Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
2

Centeno está certo de uma "recuperação relativamente rápida" da economia europeia

Presidente do Eurogrupo diz em entrevista a jornal alemão que "nem todos os países vão conseguir combater a crise com o mesmo sucesso da Alemanha".
Jornal de Negócios 25 de Maio de 2020 às 10:03
Mário Centeno
Mário Centeno

A proposta da Alemanha e França para o fundo de recuperação da União Europeia é um "passo importante na direção certa para superar a crise" da pandemia da covid-19, diz Mário Centeno, que avisa para as negociações "muito complicadas" ao nível do Conselho Europeu, para que a proposta seja aprovada por todos os países da União Europeia (UE).

Em entrevista ao jornal alemão Welt am Sonntag, o presidente do Eurogrupo mostra-se otimista com a recuperação da economia europeia, ajudada pelos vários instrumentos que as instituições europeias estão a colocar no terreno para fazer face aos efeitos da pandemia.

Centeno lembra que as estimativas que estão a ser avançadas para a evolução do PIB não têm ainda em conta este fundo de reconstrução de 500 mil milhões de euros, sendo que "este enorme estímulo vai acelerar fortemente a recuperação económica".

Centeno deu o exemplo da Alemanha, que no final de 2021 já deverá apresentar um PIB idêntico ao registado no final de 2019. "Nem todos os países vão conseguir combater a crise com o mesmo sucesso da Alemanha, porque não têm a mesma capacidade de resposta", mas no final de 2022 já todos os países terão recuperado da crise, estimou o presidente do Eurogrupo.

"Não é motivo para celebrar. Vamos perder dois anos em termos económicos. Mas mostra que esta crise não é o fim do mundo. Podemos estar certos de uma recuperação relativamente rápida", afirmou o também ministro das Finanças português na entrevista ao jornal alemão.

 

No que diz respeito à evolução da dívida pública, Centeno diz ser inevitável um aumento no curto prazo, mas confia numa "descida assim que os ‘lockdowns’ começarem a ser levantados e regresse o crescimento económico". Assim, estima uma redução do nível de endividamento dos países europeus já em 2021.

"Além disso não estamos em 2008. A Europa entrou nesta crise com instituições mais fortes ao nível da UE, bancos mais fortes, finanças públicas mas fortes e uma posição comercial equilibrada", afirmou.

Na entrevista ao jornal alemão, Centeno assinalou ainda que é cedo para falar já da distribuição do dinheiro do fundo de recuperação – "primeiro é preciso saber quanto necessita cada país" – e que este mecanismo que vai recorrer a financiamento comum é "temporário" e que o seu reembolso deverá ser por um período longo – "20, 25 ou até 30 anos" - de modo a não colocar muita pressão nas finanças e crescimento económico da UE.

"A proposta franco-alemã seria um grande passo com vista a uma união fiscal e a uma união monetária que funcione verdadeiramente, ainda que o plano do fundo de reconstrução [na sequência da crise gerada pela pandemia de covid-19] seja limitado no tempo", afirmou Centeno. 

Sobre a possibilidade de candidatar-se a um segundo mandato à frente do Eurogrupo, Centeno repetiu o que tem dito em Portugal sobre o tema, embora tenha adiantado datas. "Vou informar os meus colegas nas próximas semanas" se serei candidato, disse Centeno, revelando que a 11 de junho convidará os interessados a apresentar uma candidatura, de modo a que uma votação possa acontecer no início de julho. O mandato de Centeno termina a 13 de julho.

Questionado sobre se os alemães deveriam ir de férias a Portugal este verão, Centeno respondeu que "são certamente bem-vindos" e revelou que as suas férias serão no país "devido ao trabalho que terá nesta crise de todos os tempos".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)