Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
3

Governo diz que layoff simplificado poderá ser adaptado à atual fase da retoma da atividade

Ministra do Trabalho anunciou que está a ser elaborado um novo instrumento de apoio às empresas,
Lusa 22 de Maio de 2020 às 21:47
Ana Mendes Godinho
Ana Mendes Godinho FOTO: Rodrigo Antunes / Lusa
A ministra do Trabalho disse esta sexta-feira que Governo está a desenhar um novo instrumento de apoio às empresas, sinalizando que o 'lay-off' simplificado poderá evoluir para um modelo adaptado à atual fase da retoma da atividade.

"Este momento diria que é um momento de transição, em que é preciso se calhar adaptar - e é nesse sentido que estamos a trabalhar -- a medida que foi o 'lay-off' simplificado a uma medida de pós 'lay-off' simplificado, no sentido de a adaptar também a uma reabertura da atividade", referiu a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social numa conferência online promovida pela Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC).

"Estamos neste momento a desenhar esse instrumento" na lógica de "termos uma medida que se adapte a uma diferente realidade que estamos a viver" e tudo será feito em amplo diálogo e ouvindo os contributos dos parceiros, referiu a ministra.

Neste momento, "já não temos as empresas completamente paradas [como aquele] em que criamos um mecanismo (...) no sentido de apoiar 100% uma situação de suspensão", referiu a ministra, acrescentando que o momento agora é de pensar como passar "para esta lógica de reabertura reconhecendo que a atividade [das empresas] ainda não está normalizada".

"É nesta fase que estamos", apontou.

Nesta sua intervenção na conferência "A retoma económica: pontos de vista institucionais" (integrada nos ciclos de conferências 'online' "Conviver com a Pandemia" da OCC) a ministra afirmou, em resposta a uma outra questão, que o 'lay-off' simplificado é pago às empresas e não aos trabalhadores porque se trata de um instrumento claramente concebido e criado para apoiar a manutenção dos postos de trabalho, dando liquidez às empresas.

De acordo com a governante cerca de 60% dos trabalhadores que recorreram ao 'lay-off' simplificado tiveram o seu contrato de trabalho suspenso ou redução de horário.

Antes, Ana Mendes Godinho tinha sublinhado o "esforço brutal" que a situação pandémica exigiu a todos, nomeadamente aos serviços da Segurança Social, referindo que as medidas excecionais e temporárias que esta crise obrigou a por em marcha fizeram com que a Segurança Social tivesse pago num mês apoios extraordinários a 1.233 mil pessoas e a um universo de 130 mil empresas, no valor de 446 milhões de euros.

"Se pensarmos que a Segurança Social na sua atividade mensal responde a 4,5 milhões de prestações, percebemos como num mês passamos a ter um universo inesperado", referiu.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou quase 330 mil mortos e infetou mais de 5,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,9 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.289 pessoas das 30.200 confirmadas como infetadas, e há 7.590 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Portugal entrou no dia 03 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Mais informação sobre coronavírus AQUI.

MAPA da situação em Portugal e no Mundo.

SAIBA como colocar e retirar máscara e luvas.

APRENDA a fazer a sua máscara em casa.

CUIDADOS a ter quando recebe uma encomenda em casa.

DÚVIDAS sobre coronavírus respondidas por um médico

Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)