Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
1

Costa avisa que Portugal só terá sucesso com "amplo consenso político e social"

Primeiro-ministro participou na sessão do balanço público sobre o documento do "Plano de Recuperação Económica 2020/2030".
Lusa 15 de Setembro de 2020 às 16:17
António Costa, líder do Executivo
António Costa, líder do Executivo FOTO: Lusa
O primeiro-ministro considerou esta terça-feira que Portugal está perante "uma oportunidade única" em termos de recursos financeiros europeus, mas advertiu que só terá sucesso se tiver uma estratégia clara alicerçada em amplos consensos político e social.

Esta posição foi transmitida por António Costa na parte final do seu discurso que encerrou a sessão de balanço público do documento da autoria do professor universitário e gestor António Costa Silva, intitulado "Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica 2020/2030)", que decorreu na Fundação Calouste Gulbenkian.

Num elogio ao trabalho desenvolvido por António Costa Silva, o líder do executivo disse que o país dispõe agora "de uma visão ampla, arejada, alargada, informada e culta para os próximos 10 anos".

"Temos o desafio de transformar essa visão em instrumentos de política concreta, verificando que recursos temos, priorizar a utilização desses recursos e ir encaixando cada oportunidade que temos para dar o passo seguinte na execução dessa visão. Mas só teremos sucesso se ela começar por ser ancorada desde a partida num consenso muito alargado dos pontos de vista político e social", defendeu António Costa.

Sem consenso, de acordo com o primeiro-ministro, Portugal vai "desperdiçar o tempo, que não tem para executar a tempo e horas os recursos que nunca mais terá".

"Por isso, é fundamental o trabalho que agora se segue. Assim como foi essencial começar da melhor forma através do trabalho que o professor António Costa Silva desenvolveu e que agora entrega nas nossas mãos. O desafio agora é nosso", disse, antes de advogar a necessidade de "um contrato de confiança".

"Esta visão estratégica tem de assentar num amplo consenso nacional, visto que é para uma década, que se desenvolve ainda em três anos da presente legislatura, nos quatro da próxima e ainda em três anos da seguinte. Por isso, é fundamental um consenso tão alargado quanto possível", reforçou.

António Costa defendeu também que a execução do plano deve concretizar-se de forma descentralizada, "envolvendo o conjunto dos atores económicos, sociais, da academia, da cultura a da administração pública: Estado, regiões autónomas e autarquias".

Na próxima semana, de acordo com o primeiro-ministro, o Governo vai proceder à audição dos partidos com representação parlamentar (dias 21 e 22), do Conselho Económico e Social e do Conselho de Concertação Territorial, seguindo-se um debate temático no próximo dia 23 na Assembleia da República.

"No próximo dia 01 de outubro será aprovado o Programa Nacional de Infraestruturas, que foi debatido ao longo de vários anos e votado na Assembleia da República com uma maioria de três quartos. Temos de fazer este esforço em marcha acelerada, porque há um calendário: Até ao dia 15 de outubro temos de apresentar à Comissão Europeia a primeira versão daquilo que deve ser o Plano de Recuperação e Resiliência para Portugal", acrescentou, justificando o cronograma proposto pelo seu executivo.

Ver comentários