Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
6

Bazuca tem de passar pelo crivo do Conselho Europeu

Holanda, Dinamarca, Suécia e Áustria são países que se opõem à atribuição de verbas a fundo perdido.
João Maltez 29 de Maio de 2020 às 08:37
António Costa
António Costa FOTO: Lusa
Há um longo caminho a percorrer até que a bazuca dos 750 mil milhões de euros possa ser municiada para ajudar a recuperar a economia europeia. A medida anunciada pela presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, tem ainda de passar pelo crivo de outras duas instâncias comunitárias o Conselho e o Parlamento, para que, no início de 2021, durante a Presidência alemã da União Europeia, possa entrar em vigor. Bruxelas admite, ainda assim, que parte das verbas possam ser libertadas a partir do próximo outono.

O programa ‘Nova Geração UE’ está dotado de 750 mil milhões de euros, dos quais 500 mil milhões em subvenções e 250 mil milhões em empréstimos com condições mais favoráveis, e visa dar respostas aos países cuja economia foi mais afetada. Portugal deverá ter acesso a um montante na ordem dos 26 mil milhões de euros (dos quais 15,5 mil milhões a fundo perdido), de acordo com as primeiras estimativas da Comissão Europeia.

A Itália (com uma verba que ultrapassa os 172 mil milhões de euros), Espanha (mais de 140 mil milhões) e Polónia (quase 64 mil milhões) são os três países que maior partido poderão retirar deste apoio.

Bruxelas quer que as primeiras tranches cheguem aos diferentes países no próximo outono, antecipando o programa que entrará em vigor no início de 2021. Para tal, o Conselho Europeu, que reúne os lideres de Governo dos 27 Estados-Membros, terá de dar um ‘sim’ por unanimidade, o que não deverá ser fácil, dadas as enormes reticências que os chamados países frugais - Holanda, Dinamarca, Suécia e Áustria – têm relativamente a um plano que terá dois terços das verbas concedidas a fundo perdido.

Novo fundo tem 560 mil milhões
Chama-se de Mecanismo de Recuperação e Resiliência e é também um novo fundo de apoio à economia. Foi apresentado esta sexta-feira pelo vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, e está dotado de 560 mil milhões de euros, dos quais 310 mil milhões serão atribuídos a fundo perdido.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)