais de 233 mil são considerados curados.

O Reino Unido regista até este domingo 4.313 mortes e um total de 41.903 casos de pessoas infetadas.

Wayne Rooney desporto futebol salários negócio governo opinião pública coronavírus pandemia covid19
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)