Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

Agências de viagens avisam que não apoiar TAP é regredir 10 anos no turismo

Posição foi defendida pelo presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens.
Lusa 1 de Dezembro de 2021 às 22:09
TAP
TAP
O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens (APAVT) defendeu hoje, em Aveiro, que o país deve apoiar a TAP, sugerindo que se avalie o que fica mais caro, auxiliar a companhia ou regredir 10 anos no setor.

"Precisamos de união e sentido de estratégia, também porque teremos de nos preocupar com a defesa do 'hub' aéreo em Lisboa, e isso não parece possível sem a manutenção de uma TAP com dimensão", disse Pedro Costa Ferreira no 46.º Congresso Nacional da APAVT, que começou hoje em Aveiro.

O responsável lembrou que hoje se assiste a um país dividido "entre quem sustenta o apoio estatal à TAP e quem o combate", acrescentando que a associação não se revê "nesta simplicidade" de análise.

"Desde logo, porque o principal desafio do turismo português é o desenvolvimento dos mercados longínquos, que nos trarão mais território turístico e menos sazonalidade. Não cremos que tenhamos êxito nesta tarefa, se não mantivermos o 'hub', bem como não acreditamos que consigamos manter o 'hub", se não for através da TAP", sustentou.

"Por outras palavras, o que é mais caro? Apoiar a TAP, ou regredir dez anos no setor turístico, com todas as implicações para a economia nacional? Mas dizer isto, e com isto acreditar que, enquanto país, devemos apoiar a TAP, não é isentá-la da necessidade de gestão rigorosa e resultados positivos, procurando que o apoio seja o menor possível, pelo menor período de tempo possível", reforçou Pedro Costa Ferreira.

O presidente da APAVT estendeu a preocupação à SATA.

"O papel que esta companhia aérea representa nos Açores dificilmente permitirá, em nosso entender, sermos levianos ou termos um olhar político de curto prazo quanto à necessidade de resolução dos problemas que tenta agora resolver, através de uma estratégia reformadora", disse.

"Sim, o país vai precisar das suas companhias aéreas. Contem connosco para construir equipa", disse, dirigindo-se aos representantes das companhias aéreas presentes no congresso.

O 46.º Congresso Nacional da APAVT decorre até sexta-feira em Aveiro, sob o mote "Reencontro" e conta com mais de 730 pessoas ligadas ao setor, tornando-o o maior de sempre.

"Estamos a falar de 738 congressistas, o maior congresso da APAVT desde que há registos", disse Pedro Costa Ferreira à Lusa, acrescentando que, desta forma, a reunião deste ano vai-se "reafirmar como 'o' congresso do turismo português".

O Presidente da República disse hoje, também em Aveiro, que uma das virtudes das eleições é a possibilidade de clarificação de alguns assuntos e que é isso que espera que os candidatos eleitorais façam, nomeadamente, sobre o futuro da TAP e do novo aeroporto.

"Sou daqueles que pensam que sonhar com um 'hub' forte em Portugal implica apostar na reforma d TAP e significa a viabilização e que não há alternativa. Não há alternativa mirífica de esperar que venha ao mercado - à saída da crise pandémica -, do céu, de uma galáxia diferente, de outros países, salvar uma situação que decorreria da extinção da TAP - com o que quer que fosse a extinção - substituindo o seu papel em aspetos fundamentais em termos internos e de ligação externa num país de diáspora. Isso é esperar o impossível", sublinhou o Chefe de Estado.

Para Marcelo Rebelo de Sousa "há parcerias que se fazem e que se podem fazer", mas essas parcerias supõem que haja um parceiro português e "esse parceiro português nacional chama-se TAP".

O Governo português espera que a Comissão Europeia aprove o plano de reestruturação da TAP ainda este ano.

Ver comentários