Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
9

António Horta Osório sai do Lloyds Bank em 2021

O gestor português vai cumprir 10 anos à frente do maior banco de retalho britânico.
6 de Julho de 2020 às 07:56
Horta Osório
Horta Osório
Horta Osório
Horta Osório
Horta Osório
Horta Osório

António Horta Osório vai sair da liderança do Lloyds em junho de 2021, cumprindo um mandato de 10 anos à frente daquele que é o maior banco britânico de retalho.

"Convicto assumido de que as pessoas não se devem perpetuar nos cargos, para benefício das instituições e dos próprios, Horta Osório decidiu deixar o cargo de CEO do Lloyds em 2021 após uma década de enorme importância para o maior banco de Inglaterra e altamente desafiante para o gestor", refere um comunicado do Lloyds.  

"É com um misto de emoções que anuncio a minha intenção de deixar o Lloyds Banking Group em junho do próximo ano. Foi um enorme privilégio ter contado com o apoio de uma equipa extraordinária, tanto no Conselho de Administração como no Conselho Executivo, com a qual vou continuar a contar até terminarmos a implementação do nosso plano estratégico, contribuindo para transformar o Grupo no banco do futuro", refere o gestor português, citado no mesmo comunicado.

A saída do gestor português ocorrerá depois de terminar o terceiro plano estratégico para o banco, que tinha como principais objetivos preparar a instituição para um mundo digital e contribuir para a transição do Reino Unido para uma economia de baixo carbono.

Horta Osório assumiu os comandos do Lloyds em março de 2011, na sequência da aquisição do HBOS, que implicou a entrada do Estado no banco, com 39% do capital.

A instituição, que tinha prejuízos desde o início da crise de 2008, voltou a registar lucros em 2015. Dois anos mais tarde, regressou à esfera privada com lucro para o Estado britânico.

Em comunicado, a instituição lembra que seis anos depois da entrada de Horta Osório no banco, "o Lloyds devolveu na totalidade os 21 mil milhões de libras dos contribuintes ao Estado, e ainda 900 milhões de libras adicionais".

Até junho do próximo ano, Horta Osório irá "concluir a implementação do plano estratégico apresentado em 2018, continuar a liderar a resposta do banco aos enormes desafios colocados pelas consequências económicas da pandemia e assegurar a transição da liderança da instituição de uma forma tranquila e organizada", acrescenta o comunicado.

Lord Blackwell, chairman do Lloyds, destaca a "extraordinária contribuição" do gestor português para o desenvolvimento estratégico do grupo, sublinhando que o seu "compromisso pessoal e a sua forte visão" conduziram a um período de enormes mudanças bem-sucedidas.

"Durante a sua gestão, Horta Osório supervisionou uma transformação abrangente do Balanço do Grupo, das várias divisões de negócio e das propostas aos clientes do Grupo, incluindo o reembolso do investimento de 21 mil milhões de libras realizado pelo governo do Reino Unido e a evolução do Grupo para o maior banco digital do país",afirma o presidente, citado no comunicado. "A decisão de anunciar agora a sua intenção de saída do Grupo vai permitir um processo de sucessão ordenado para a nomeação de um novo CEO no próximo ano, que irá trabalhar com o novo chairman".   



 

António Horta Osório Lloyds Bank Lloyds Banking Group Grupo Reino Unido Estado
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)