Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia

Parlamento aprova prolongamento da moratória das rendas até setembro

Lei aprovada em abril estabeleceu regime excecional para as situações de mora no pagamento da renda devido à pandemia.
Lusa 21 de Maio de 2020 às 19:18
Rendas Lisboa
Rendas Lisboa FOTO: Sérgio Lemos
A proposta de lei do Governo que prolonga até 01 de setembro o regime que permite aos inquilinos em dificuldades recorrer a um empréstimo para pagar a renda ou diferir o seu pagamento foi aprovada esta quinta-feirano parlamento.

A proposta foi aprovada com o voto favorável do PS, BE, PAN e da deputada não inscrita e a abstenção do PSD, CDS-PP, PCP, PEV e Iniciativa Liberal.

Em causa está prorrogação até setembro dos prazos inicialmente previstos na lei aprovada em abril - que estabeleceu o "regime excecional para as situações de mora no pagamento da renda devida nos termos de contratos de arrendamento urbano habitacional e não habitacional, no âmbito da pandemia covid-19" - no que diz respeito ao recurso ao empréstimos junto do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) por parte dos arrendatários habitacionais com quebras de rendimentos e ao diferimento do pagamento da renda por parte dos inquilinos não habitacionais.

Durante o debate, a secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, salientou que os empréstimos junto do IHRU -- que também estão acessíveis aos senhorios com quebra de rendimentos devido ao não pagamento de rendas por parte dos seus inquilinos -- são a solução "mais favorável e vantajosa" para inquilinos e senhorios, na medida em que exige aos primeiros um menor esforço financeiro e garante aos segundo o recebimento da renda integral.

"Estamos a evitar o surgimento de novas situações de precariedade habitacional", referiu Ana Pinho, lembrando que o empréstimo prevê sempre um período mínimo de carência de seis meses e que a medida "cobre todos os arrendatários" habitacionais, incluindo os que se atrasaram no pagamento da renda.

A proposta do Governo foi alvo de várias propostas de alteração do PAN, BE, CDS-PP, PSD e da deputada não inscrita sobre os prazos e condições para beneficiar desta moratória de rendas, mas foram todas rejeitadas.

A proposta do PSD, que alargava aos senhorios de arrendatários não habitacionais o recurso ao IHRU, e a do CDS-PP, que pretendia que os inquilinos não habitacionais acedessem também ao apoio do IHRU, acabaram por motivar uma troca de argumentos entre estas duas bancadas, e o Governo, com o secretário de Estado do Comércio a terminar o debate lembrando as disposições legais que foram aprovadas e que visam proteger as rendas de empresas e a referir a disponibilidade para continuar "a acompanhar as circunstâncias muito específicas que se coloquem aos agentes económicos".

O diploma do Governo foi sujeito esta quinta-feira a votação na generalidade e final global, tendo nesta última contado com a abstenção do BE, que se juntou aos partidos que já se tinham abstido na primeira votação.

Durante a sessão desta quinta-feirar foi também discutida e votada uma proposta do PCP sobre a criação de um regime excecional no arrendamento habitacional e não habitacional no caso de comprovada diminuição de rendimento, mas a iniciativa foi chumbada.

Os deputados chumbaram também um projeto de resolução da Iniciativa Liberal que previa a criação de uma moratória no pagamento do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) para os senhorios com perdas superiores a 20% dos rendimentos.

Governo IHRU Ana Pinho política construção e obras públicas economia negócios e finanças política interna
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)