Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
9

O milionário que luta por tostões

A vida de Américo Amorim é uma espécie de atualização do mito do rei Midas, embora com alguns desaires.
Filipe S. Fernandes 27 de Setembro de 2014 às 11:03
Américo Amorim é proprietário da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo e da Quinta de S. Cibrão, ambas no Douro.
Américo Amorim é proprietário da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo e da Quinta de S. Cibrão, ambas no Douro. FOTO: Pedro Ferrari

Conta-se que em 1983, quando Américo Amorim comprou a Herdade do Peral a Jorge de Mello, disse-lhe que era "o mais rico de Portugal". O neto de Alfredo da Silva e herdeiro do grupo CUF, nacionalizado em 1975, retorquiu: "Eu já fui…"

A vida de Américo Amorim é uma espécie de atualização do mito do rei Midas, embora com alguns desaires para temperar a história. Este ano Américo Amorim foi apanhado na armadilha do papel comercial do BES, que emitia títulos como se imprimisse notas, e poderá perder cerca de 500 milhões. No entanto, foi com os Espírito Santo que a sua família fez um dos negócios mais lucrativos. Em 1991 criaram a Telecel (hoje Vodafone) e venderam-na (62% do capital) em 1996 à Vodafone por mais de 400 milhões.

Filho de um industrial corticeiro, Américo Amorim tem um espírito de negociador comercial, que o faz lutar por tostões. Tem também um certo feeling para o imobiliário: vendeu a Amorim Imobiliária à Chamartin por 500 milhões de euros em outubro de 2006, um ano antes da crise e da queda acentuada dos preços do imobiliário.

Américo Amorim aproveitou as oportunidades que cada período histórico ofereceu. Conseguiu comprar cortiça às cooperativas comunistas em 1975, investiu em herdades nos anos seguintes, aproveitou a liberalização dos anos 80 para investir na Banca, primeiro no BPI, depois no BCP e mais tarde no BNC, que vendeu ao Banco Popular. Investiu nas telecomunicações e esteve na primeira privatização da Galp ao lado dos Espírito Santo, Manuel Bulhosa e António Champalimaud. Mais tarde, em dezembro de 2005, conseguiu convencer José Sócrates e Manuel Pinho, que tinha sido eleito deputado por Aveiro, da bondade da sua proposta de compra de 33% da Galp Energia aliado a Isabel dos Santos, Sonangol e Caixa Galicia, que entretanto lhe vendeu a participação.

Tem 72% da Corticeira Amorim e controla 38,34% da Galp Energia através da Amorim Energia, em que detém 55%, cabendo os restantes 45% à Esperaza, holding dos angolanos Sonangol e Isabel dos Santos, a quem está associado no Banco BIC Angola e Portugal.

Detém, desde 2007, 25% da Tom Ford, marca de moda de luxo criada por Tom Ford e Domenico del Sole, antigos líderes criativo e executivo da Gucci.

Hoje, os seus interesses centram-se, além da Galp Energia e da Corticeira Amorim, no imobiliário e em países como Brasil, Angola e Moçambique.

Américo Amorim Herdade do Peral herdeiro do grupo CUF
Ver comentários