Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
9

90 milhões de quebra por dia nos cartões

Setor da restauração foi aquele que registou maiores perdas durante o mês de março.
Correio da Manhã 12 de Maio de 2020 às 08:26
Levantamentos diminuíram com chegada da pandemia a Portugal
Levantamentos diminuíram com chegada da pandemia a Portugal FOTO: Direitos Reservados
São menos 90 milhões de euros movimentados por dia nas operações com cartão. Em tempo de pandemia, a cada dia, os portugueses fizeram menos 56 milhões em compras com cartão e levantaram menos 34 milhões.

O balanço, para o período entre 19 de março e 20 de abril, foi esta segunda-feira divulgado pelo Banco de Portugal. Trata-se de uma quebra de 46% face ao valor previsto num cenário sem pandemia.

O banco central fala numa quebra "sem precedentes" e realça mesmo que, desde que o País entrou em estado de emergência, a 19 de março, a tendência negativa se tornou ainda mais notória. No Domingo de Páscoa, a 12 de abril, registou-se mesmo a descida mais significativa nas compras: 75%.
O único setor a registar um desempenho positivo em março foi o do comércio a retalho, em que se incluem súper e hipermercados. Contudo, a subida foi quase nula: 0,1%.

Já o setor da restauração é o mais afetado em termos absolutos: só em março, assistiu a um rombo de 229 milhões de euros ou 55%. No setor do alojamento, a quebra percentual foi de 56% mas o regulador não concretizou o valor perdido.

O cenário de turismo parado ajuda a perceber a quebra nas operações com cartões estrangeiros no País: em março foram gastos menos 180 milhões de euros e levantados menos 35 milhões de euros.

Os dados mostram ainda que, em março, os nacionais fizeram mais compras online, embora a um ritmo "inferior ao verificado nos meses anteriores", perante a redução nas compras a comerciantes fora do País.

100 mil empresas nacionais expostas ao impacto do vírus
Mais de 100 mil empresas nacionais têm uma forte exposição aos impactos económicos da Covid-19. Segundo a Informa D&B, os setores ligados ao turismo e do comércio não alimentar são os mais afetados. Se forem tidos em conta os empresários em nome individual, esse número dispara para os 200 mil. Algarve e Madeira são as regiões com mais empresas em setores com "alto impacto".

Regresso à indústria para recuperar competitividade
O Fórum para a Competitividade sugeriu a aposta no setor da indústria para dar "credibilidade" ao País no pós-pandemia. A associação empresarial alerta para uma "recessão profunda em 2020" devido ao impacto nos setores do turismo e dos serviços. Os especialistas destacam, contudo, que a reindustrialização não pode partir de uma "lógica errada" assente no investimento público.

BCE ignora ultimato alemão sobre dívida
O Banco Central Europeu (BCE) vai continuar a comprar dívida pública da Zona Euro, apesar da decisão do Tribunal Constitucional alemão, que considera que a compra viola a constituição alemã.
País BCE economia negócios e finanças macroeconomia conjuntura
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)