Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

Portugal arrecada 45 mil milhões de euros em subsídios e destina 300 milhões ao Algarve

Primeiro-ministro português considerou que acordo alcançado em Bruxelas dá "sinal de confiança" à Europa e a Portugal para a recuperação económica.
Lusa 21 de Julho de 2020 às 07:14
O primeiro-ministro da Grécia, Kyriakos Mitsotakis, o primeiro-ministro espanhol Pedro Sanchez, o primeiro-ministro de Portugal, Antonio Costa, a presidente da Romênia, Klaus Werner Iohannis, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel
António Costa durante Conselho Europeu
Conselho Europeu
O primeiro-ministro da Grécia, Kyriakos Mitsotakis, o primeiro-ministro espanhol Pedro Sanchez, o primeiro-ministro de Portugal, Antonio Costa, a presidente da Romênia, Klaus Werner Iohannis, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel
António Costa durante Conselho Europeu
Conselho Europeu
O primeiro-ministro da Grécia, Kyriakos Mitsotakis, o primeiro-ministro espanhol Pedro Sanchez, o primeiro-ministro de Portugal, Antonio Costa, a presidente da Romênia, Klaus Werner Iohannis, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel
António Costa durante Conselho Europeu
Conselho Europeu
O primeiro-ministro, António Costa, considerou hoje que o acordo alcançado no Conselho Europeu, em Bruxelas, dá "um sinal de confiança" à Europa e a Portugal para a recuperação económica pós-pandemia de covid-19.

"Terminou finalmente este Conselho Europeu - parece que foi o segundo mais longo da história das instituições europeias - e creio que terminou com um sinal importante de confiança para o esforço de recuperação económica e social que a Europa e Portugal têm de apreender", disse o chefe de Governo português.

Falando aos jornalistas portugueses em Bruxelas, após um compromisso a 27 alcançado no quinto dia de uma das cimeiras europeias mais longas da história, António Costa destacou que "foi aprovado pela primeira vez um instrumento específico de recuperação económica, financiado com base em dívida emitida pela União Europeia e que financiará os programas nacionais de recuperação, quer sob a forma de subvenções, quer sob a forma de empréstimos".

Para o primeiro-ministro, este Fundo de Recuperação junta-se "à ação firme que o Banco Central Europeu tem vindo a desenvolver desde o início da pandemia e também às três linhas de segurança que o Eurogrupo desenvolveu e aprovou de apoio aos Estados, às empresas e também ao emprego".

Apesar de admitir que, inicialmente, os subsídios a fundo perdido tinham "dimensão um pouco maior", António Costa destacou que "o passo mais importante" é os 27 terem assumido, "pela primeira vez e em conjunto, esta emissão de dívida para financiar um programa de recuperação e o programa de recuperação ter uma dimensão suficientemente robusta para responder àquelas que são as atuais estimativas sobre o impacto da crise económica na Europa".

A este fundo acresce o orçamento da UE a longo prazo, relativamente ao qual o primeiro-ministro português destacou que "foi possível ultrapassar os bloqueios que tinham impedido a sua aprovação nas anteriores reuniões do Conselho Europeu".

"Recordo que a negociação neste Quadro [Financeiro Plurianual 2021-2027] era particularmente difícil porque é o primeiro sem a participação de um contribuinte importante, que é o Reino Unido, e onde a UE assume a sua ambição de prosseguir um conjunto de novas políticas que, anteriormente não eram seguidas, adiantou António Costa, falando em fatores estes que "colocavam grande pressão" sobre o orçamento.

O Conselho Europeu aprovou hoje um acordo para retoma da economia comunitária pós-crise da covid-19, num pacote total de 1,82 biliões de euros.

A decisão surgiu já pelas 05:30 (hora local, menos uma em Lisboa), minutos depois de os chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE) terem retomado, esta madrugada em Bruxelas, os trabalhos formais a 27, após árduas negociações nos últimos dias.

Nesta reunião histórica, foi então aprovado um Quadro Financeiro Plurianual para 2021-2027 de 1,074 biliões de euros e um Fundo de Recuperação de 750 mil milhões, com pouco mais de metade em subvenções.

Relativamente ao Fundo de Recuperação, 390 mil milhões de euros serão então atribuídos em subvenções (transferências a fundo perdido) e os restantes 360 mil milhões em forma de empréstimo.

Portugal deverá arrecadar 15,3 mil milhões de euros em transferências a fundo perdido no âmbito deste fundo.

Hoje, os 27 chegaram, ainda, a um compromisso sobre a relação entre a concessão de financiamento da UE e o respeito pelo Estado de direito, cujas condicionalidades inicialmente equacionadas foram fortemente criticadas pela Hungria e pela Polónia, dois países que têm estado na 'mira' de Bruxelas por alegadas violações dos princípios democráticos.

Para António Costa, este mecanismo encontrado "é o mais adequado" por prever uma "fiscalização rigorosa dos fundos comunitários".

Portugal arrecada 45 mil milhões em subsídios
Portugal vai arrecadar, com o orçamento da União Europeia (UE) a longo prazo e o Fundo de Recuperação, 45 mil milhões de euros em subsídios, destinando 300 milhões à região do Algarve, devido à quebra no turismo.

Falando hoje aos jornalistas em Bruxelas, minutos depois de o Conselho Europeu ter chegado a acordo sobre um pacote total de 1,82 biliões de euros para retoma da economia comunitária pós-crise da covid-19, o primeiro-ministro português, António Costa, indicou que, "no total, entre verbas disponíveis através do próximo Quadro Financeiro Plurianual e verbas mobilizadas a partir do Fundo de Recuperação, Portugal terá disponíveis 45 mil milhões de euros" nos próximos sete anos.

No anterior Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 -- e no qual não estava incluído o Fundo de Recuperação agora criado por causa da pandemia --, Portugal dispunha de 32,7 mil milhões de euros, havendo agora um acréscimo de 37%.

Ver comentários