Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
4

Construção e imobiliário querem nova moratória para obrigações fiscais e contributivas devido ao Covid-19

Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas justifica medida para apoiar empresas na manutenção dos postos de trabalho.
Lusa 19 de Agosto de 2020 às 11:29
Medida foi pedida esta quarta-feira pela AICCOPN
Medida foi pedida esta quarta-feira pela AICCOPN FOTO: Pedro Ferreira
A Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) defendeu esta quarta-feira uma nova moratória para as obrigações fiscais e contributivas das empresas, de maneira a apoiar o esforço que têm feito na manutenção dos postos de trabalho.

"A moratória, implementada no âmbito das medidas extraordinárias para combate aos impactos negativos da crise, foi uma medida essencial para evitar o que poderia ser um desastre absoluto", afirma o presidente a AICCOPN, citado num comunicado.

"Porém, as empresas estão já a efetuar os pagamentos das contribuições normais devidas, acrescidas dos montantes que foram objeto de moratória, e esse é um encargo financeiro muito significativo numa altura em que os problemas causados pela pandemia estão longe de estarem superados", 

Para Manuel Reis Campos, "num momento em que é necessário continuar a apoiar o esforço desenvolvido por estas para manterem os postos de trabalho, não obstante todos os constrangimentos impostos pelas consequências do atual surto pandémico", impõe-se a implementação de uma nova moratória para o cumprimento das obrigações fiscais e contributivas das empresas.

Segundo o dirigente associativo, é necessário "assegurar condições para que o tecido empresarial nacional possa suportar esta quebra sem precedentes na atividade económica".

"E, mesmo em setores como a construção e o imobiliário, em que a maioria das empresas não parou por força da declaração de estado de emergência, mantêm-se as dificuldades operacionais e a redução da produtividade, pelo que o fluxo financeiro da carga fiscal e contributiva também tem de se ajustar a esta nova realidade", acrescenta.

De acordo com Reis Campos, numa altura em que o setor é "apontado, à escala europeia, como uma aposta decisiva para reativar a atividade económica e o emprego, e perspetivando-se um reforço dos fundos europeus destinados a Portugal e um aumento do investimento público em projetos essenciais, é necessário garantir que as empresas portuguesas se conseguem posicionar competitivamente para estas oportunidades".

"A crise económica não se desvaneceu e é preciso dar mais tempo às empresas para lidar com as dificuldades da situação atual e manter os postos de trabalho que todos esperamos venham a ser necessários para a próxima fase, de retoma da economia e de arranque do investimento, pelo que, estabelecer novamente uma moratória para os pagamentos dos impostos e das contribuições sociais é, neste momento, uma medida importante para as empresas portuguesas", conclui o presidente da AICCOPN.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 774.832 mortos e infetou mais de 21,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal morreram 1.784 pessoas das 54.448 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Ver comentários